Pesquisar
Close this search box.
/
/
Etarismo corporativo e os desafios de uma população mais longeva

Etarismo corporativo e os desafios de uma população mais longeva

Especialistas jogam luzes sobre a importância do respeito ao envelhecimento no mercado de trabalho e como empresas precisam dar mais atenção ao tema

Crescentes preocupações relacionadas a demissões injustas e comentários discriminatórios com base na idade, estão levando especialistas e ex-Executivos a começarem a abordar a questão do etarismo corporativo com maior atenção e responsabilidade.

O tema tem justificativa: de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a expectativa de vida dos brasileiros é de 76,8 anos, ou seja, temos uma população cada vez mais longeva e com mais pessoas passando pela envelhescência, processo que acontece entre a vida adulta e o tornar-se uma pessoa idosa.

Para Anna Érika, especialista em geriatria e proprietária do CAIPREL (Centro de Atendimento ao Idoso e Pessoas com Restrições Locomotoras), existem diversas maneiras de passar pela envelhescência, situação que acontece entre os 45 aos 65 anos: “Durante esse processo, a pessoa pode escolher como vai ser a vida idosa dela. Se vai ser uma vida de senilidade com várias patologias, ou se será uma pessoa idosa com saúde e disposição”, explica Anna.

Desde que o candidato tenha realizado essa análise, e feito boas escolhas na sua envelhescência, a fisioterapeuta que trata diariamente pessoas idosas relata que a partir disto visa priorizar dentre suas contratações pessoas +40. Além disso, ela percebe que há soluções para o mercado corporativo acolher melhor pessoas em processo de envelhecimento: “A melhor forma de eliminar o etarismo e as exclusões será agindo nas potencialidades internas do colaborador, fortalecendo a sua identidade. Mesmo porque uma pessoa que sabe do seu potencial se sobressai facilmente e não se abala com situações etaristas”, pontua Anna.

24% dos trabalhadores enfrentaram perda de emprego devido a preconceitos ligados à idade 

Vale mencionar que uma pesquisa recente no Brasil, conduzida pelas consultorias de recursos humanos Vagas.com, Colettivo e Talento Sênior, intitulada “Etarismo“, revelou que 24% dos trabalhadores enfrentaram perda de emprego devido a preconceitos ligados à idade.

Para a VP da BNI Brasil e PhD em Psicologia, Mara Leme Martins, é preciso que as empresas reconheçam os sinais de etarismo e atuem proativamente para combatê-los: “As empresas devem estar vigilantes quanto aos indícios de etarismo, tais como comentários depreciativos sobre a idade dos colaboradores. Embora possam parecer inofensivas, essas observações escondem preconceitos. Também é aconselhável que, aqueles que enfrentam essas situações, a abordem com os colegas e mostre como tais comentários podem ser prejudiciais”, ressalta a psicóloga.

Esses são os indícios mais visíveis e comuns, porém a exclusão de funcionários devido à idade também é uma forma de etarismo, podendo levar a insatisfação e problemas de saúde mental. Assim como a prática de limitar a progressão de um colaborador com base na idade é considerado parte do preconceito: “Em casos como esses, os colaboradores devem manter o diálogo aberto com seus gestores, discutindo suas perspectivas de carreira e mantendo-se atualizados para evitar a estagnação. Buscando até mesmo explorar novas oportunidades, como o empreendedorismo”, comenta Mara.

Empresas de “cultura jovem” trazem mais desafios

Há também no mercado um outro aspecto agravante: muitas empresas justificam a não contratação de pessoas mais velhas com base em uma cultura jovem. Segundo Mara Leme, este é outro desfio sobre o etarismo corporativo. “É crucial demonstrar aos departamentos de Recursos Humanos que a juventude da cultura organizacional não está limitada à idade dos colaboradores, mas sim, à experiência e ao entusiasmo que eles trazem. Nesse momento, também é extremamente importante o diálogo e networking como meios para abordar esses desafios de maneira construtiva”, ressalta.

Além disso, Anna Érika, do CAIPREL, abre parênteses para que candidatos e colaboradores se autoavaliem sempre que pretenderem concorrer a cargos de trabalhos, buscando entender, antes mesmo de se candidatar, se conseguirão atender com a maestria desejada pela empresa as especificações da vaga.

“Além da empresa contratante avaliar cada perfil, também é muito importante que esse candidato +50 analise se a vaga pretendida lhe cabe. Temos empresas que realmente precisam de um perfil mais jovem para lidar, por exemplo, com esforço físico continuado, entre outras especialidades. Em contrapartida, existem outros setores que necessitam de uma maturidade e estabilidade emocional maior, pessoas que tenham facilidade em lidar com relacionamentos interpessoais, como no caso de hospitais, clínicas, e de empresas e setores que lidam com pessoas”, avalia Anna.

