Pesquisar
Close this search box.
/
/
Pandemia induz confiança à negligência com segurança digital

Pandemia induz confiança à negligência com segurança digital

Estudo da IBM recomenda que empresas repensem sua segurança considerando o uso crescente e mutável das plataformas digitais

Estudiosos da educação com mídias digitais já sabem que, em termos bem gerais, quanto mais jovem, maior a receptividade à inovação. E, quanto mais idade, menor a preferência pelo digital. Mais interessante é que pesquisas acadêmicas e de mercado estão mostrando um fenômeno acontecendo na pandemia: ao passo que a gama de a aceitação a tecnologias inovadoras aumenta, maior a negligência com segurança digital. Especula-se que a maior naturalidade para acessar contas bancárias através de informações pessoais e senha não tenha uma relação tão direta com a idade, mas sim com os meios de vida.

A super hiper conectividade da vida está levando as pessoas mais inseridas na economia digital do século 21 a baixar a guarda na segurança digital. A preferência por conveniência está ofuscando as precauções e preocupações com a segurança e a privacidade — o que leva à escolha de senhas inseguras e de comportamentos inconsistentes relacionados à segurança cibernética. É o que diz uma pesquisa global da IBM Security feita com 22 mil pessoas sobre comportamentos digitais do consumidor durante a pandemia e o impacto deles no longo prazo.

O estudo alerta que a negligência com segurança no ambiente digital em meio às inovações tecnológicas adotadas pelas empresas durante a pandemia pode aumentar as brechas para que criminosos e pessoas mal intencionadas promovam ataques cibernéticos, fazendo vítimas nos momentos de lazer ou no trabalho.

Os efeitos da pandemia sobre comportamento de segurança

A pesquisa global que incluiu voluntários brasileiros identificou três grandes efeitos da pandemia sobre os comportamentos relacionados à segurança do consumidor:

  • Banalização de contas: os consumidores não hesitam muito ao abrir uma conta online. De acordo com a pesquisa, no Brasil, por exemplo, as pessoas criam em média 17 novas contas online durante a pandemia, fazendo parte das bilhões de novas contas digitais ao redor do mundo. Delas, 45% nem pensam em deletar ou desativar novas contas. O estudo alerta para a pegada digital que o comportamento deixa, o que aumenta as chances de ataques de cibercriminosos.
  • Fadiga e repetição de senhas: o aumento na quantidade de contas digitais, por conseguinte, levou a negligências com as senhas. A pesquisa aponta que 82% dos respondentes reutilizam credenciais pelo menos algumas vezes.
  • Conveniência em detrimento da segurança e da privacidade: 40% dos brasileiros abaixo dos 35 anos, sobretudo os millennials (41%), preferem fazer um pedido usando um aplicativo ou site potencialmente inseguro em vez de ligar ou visitar um local pessoalmente — o que abre brechas para fraudes.

 

O estudo alerta que este comportamento vai desde pedidos de serviços e produtos nos marketplaces até procedimentos para atendimento de telemedicina.

“A pandemia tem causado um aumento de novas contas online, mas a crescente preferência da sociedade pela conveniência digital pode ter um custo para a segurança e privacidade de dados”, afirma Charles Henderson, parceiro de gerenciamento global e head da IBM Security X-Force.

“As organizações devem agora considerar os efeitos dessa dependência digital em seu perfil de risco de segurança. Com as senhas se tornando cada vez menos confiáveis, uma forma como as organizações podem se adaptar, além da autenticação de múltiplos fatores, é optar por uma abordagem de ‘confiança zero’: aplicar inteligência artificial e analítica avançada em todo o processo para detectar ameaças potenciais, em vez de assumir que um usuário é confiável após a autenticação.”

Facilidade no acesso à conta

A pesquisa aponta comportamentos de consumo majoritários que influenciam o tratamento geral com a cibersegurança no momento atual e no futuro. Quanto mais as interações são digitais e em mais áreas da vida, mais expectativas quanto à facilidade de acesso e uso.

Entre as principais expectativas de facilidade no acesso está a “regra dos 5 minutos” como tempo máximo para configurar uma senha digital — ao menos para dois terços dos pesquisados no Brasil (63%). Ainda assim, cerca de dois terços das pessoas pesquisadas globalmente utilizaram a autenticação de múltiplos fatores — o que ajuda a mitigar riscos de contas comprometidas.

E o comportamento das empresas?

Diante do comportamento dos consumidores em relação à segurança digital — que também tem sido moldado pelo advento dos serviços digitais de informação e prevenção de Covid-19 —, o estudo da IBM sugere como as empresas podem se adaptar à mudança nas atitudes dos consumidores em relação à segurança. Como recomendação, a investigação aponta quatro pontos de atenção:

  • Abordagem “confiança zero”: já que as vulnerabilidades aumentam, é importante considerar evoluir para uma abordagem de segurança de “confiança zero”. O estudo descreve tal como aquela que opera sob a suposição de que uma identidade autenticada ou a própria rede já pode estar comprometida e, por isso, valida continuamente as condições de conexão entre usuários, dados e recursos. Dessa maneira, a abordagem fortalece sua capacidade de determinar a autorização e a necessidade de acessar as informações. Para evoluir para essa abordagem, as empresas precisam unificar seus dados de segurança e foco, com o objetivo de englobar o contexto de segurança em torno de cada usuário, de cada dispositivo e de cada interação.
  • Modernizando o IAM do consumidor: para as empresas que querem continuar alavancando os canais digitais, é importante um processo de autenticação contínua. Para isso, é necessário investir em uma estratégia modernizada de Gestão de Identidade e Acesso do Consumidor (CIAM), que pode ajudar a aumentar a interação digital com analítica comportamental para ajudar a diminuir o risco de fraudes.
  • Proteção de dados e privacidade: com mais usuários, mais dados sensíveis. Sendo assim, as empresas devem considerar bons controles de segurança de dados e capacidades de detecção de atividades suspeitas. As empresas devem também implementar políticas de privacidade adequadas tanto em sua infraestrutura local quanto em nuvem.
  • Colocar a segurança em teste: com o uso crescente e mutável das plataformas digitais, é preciso testar as estratégias. Reavaliar a eficácia dos planos de resposta a incidentes e das aplicações de teste para vulnerabilidades são fundamentais.

+ Notícias

Por que o iFood lançou um cartão físico do iFood Benefícios Elo?

Entenda como Carrefour está quebrando o último tabu do ESG

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]