Pesquisar
Close this search box.
/
/
Por que cinza e amarelo serão as cores usadas em 2021

Por que cinza e amarelo serão as cores usadas em 2021

Eleitas pela Pantone, elas revisitam os anos 70, mas ganham identidade própria na hora de ditar o que está em alta no design e na decoração para este ano

Se você começar a ver por aí referências em decoração ou design focadas no amarelo ou no cinza, saiba que há um motivo. Essas duas cores foram as eleitas pela empresa Pantone para 2021 com os nomes de Illuminating (o amarelo) e Ultimate Grey (o cinza). Mas você tem ideia de por qual motivo isso acontece? Por que, a cada ano, certa tendência aponta um tom que deve predominar para roupas, móveis, decoração, entre outras áreas?

“Muita gente não sabe, mas as empresas químicas, que são um verdadeiro oligopólio mundial, definem a cartela de cores. Elas baseiam-se em pesquisas dos chamados forecasters que tentam captar alguns gostos, sobretudo dos jovens”, explica a especialista Ethel Leon. Ela é doutora pela Faculdade de Arquitetura da USP (Universidade de São Paulo), autora de livros como “Design Brasileiro Quem Fez Quem Faz” e “Memórias do Design Brasileiro”, entre outros.

Amarelo e cinza são as cores do ano de 2021. Foto: Reprodução Pantone

Portanto, de onda em onda, a cada temporada um tom passa a ser mais relevante do que o outro. Você se lembra da “febre” do chamado rosa millennium? Pois bem, de repente, por onde quer que se olhasse, esse tom pastel estava lá. Mas a pandemia de Covid-19 também deixou legado nas apostas de tons que se firmariam depois de sua chegada. Afinal, com o mundo enfrentando diversos obstáculos inéditos para essa geração, opções de cores, digamos mais “fofinhas” ou mesmo muito chamativas, como os fluorescentes, saíram de cartaz.

“De fato, talvez fluorescente não seja algo que condiz com período pandêmico. Mas esta é uma questão de mercado. As escolhas das empresas (a Pantone tem grande poder aí) definem muita coisa na cadeia produtiva da moda, dos automóveis, etc”, explica Ethel.

Lei também: Consultoria aponta tendência (no mínimo) diferentes para 2021 

Por que usamos os tons que usamos

Mas nem sempre foi o “mercado” que ditou qual seria o tom do momento como acontece agora. Viajando um pouco mais no tempo, outros fatores como religião ou a disponibilidade de material orgânico de tingimento influíam muito mais no que se ia vestir ou ostentar. “A História cultural das cores trabalha a partir de períodos muito mais longos, percebendo as cores como símbolos que são construídos a partir de hábitos, práticas e crenças que envolvem preferências vestimentares, dos objetos domésticos e urbanos, de rituais, entre outros fatores”, diz Ethel Leon.

Quer um exemplo concreto? A especialista conta: “Os historiadores têm nos mostrado que durante a Antiguidade Ocidental e em muitas outras sociedades, o preto, o branco e o vermelho constituíram o sistema dominante de cores, seja pelo seu emprego mais frequente do que outras cores, seja porque foram pigmentos que, desde as pinturas das cavernas, foram desenvolvidos pelos seres humanos”, diz Ethel.

De acordo com ela, o vermelho era um tom que tinha muita presença na roma Imperial, por exemplo, mas ao longo da Idade Média, depois do ano 1000, foi lentamente perdendo espaço: “O azul  passa a ganhar importância”, diz. “Antes, essa era uma cor mal definida na Grécia e mal vista em Roma porque estava ligada aos bárbaros do Norte. Alguns historiadores veem aí, ou seja, há cerca de quase mil anos, a passagem para nosso sistema de cores composto de preto, branco, vermelho, azul, amarelo e verde”, explica Ethel Leon.

“Há que entender também que as cores foram teorizadas por Aristóteles: suas teorias colocavam o preto numa extremidade e o branco em outra, intermediadas por vermelho e verde. Essa ideia só foi drasticamente rebatida por [Isaac] Newton no  final do século 17. Para ele, que era físico, o branco era a luz, soma de todas as ondas de cor. E o preto a ausência de cor. Até hoje há quem diga que preto e branco são não-cores”, completa a especialista.

2021 e suas cores

Mas como o amarelo, o cinza, também presentes nos esquemas de decor dos anos 70, podem nos influenciar neste ano? Será que essas podem nos ajudar a passar por esse momento de turbulência? Para a expert, a resposta é outra: “Na minha perspectiva, as cores não ‘ajudam’. Quem trabalha com esse tipo de ponto de partida é a psicologia das cores. A preferência pelas cores passa pela formação cultural, ou seja, hoje achamos que o azul é repousante e frio, apesar de ele ser a cor da chama do gás, por exemplo. Ou que o verde acalma – mas isso vem de Goethe [autor que foi uma das mais importantes figuras da literatura alemã e do Romantismo europeu do fim do século 18 e início do 19]”, diz a expert. “Aqui no Ocidente, associamos ao preto do luto, às perdas. E nossas sociedades estão enlutadas”, finaliza.

Ainda que o poder “curativo” das cores não seja algo de comum acordo entre as diversas áreas que lidam com o tema, o fato é que 2021 está associado pela união de dois tons bem distintos. Para a Pantone, que vem promovendo essa combinação como sendo “a cara deste ano” desde o final de 2020, a proposta do amarelo com o cinza é propor uma “união que passe uma mensagem de força e esperança imperecíveis e energizantes”. A escolha dupla, segundo Leatrice Eiseman, diretora-executiva da Pantone, deve representar resiliência e esperança diante da realidade em que vivemos. Que assim seja.


+ Notícias 

Entender a jornada de consumo dos clientes pode acelerar a transformação digital 

Frugalidade: o que é essa tendência de comportamento do consumidor? 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]