Leia mais:Trabalho híbrido melhora saúde mental de colaboradores

A visão de ex-C-Level

Para Daniel Moretto, (45), ex-C-Level, com experiência em cargos de liderança, “a idade não define exatamente a energia nem o momento profissional de cada pessoa”, da mesma forma que a idade “não define a maturidade de um indivíduo”.

Moretto explica: “Já conheci muitos profissionais com 18 anos que eram muito mais maduros que profissionais de 65 e vice-versa. O mesmo acontece com o momento profissional e o nível de energia do profissional. Já conheci profissionais +60 muito mais ativos que jovens profissionais de entre 20 e 30 anos de idade. Eu entendo que o que define um profissional é sua preparação técnica e sua energia focada nos resultados os quais as empresas buscam”.

“Muitas empresas fazem o mínimo para que sejam reconhecidas no universo do valuation
de suas ações por seus investidores do que realmente vivem uma cultura de inclusão”  

Daniel Moretto, ex-C-Level.

Sobre empresas de “cultura jovem”, Daniel avalia que a empresa que menciona buscar uma cultura jovem deveria “focar na energia de seus profissionais e nos seus potenciais resultados”. “Defino uma cultura organizacional consistente vista como vantagem competitiva, afinal, os costumes, valores, comportamentos dos colaboradores e atividades que são desenvolvidas, fazem com que a empresa se destaque no mercado, mas idade deveria definitivamente não ser um critério, pois não define o quão jovem é sua empresa e sim a energia de seus colaboradores”, comenta Moretto.

Moretto também percebe que muitas empresas utilizam ESG “para inglês ver”. “Muitas empresas fazem o mínimo para que sejam reconhecidas no universo do valuation de suas ações por seus investidores do que realmente vivem uma cultura de inclusão”, frisa. “Faça o seguinte exercício: visite uma empresa que tenha um certificado ESG ou se defina em acordo com as características de uma empresa com tais valores, peça os nomes dos componentes do conselho. Se somente homens estiverem no conselho, já foi por terra. Entenda a composição da Diretoria, existem profissionais diversos? Diferentes idades? Gênero? Um exercício ainda melhor é andar pelas operações e verificar se existe um padrão de profissionais. Somente profissionais até 30 anos? Somente profissionais homens? Somente mulheres?”, provoca Moretto.

Um alerta também para refletirmos sobre uma expressão norteamericana que executivos adoram bradar: “Walk The Talk”. No entanto, a incongruência do “andar de acordo com suas palavras” é evidente quando olhamos a maioria das empresas brasileiras pela lente do etarismo.

“Com certeza focar nas potencialidades, conhecimentos e desempenho do colaborador são sempre a melhor opção e parece até mesmo óbvio. Mas o preconceito com os profissionais +40, +50 e +60 ainda é gritante e são inúmeros os casos que vemos no dia a dia do mercado de trabalho”, complementa Moretto.

Talvez, os primeiros passos para uma empresa e lideranças iniciarem uma desconstrução de uma cultura corporativista etarista e excludente é realmente vivenciar e praticar o “Walk The Talk”.

“A primeira coisa a fazer é remover o fator idade, sexo, cor e etc de todas as descrições de vaga e do vocabulário do RH, no entanto, é extremamente importante que o CEO e outros C-Levels estejam engajados e se possível parta deles tal iniciativa”, diz Moretto.

Moretto entende que essa consciência não é só interna, da organização, mas de todo o mercado. “O cliente B2B tem uma força muito grande que talvez nem mesmo ele conheça, que é influenciar o mercado através de seus valores”, ressalta.

Por fim, ela alerta para uma percepção que muitas vezes é desprezada pelas organizações, a de que “as empresas são formadas por pessoas” e que é extremamente importante “a conscientização massiva através de campanhas internas e externas”. “Quanto mais tocamos no assunto e damos a oportunidade de discussão é onde podemos evoluir”, conclui Daniel Moretto.

Um desafio cultural

Como vimos, o etarismo corporativo precisa ser tema central dentro das empresas. Mais do que acompanhar os comportamentos de consumo e as inovações tecnológicas, com o aumento da expectativa de vida das pessoas, as empresas precisam também ter atenção ao enfrentamento de apoiar uma força de trabalho cada dia mais madura.

Não basta promover bons negócios hoje. Existe uma responsabilidade social e corporativa que deve ser encarada pelas empresas o quanto antes. Ela precisa urgentemente ir para a mesa de planejamento e de estratégias. Isso também definirá seus próximos passos como uma organização de sucesso. o Etarismo é um desafio cultural e de negócios. É, sobretudo, como planejar a empresa do amanhã.



Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]