Pesquisar
Close this search box.
/
/
Países mais vulneráveis e o acordo climático de Paris

Países mais vulneráveis e o acordo climático de Paris

Como a atitude dos pequenos foi capaz de transformar o cenário de uma conferência mundial

Em meados de dezembro de 2015, os principais líderes de 195 países do mundo aprovaram o acordo global sobre o clima na 21ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP21), realizada em Paris.

O acordo representa um êxito da diplomacia, da mobilização de ONGs e dos cidadãos do mundo todo que se organizaram por meio de uma intensa utilização das redes sociais.

Para o sucesso do acordo, foi importante o estabelecimento de metas de cada país, baseadas em sua realidade e possibilidade, também em função das Contribuições Nacionalmente Determinadas Pretendidas (INDCs). O consenso final obtido, então, amenizou a polarização entre países desenvolvidos e em desenvolvimento.

Fato relevante foi a atuação marcante de países extremamente vulneráveis que modificou expectativas consolidadas, como o limite de temperatura em 2oC, e alterou o documento final, incluindo o limite de 1,5o como aquele que melhor atende suas necessidades.

Esse novo ator apresentou-se com condições morais inegáveis de se fazer ouvir, pois se trata objetivamente de impedir o seu desaparecimento num prazo visível.

Embora a expectativa geral fosse um confronto entre os países desenvolvidos e os em desenvolvimento, a mobilização dos pequenos países-ilha organizados em torno da Aliança dos Pequenos Estados Insulares (Alliance of Small Island States – AOSIS) conseguiu ampliar o grupo de nações mais vulneráveis às mudanças do clima na Ásia, África e América Latina; uma vitória significativa ao incluírem no texto final que os países farão esforços para alcançarem o limite de 1,5o C.

Em princípio ambiciosa, a meta, no entanto, permite que se mobilize as regiões mais vulneráveis e se intensifique o esforço para eliminação de combustíveis fósseis em todo mundo, com a adoção gradativa de medidas mais duras para se contrapor ao poder que as empresas do setor detém nos sistemas energético e político da maioria dos países.

A parte vinculante do acordo continua a ser a meta de 2oC, o que significa alcançar os 1,5oC. Isso, por sua vez, deverá implicar em muita pressão na sociedade nos próximos anos. Alcançar os 1,5oC poderia significar uma grande diferença aos países e comunidades vulneráveis ao aumento do nível do mar e fenômenos climáticos extremos.

O mecanismo de revisão, feito a cada cinco anos, é outro ponto positivo do acordo, pois periodicamente os países terão que revisar seus objetivos de redução de emissões e reformular as propostas, tornando-as mais ambiciosas. Sem dúvida, a revisão quinquenal é um mecanismo de pressão que facilita a ação exercida pela sociedade e coloca o acordo diplomático diretamente relacionado e dependente da capacidade de mobilização da cidadania global.

Desse modo, o acordo coloca uma nova questão para as organizações não governamentais e ativistas do mundo todo: organizar a sociedade em torno de propostas concretas e viáveis, possíveis de serem incluídas nas políticas públicas nacionais e que, ao longo do tempo, reverberem uma revisão mais audaciosa dos objetivos de redução de emissões.

Isso refletirá a postura das nações mais vulneráveis às mudanças climáticas, que tornaram possível o que, até o início das reuniões da COP-21, era inalcançável.

Ao longo de sua história, a humanidade mostrou que sua característica mais marcante foi ultrapassar seus próprios limites. A luta pela preservação da vida no planeta exige ações e medidas que podem ser consideradas utópicas. No entanto, esse é o caminho se quisermos obter sucesso. Vale para o indivíduo comum, para grupos, organizações e governos.

 

***

Reinaldo Dias é professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Doutor em Ciências Sociais e Mestre em Ciência Política. É especialista em Ciências Ambientais e está disponível para comentar sobre o assunto. 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]