Pesquisar
Close this search box.
/
/
Planos de saúde poderão sofrer grande aumento em 2024

Planos de saúde poderão sofrer grande aumento em 2024

No ano passado, os planos de saúde individuais e familiares sofreram um aumento de 9,63%. O teto é informado ano a ano pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

No ano passado, os planos de saúde individuais e familiares sofreram um aumento de 9,63%. O teto é informado ano a ano pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Para este ano, a autarquia ainda não fixou a alíquota. O cenário de aumento que permeou ano passado não deverá ser muito diferente neste ano.

Os planos coletivos, no exercício 2023, registraram aumento de até 25%, mas, para eles não há um limite de aumento. Porém, as operadoras sempre têm que justificar os reajustes.

Anderson Mendes, presidente da União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (Unidas), comenta o cenário: “Enquanto não fechar o quarto trimestre dos dados da saúde, é difícil prever a revisão de preços para este ano. Mas a expectativa é de reajuste forte ainda, talvez não tanto quanto ano passado. A perspectiva é que o aumento se mantenha na casa de 10%, por causa da sinistralidade”.

Sobre os planos empresariais, que representam cerca de 70% do setor, o advogado Lucas Miglioli, sócio fundador do M3BS Advogados, espera que haja um aumento significativo nos valores, podendo atingir até 25%. “Diversos fatores, como inflação, sinistralidade e custos crescentes na área, influenciam tal elevação.”

Como são os ajustes no plano de saúde?

A correção de preços nos planos de saúde é fixada com base em diversos fatores, como custos de assistência e administração, condições de mercado e índices econômicos. Os principais indicadores de ajuste nos planos de saúde são o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) e o IVDA (Índice de Valor das Despesas Assistenciais).

O IPCA é um índice de inflação que calcula a variação média dos preços de bens e serviços consumidos pelas famílias brasileiras. Por outro lado, o IVDA é um indicativo que analisa a mudança nos custos de assistência à saúde, abrangendo gastos com consultas, medicamentos, exames e internações.

O advogado Lucas Miglioli enaltece que o cálculo do reajuste leva em consideração não apenas o indicador financeiro, mas também o índice técnico, que representa a relação entre despesas médicas (sinistros) e receitas (prêmios/preços) das operadoras de saúde em cada contrato. “O cenário para 2024 será moldado pela retomada da frequência de utilização dos serviços médicos, como exames, terapias e internações, ao patamar anterior à pandemia.

A sinistralidade – relação entre as receitas das operadoras e os desembolsos com despesas assistenciais – até o terceiro trimestre do ano anterior ficou na casa de  88,2%, cerca de 2,1 pontos percentuais abaixo do mesmo período do ano anterior”.

Fraudes

Um estudo do Instituto de Estudos da Saúde Suplementar (IESS), baseado em pesquisa da consultoria Ernst & Young (EY), estima que fraudes e desperdícios causaram perdas entre R$30 bilhões e R$34 bilhões às operadoras de planos de saúde em 2022.

“Essas práticas, como fracionamento de recibos, cobranças por procedimentos ou exames não realizados e uso indevido por não beneficiários, encarecem os custos do convênio médico para todos os usuários”, comenta Lucas Miglioli.

Reclamações

Contra os convênios, as queixas aumentaram em 120% nos dez primeiros meses de 2023 em comparação com 2019 (antes da pandemia). As reclamações saltaram de 363 para 973 por dia, em média, conforme dados da Agência Nacional de Saúde.

O outro lado

A Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) ressalta que os planos de saúde se empenham continuamente para manter seus beneficiários sempre bem atendidos, sendo responsáveis, anualmente, pela cobertura de mais de 1,8 bilhão de procedimentos, englobando consultas, exames, terapias e internações. “As operadoras autorizam a maioria desses procedimentos de forma automática e realizam-nos sem intercorrências. Havendo qualquer demanda, as operadoras disponibilizam canais de atendimento e ouvidoria para esclarecimentos, dúvidas e tratativas. A empresa utiliza todos os contatos recebidos para aperfeiçoamento de processos e resolve a grande maioria dos casos sem que seja necessário acionar instâncias externas”.

A FenaSaúde lembra ainda que, nos órgãos públicos de registro de reclamações, os planos de saúde possuem alta taxa de solução de conflitos e não figuram entre os mais demandados pela população. “Na ANS, o índice de resolubilidade das queixas chega a 90%. Já no ranking da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), os planos de saúde figuram em 14° lugar na lista de setores mais demandados pelos consumidores em 2022”.

Instabilidade às regras

Cyndi Sandes Zoccaratto, coordenadora de Ouvidoria da Unimed do Brasil, destaca que as mudanças na regulamentação da saúde suplementar em 2023 trouxeram instabilidade às regras. Como consequência, foram retiradas a previsibilidade e clareza sobre as coberturas a serem fornecidas pelas operadoras. “E isso provocou uma tendência de questionamento por parte dos beneficiários e um aumento de reclamações”.

Defendendo a revisão e o aprimoramento do marco regulatório, a Unimed do Brasil luta para que existam regras claras no setor. “O objetivo é garantir a segurança assistencial, jurídica e econômico-financeira, tanto para beneficiários e as empresas que contratam planos de saúde quanto para as operadoras”.

Índice Geral de Reclamação

A ANS contabiliza as Notificações de Intermediação Preliminar (NIP), que são as reclamações registradas pelos beneficiários junto à autarquia.

Com base nas NIPs, a ANS desenvolveu o Índice Geral de Reclamação (IGR). Na prática, esse indicativo faz uma proporção do número de NIPs em relação ao tamanho das carteiras das operadoras (número de beneficiários atendidos).

Assim, as operadoras de saúde suplementar tiveram uma média mensal de 27.172 NIPs entre dezembro de 2022 e novembro de 2023. “O Sistema Unimed, por exemplo, recebeu 7.532 notificações, o que representa 27,7% da média mensal do setor. Tal percentual revela menor participação no total de reclamações, considerando que o Sistema Unimed tem 38,5% do mercado, com cerca de 20 milhões de beneficiários”, analisa Cyndi Sandes Zoccaratto.

Qual a nota para os planos de saúde?

As 896 operadoras de planos de saúde avaliados pelo Índice de Desempenho da Saúde Suplementar 2023 (IDSS) da ANS receberam uma nota média de 0,7898. A nota máxima é 1 e a mínima, zero. No final de dezembro do ano passado a ANS divulgou o resultado, revelando que os planos de saúde atendem bem sim seus beneficiários, apesar das queixas.

Atualmente, o setor de saúde suplementar tem cobertura de 26,22% da população brasileira, de acordo com dados do Sistema de Informações de Beneficiários (SIB). O segmento conta com 50,8 milhões de beneficiários vinculados a planos com assistência médica. São 32,1 milhões a planos com assistência exclusivamente odontológica, o que, segundo a ANS, “prova sua relevância do ponto de vista econômico, social e sanitário”.



Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]