Pesquisar
Close this search box.
/
/
Novos negócios: a startup que está ganhando dinheiro com algas marinhas

Novos negócios: a startup que está ganhando dinheiro com algas marinhas

Empresa norte-americana está investindo em compensação de carbono através da cultura de algas marítimas, prova de que sustentabilidade é uma das áreas mais promissoras da economia já agora

Já se falou muito sobre como a sustentabilidade está virando o centro das atenções não só para startups (mais modernas e mais enxutas), como para grandes empresas que hoje buscam certificados e parceiros comerciais capazes de seguir bases sustentáveis de produção. A sigla ESG, que já foi falada por aqui no site, dá conta desse assunto. Para quem pensa que ainda é difícil monetizar nesse campo, uma startup norte-americana está fazendo a diferença ao se dedicar ao processo de diminuição de CO₂ cultivando algas marinhas e não árvores para conquistar índices impressionantes.

Isso mesmo. A empresa Running Tides, focada na criação de crustáceos, ampliou seu ramo de atuação. Agora, age em algo mais ousado e virou destaque em sites e periódicos de negócios sustentáveis. Trata-se de criar algas marinhas em mar aberto e depois afundá-las no oceano. Para isso, o projeto, ainda piloto, tem uma solução escalonável para eliminar o carbono a longo prazo, aproveitando a massa e profundidade do oceano.

Além disso, a ideia se utiliza de um sistema natural, otimizando-o para aumentar a capacidade de retenção de carbono dessas plantas, o que tem um baixo custo de capital em relação as outras técnicas. Dá menos trabalho do que plantar árvores e esperar elas crescerem. E o resultado no controle da emissões do gás pode ser mais imediato.

Carbono neutro é negócio

À medida que as florestas de algas crescem, absorvem carbono do ar e devolvem mais oxigênio, uma medida essencial para controlar a emissão de gases do efeito estufa que estão na atmosfera da Terra. Esse assunto está em debate há décadas, mas somente com a emergência do clima nos últimos 10 anos, passou a ganhar mais destaque. Enquanto o carbono de florestas e bosques terrestres fica à mercê das ações humanas, as algas que afundam podem permanecer ali durante séculos, com bem menos interferência sobre elas. “Uma vez que as algas descem abaixo dos mil metros, não voltam a subir, porque as pressões são muito grandes. Portanto, pode-se obter pelo menos mil anos de ‘sequestro de carbono”, disse Marty Odlin, fundador da Running Tides.

A empresa já atraiu investidores como a Shopify, empresa canadense gigante de softwares, que pretende investir pelo menos cinco milhões de dólares por ano em soluções promissoras voltadas à sustentabilidade. Com esta parceria, a Running Tides planeja lançar as algas, em breve, nas correntes oceânicas fazendo com que elas se percam em águas ricas em nutrientes e de apropriadas temperaturas. Para afundá-las abaixo dos mil metros, serão usadas, entre outros mecanismos, boias biodegradáveis que se decompõem em tempo determinado. A startup vai usar o investimento da Shopify para testar as florestas de algas o mais longe possível da costa, e rastrear seu desempenho. Assim, estarão certificados para vender as compensações de carbono.

Emissão e neutralização

A pegada de carbono (em inglês, o carbon footprint) é uma metodologia que calcula a emissão desse elemento equivalente emitido na atmosfera por uma pessoa, atividade, evento, empresa, organização ou governo. A partir destes valores de emissão, entra no jogo a neutralização do carbono, que funciona assim: uma empresa A produz cinco toneladas de carbono em suas atividades e para zerar suas emissões precisa comprar, então, cinco créditos de carbono (1 crédito é igual a uma tonelada equivalente) de empresas confiáveis e certificadas. Elas captam o biogás de um aterro sanitário e o transformam em energia ou preservam florestas nativas. Portanto, a lógica é simples. Se a empresa polui tem débito em carbono. Se é sustentável, tem créditos. E a sua empresa, como está?

Vale lembrar aqui que, em agosto de 2015, a ONU (Organização das Nações Unidas) concluiu um ambicioso documento chamado “Agenda 2030”, que propunha 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Cada um deles pensado para melhorias na qualidade da ação e/ou da relação do homem com a sociedade, a natureza e entre si.

O ODS prevê ações contra a mudança global do clima, como reciclagem de materiais e diminuição da emissão de CO₂. Entre as definições das metas estão a redução, até 2030, de 45% do CO₂  lançado na atmosfera e a emissão próxima de zero no ano de 2050. Uma das técnicas mais conhecidas para neutralização do carbono é a fotossíntese (mecanismo de das plantas que capta de CO₂ e libera por oxigênio) das árvores, mas é impossível se elas continuarem  sendo queimadas no ritmo atual. Por isso mesmo, o investimento em algas marinhas que neutralizem esses gases é tão importante nesse momento.


+ Notícias 

Produtos de “segunda mão” caem no gosto dos consumidores

Campanha “Leis de JÁ QUE” estimula mudança de hábito em relação ao lixo


 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]