Pesquisar
Close this search box.
/
/
O que podemos esperar do turismo no Brasil?

O que podemos esperar do turismo no Brasil?

Muito afetado pela pandemia, o turismo no Brasil começa a dar sinais de retomada com viagens de curtas distâncias; mas o turista é outro

A indústria do turismo foi a mais afetada pela pandemia de Covid-19 em 2020. Ainda no meio do ano, no ápice da crise, a Organização Mundial de Turismo (OMT), órgão das Nações Unidas, estimou perdas superiores a R$ 1,6 trilhão para o setor. O turismo no Brasil não ficou para trás e foi impactado violentamente.

Segundo dados divulgados em novembro pela Federação do Comércio de Bens e Serviço e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o setor perdeu quase R$ 42 bilhões em faturamento em 2020, uma queda de 44% em relação ao ano anterior.

O turismo é um segmento dos mais complexos, pois reúne em sua cadeia de distribuição um grande número de empresas de atuações variadas. Das grandes companhias aéreas até a camareira que arruma os quartos de um hotel, passando por indústrias de alimentos e comunidades que vivem da chegada de visitantes, o golpe foi pesado e acabou com muitos negócios no mundo todo.

Mas, o afrouxamento das restrições de mobilidade perto do fim do ano em muitos lugares do país fez muita gente voltar a viajar, mesmo que optando por distâncias curtas. Foi o suficiente para reacender as esperanças das empresas do setor e de turistas ansiosos para – literalmente – alçar grandes voos.

Dois cenários para o turismo no Brasil

Mas o que é possível prever sobre o futuro do turismo no Brasil para os próximos meses? É preciso considerar alguns fatores importantes para tentar responder essa pergunta.

Uma segunda onda da Covid-19 voltou a provocar o fechamento de negócios e a restrição de viagens em vários países da Europa, ao mesmo tempo em que, nos Estados Unidos, os casos da doença começaram a aumentar. São Paulo, inclusive, já impôs novas restrições a bares e restaurantes.

Se esse movimento se repetir no Brasil é difícil prever o que pode acontecer com o setor que já vai ser impactado pelo adiamento dos festejos de Carnaval em muitas cidades cuja festa representa grande fonte de renda para o comércio e a rede hoteleira. Por outro lado, a possível chegada de uma vacina contra a Covid-19 pode mudar totalmente a situação, liberando a população imunizada para viajar.

Qualquer que seja o cenário, algumas coisas devem mudar após o fim a pandemia. O World Travel & Tourism Council (WTTC), Conselho Mundial de Viagens e Turismo, produziu um relatório no qual aponta quatro grandes tendências para o setor. Confira.

1. Evolução da demanda: uma nova forma de viajar

A pandemia deve deixar marcas em todos os turistas afetando o seu comportamento e a maneira como pensam o ato de viajar. O resultado é um viajante mais exigente e atento, que planeja melhor como vão ser as coisas.

A tendência é que os destinos escolhidos sejam mais próximos da sua cidade ou região, locais menos ousados e mais confiáveis. A viagem em família estará em alta, assim como as opções mais calmas e próximos à natureza (fazenda, montanha, praia), pelo menos no curto prazo.

As viagens de negócios também devem ser retomadas de forma gradual, a partir dos destinos mais curtos. Primeiro as viagens domésticas, depois aquelas para destinos mais longos.

2. Maior preocupação com a saúde e a higiene

O sucesso do turismo depois da crise gerada pelo coronavírus passa sem dúvida alguma pela adoção de novos protocolos de biossegurança por todos os envolvidos com o setor.

A relação de cuidado do turista com a própria saúde mudou. O seguro protocolar adquirido nas viagens internacionais, por exemplo, não deve ser mais o suficiente para garantir a tranquilidade de quem viaja. O medo de ficar doente longe de casa ou da sua cultura pode atrapalhar viagens para destinos exóticos e remotos.

O viajante no pós-pandemia estará preocupado com a higiene dos aeroportos, meios de transporte, pontos turísticos, restaurantes e locais de hospedagem e isso demandará uma melhora geral de infraestrutura e a mudança de hábitos de quem trabalha no setor.

Os pequenos negócios e os autônomos que atuam em destinos turísticos devem ficar atentos. O turista vai querer se sentir seguro o tempo todo e apenas usar máscara e limpar as mãos com álcool gel pode não ser suficiente para garantir a tranquilidade de quem está viajando.

3. Inovação e digitalização serão exigidas

Os meses de pandemia serviram para colocar a grande maioria das pessoas em contato com o digital e a perspectiva delas sobre tecnologia mudou. O acesso à internet segura e de qualidade, por exemplo, será tão imprescindível quanto água e energia elétrica para quem viaja, mesmo para os destinos mais remotos.

O turista também deve exigir inovações em todos os locais, como tecnologias contactless (por aproximação) que não necessitam toque e o máximo de operações e processos que possam ser feitos de maneira remota por aplicativos ou sites.

O relatório do WTTC também aponta um crescimento do turismo virtual em todo mundo como forma de manter o interesse do consumidor enquanto ele ainda não se arrisca a fazer uma viagem maior ou mais ousada.

Assim, a criação de tours virtuais pode ser uma boa estratégia de agências e pontos turísticos para preparar o cliente para uma viagem futura. Vários museus têm usado essa estratégia com maestria e devem ser copiados.

4. Causas sociais e sustentabilidade farão a diferença

A preocupação com o meio ambiente crescente nas últimas décadas e a conscientização sobre causas sociais devem fazer parte da visão de quem viajar no mundo pós-pandemia.

O eco turismo estará em alta, mas o turista – mais consciente – deve se preocupar mais em não causar danos ao ambiente com a sua presença e deve buscar por hotéis/pousadas que explorem energia limpa e não impactem o bioma em que se encontram.

O turista está prestando atenção em como as empresas estão se comportando durante a pandemia e como se posicionam em relação às causas sociais e ambientais e isso pode pesar na hora de decidirem de quem eles serão clientes no futuro próximo.


+ Notícias 

A mobilidade urbana no conceito das Cidades 15 minutos 

Futuristas revelam como o comportamento do consumidor impactará 2021

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]