Pesquisar
Close this search box.
/
/
A narrativa da vida faz mais sentido do que a vida real?

A narrativa da vida faz mais sentido do que a vida real?

Contra uma realidade dura de ser encarada de frente, criam-se narrativas paralelas. E há quem viva de acordo com elas. Mas será que vale a pena?

Isolamento, distanciamento, quarentena: nos últimos meses nós nos acostumamos com novas palavras e mudamos nossos comportamentos. Para preservar a nossa saúde e a nossa vida, renunciamos a muita coisa – o jantar no restaurante preferido, a convivência com os amigos, o happy hour de toda semana, a estreia no cinema, a festa de aniversário, a rotina social no local de trabalho diário, o evento tão esperado. Fomos rapidamente criando nossas bolhas de segurança e conforto mental, evidentemente, considerando aqueles que tiveram oportunidade para moldar seus ambientes residenciais para trabalhar remotamente e conciliar a vida familiar, pessoal e profissional.

Mas a quarentena forçada para uns e a necessidade de isolamento provável para outros, reforçou a dissonância cognitiva que há anos vem se disseminando nas sociedades de inúmeros países, particularmente nas ocidentais. Não é de hoje que a sociedade brasileira vem sucumbindo, de modo inconsciente à uma doença sorrateira, que pouco a pouco foi condicionando as pessoas a se fixarem em suas bolhas, procurando apenas cultivar ideias e informações que se alinhassem às suas crenças e visão de mundo.

De modo imperceptível, aos poucos fomos renunciando à nossa habilidade social de confrontar opiniões, enriquecer nossas conversas, estimular o debate a respeito dos mais diversos assuntos. Sob o signo da polarização, a sociedade sentiu-se estranhamente à vontade para se dividir e se aglutinar em polos opostos diante de qualquer assunto. Da política – esquerda ou direita – essa tendência esparramou-se por praticamente todos os assuntos e escolhas da nossa vida. Hoje, precisamos assumir uma posição que é sempre a favor ou contra uma ideia, um produto, uma pessoa, até mesmo um remédio!

As consequências dessa polarização são terríveis: de que forma podemos oferecer segurança e respeito aos cidadãos se o diálogo cedeu lugar à raiva, à agressão gratuita, ao alinhamento automático e sem reflexão à uma extremidade ou outra? A principal consequência que se observa diariamente em todas as plataformas de comunicação – mídias tradicionais, disruptivas, sociais, subterrâneas e conspiradoras – é a criação de narrativas que exploram os vieses de confirmação, crenças e zonas de conforto dos cidadãos, procurando reforçar ideias, conceitos, preconceitos, posições políticas sem dar tempo à reflexão e sem criar pontes de diálogo possíveis.

Mas os efeitos das guerras de narrativas também trouxeram consequências mais danosas às mentes individuais: a busca por construtos e histórias que modelem a realidade e a percepção das pessoas para dar sentido às suas próprias vidas. A realidade dos fatos se vaporizou diante da força de argumentos fracionados, deliberadamente montados, manipulados para trazer conforto à mentes frágeis ou incapazes de encarar a vida como ela é.

Percebam que todo fato precisa ser discutido, desconstruído, exagerado, relacionado, associado até que ele perca sua essência e daí em diante seja reduzido a um pedaço de informação que possa ser reconstruído, “ressignificado” ao bel-prazer para servir de combustível a grupos, grupelhos e redes orquestradas inflamarem seus discursos e reforçarem suas narrativas e também para empurrar os indivíduos para dentro de suas bolhas perceptivas. Camadas de informações desconstruídas, de fatos “ressignificados” vão se formando até tornarem as mentes impermeáveis à realidade. Fatos, evidências, dados, contrapontos, nada é capaz de penetrar o muro que protege e filtra toda informação para reforçar o viés de confirmação.

É incrível como a vida em si perdeu seu sentido, diante da narrativa que embala a vida e redesenha a realidade para que ela aprisione vontades, sequestre o bom senso e faça da tolerância uma atitude para os fracos. A existência só ganha o sentido com o confronto, o atropelo, a radicalização. O diálogo, a harmonia, o jogo de contrastes é demonstração de fraqueza, debilidade e uma concessão para os “inimigos”.

 

Mas então é lícito e real viver a vida que se cria e não aquela que está à nossa frente? É melhor viver nesse “Second Life” (um mundo virtual do início dos anos 2000 onde as pessoas criaram avatares de si mesmas, muitas vezes em desacordo com sua personalidade) mental que os indivíduos idealizaram para não enfrentar nada que se oponha ou divirja das próprias percepções?

Então, nesse mundo plástico, moldado para reforçar crenças rasas e ideias incansavelmente repetidas para que se tornem verdades únicas, não há espaço para o novo, o diferente, o inovador? Tudo necessariamente precisa trazer um ponto de inflexão, um interesse escuso? Caminhando nessa direção, as pessoas que se refugiam em suas realidades imaginadas não desenvolvem paranoias incontroláveis que se manifestam ao menor sinal de controvérsia ou de “ameaça” às percepções cristalizadas?

É necessário refletir até que ponto não nos tornamos reféns das nossas próprias narrativas, para que nos ajustemos às outras narrativas que nos alinhem a grupos de interesse, para que sejamos integrantes de massas de manobra. Temos de ter a coragem de ver se não estamos nos tornando simples unidades de informação que reagem aos comandos de algoritmos que podem sim comandar nossas decisões. Em última instância, a liberdade individual reside na coragem de encarar os fatos, de exercitar o contraditório, de refutar doutrinas e de formar opiniões próprias que possam até mesmo colidir com nossas crenças e até reformá-las.

Romper com a padronização e a simplificação redutora das narrativas disponíveis e autoimpostas é recuperar o direito de viver a vida real. É preciso ter coragem, independência e persistência. Não é fácil, mas vale a pena.

Melhor do que ser prisioneiro de uma realidade imaginada sob medida para dar sentido vazio à nossa vida, é encarar a verdade dos fatos, ser consciente da própria independência e correr os riscos decorrentes de ter opiniões realmente próprias.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]