Pesquisar
Close this search box.
/
/
Por que a Estônia atrai os empreendedores?

Por que a Estônia atrai os empreendedores?

Descubra porque esse país do Leste Europeu, considerado o mais digital do mundo, é ótimo para receber novos empreendimentos

“A Estônia é uma grande história de sucesso entre as nações que tiveram independência depois da Guerra Fria”, disse, certa vez, o ex-presidente norte-americano Barack Obama.  O pequenino país geograficamente localizado diante do Mar Báltico, é considerado o mais digital do mundo e tem seu aparato estatal todo digitalizado. Os estonianos podem usar seus smartphones para fazer qualquer coisa online – desde checar as notas das escolas das crianças até acompanhar os registros de saúde. “Eu deveria tê-los chamado quando estávamos colocando no ar o nosso site de sistema de saúde”, já declarou Obama.

A cada ano que passa, essa nação tem atraído mais interessados em seu ecossistema de inovação e, atualmente, se tornou o terceiro país com maior número de startups per capita. Para se ter uma dimensão do sucesso, as marcas Skype (de comunicação), Transferwise (financeira) e Bolt (de locomoção) foram criadas lá. Com apenas 1,3 milhão de habitantes em uma área que representa metade do estado de Santa Catarina, a Estônia adotou a democracia parlamentar e integra a União Europeia desde 2004. Entender o ecossistema que possibilitou a implementação de tantas tecnologias, passa por ter uma perspectiva da história e analisar seu modelo de desenvolvimento econômico. Como sempre, o passado marca a estrada do futuro. Acompanhe o raio-X para entender como a Estônia virou polo de atração para startups e empreendedores.

Antes e depois

A Estônia sofreu ocupações o ano de 1200. Ela integrou, no século 20, a União Soviética. Após 50 anos sob o governo soviético, conseguiu sua independência em 1991. Nessa época, sua situação era paradoxal: o país estava livre outra vez, mas esfacelado, sem recursos e hiperburocratizado.

Um dos fatores mais importantes, dentro do planejamento de reestruturação do país, a médio prazo, foram as definições de políticas públicas que, independentemente do partido político governante, mantinham a continuidade das reformas para acelerar seu desenvolvimento. Uma das grandes chaves para isso é o país  funcionar em um sistema legislativo criado na década de 90, em uma combinação de competência, sorte e falta de opção. Com pouco dinheiro para se reconstruir após a independência da União Soviética, os estonianos investiram em ciência e tecnologia, e tiveram visão estratégica do potencial da internet. Tiveram “sorte”  ao definir uma constituição e um aparato público que acompanhasse o nascimento dessa revolução tecnológica, ao mesmo tempo em que não tiveram outra opção. A escassez de recursos financeiros não permitia uma burocrática tradicional. A Estônia renasceu, então, digital e enxuta.

Investimentos e empreendedorismo

A estratégia de desenvolvimento se deu com parcerias público-privadas, privatizações e atrativos para o investimento estrangeiro. Criou-se um ecossistema favorável para empreender, com tecnologia de informação e comunicação disponíveis. Quer um exemplo? A abertura de uma empresa demora apenas três horas e há incentivos fiscais e de exportação para o crescimento. Já no Brasil, abrir uma empresa pode demorar, em média 80 dias, até se estar com todos os seus documentos regularizados. Esse prazo pode passar, facilmente, dos 100 dias.

A intenção de se firmar no posto de país mais propício para as startups é um propósito tão forte que é possível abrir uma empresa por lá sem nem mesmo pisar na Estônia. É tudo feito digitalmente, inclusive a coleta de assinaturas. Dessa forma, o empreendedor consegue o chamado E-Residency, que é o documento de residência eletrônica com o qual é possível ter conta bancária local e registrar a empresas. Os dados são todos protegidos por blockchain.

Tecnologia para todos

A facilidade para atuar dentro do país se junta com uma opção de profissionais disponíveis bastante qualificada. Educação de qualidade também não é um problema na Estônia. Apesar das constantes dominações por países vizinhos, sempre houve a preocupação com investimentos educacionais. A Universidade Tartu, por exemplo, localizada na cidade de mesmo nome e que fica a cerca de 140 km da capital, Tallinn, foi criada em 1632, durante a ocupação sueca. É considerada uma das mais importantes do país. O modelo de educação estoniano baseia-se no ensino público gratuito, do básico ao superior, que também deve ser igualitário e de excelência. Isso faz o país figurar em quarto lugar no ranking da PISA – Programa Internacional de Avaliação de Estudantes -, em ciência, leitura e matemática.

Diante de todas essas informações, não admira saber que a gestão governamental por lá também é toda eletrônica. O modelo de governo tem duas soluções fundamentais: o ID Card, obrigatório por lei, usado para acesso a todos os serviços públicos e com assinatura digital validada juridicamente. E o X-Road, software de código aberto, que troca informações entre bancos de dados, principalmente entre setores e repartições públicos. Combinados, são responsáveis em disponibilizar 99% dos serviços governamentais em uma plataforma digital.

Vale ainda ressaltar outras informações sobre o país que influenciam em seu poder de empreendimento. Transporte público gratuito para todos os residentes registrados é um deles – em termos de custo, imagine o quanto isso é econômico para alguém que acabou de abrir uma empresa? Internet e Wifi são disponibilizados em todos os lugares, até no canto mais remoto. A Estônia foi o primeiro país a usar a internet para votação política.

Se você viajar até a capital Tallin – logo ficará sabendo que ela é foi eleita como a cidade medieval mais intacta e protegida da Europa. Em todo território, apenas três cidades têm população superior a 50 mil habitantes, o que, convenhamos, ajuda muito na gestão pública. É um dos países menos religiosos do mundo, com apenas 16% da população afirmando a importância da religião na vida. E por último, como curiosidade mesmo, a Estônia tem hoje questões diplomáticas muito menos complexas do que na era soviética. Corre lá uma rixa com a Letônia sobre onde teria sido decorada a primeira árvore de Natal. Se nessa questão o primeiro lugar não lhe couber, a Estônia repousa num posto bem mais relevante: é o mais próximo que chegamos de um paraíso digital.


+ Notícias 

Omnichannel, personalização e empatia como tendências do pós-pandemia

Confiança da indústria cresce 7,2% e deve atingir maior patamar em 7 anos


 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]