Pesquisar
Close this search box.
/
/
/
Onde realmente a IA tira nosso sono: fraudes digitais

Onde realmente a IA tira nosso sono: fraudes digitais

Money20/20 abre espaço para mostrar os riscos associados ao uso de IA nos sistemas financeiros

Assim que uma nova tecnologia chega ao mercado, ela também é rapidamente adotada por pessoas interessadas em cometer crimes. E sim, isso está acontecendo agora com a adoção das IAs generativas, tais como o ChatGPT. É provável que novos crimes financeiros estejam sendo criados nesse exato momento. É o que defende Joe Rubinstein, CEO da Hummingbird, empresa que combate crimes financeiros, com ênfase nos delitos digitais. Sua especialidade é detectar fraudes e lavagem de dinheiro em bancos, neobancos e fintechs.

Atualmente, 78% dos americanos fazem transações bancárias online. Oito em cada 10 usam uma ferramenta financeira digital. Não é de admirar que as tentativas de fraudes digitais tenham aumentado 80% nos últimos cinco anos. Garantir que os dados e o dinheiro estão seguros e protegidos é fundamental e, para combater a fraude, deve ser implementada uma combinação de políticas inteligentes e soluções tecnológicas, desde a identificação digital até métodos de autenticação mais robustos. Quais os tipos de políticas ajudam e o que pode nos impedir na luta contra a fraude?

No Brasil, em 2022, 54% dos brasileiros entre 18 e 35 anos já utilizavam algum banco digital como sua principal instituição financeira. Já em dezembro de 2022, apenas 42,7% dos pagamentos considerando pessoas físicas e jurídicas tinham como destino os cinco maiores bancos – uma queda de 57% em cinco anos. Os números foram levantados no estudo “Marketshare de bancos 2023” que analisou um montante de 29.680.808 transferências bancárias realizadas pela Transfeera entre abril de 2017 e dezembro de 2022.

Atualmente, apenas 3% das transações realizadas no país são feitas com dinheiro vivo. Pix, cartões e transferências bancárias respondem pelos outros 97%. O destaque fica por conta do Pix, instrumento de transferência lançado pelo Banco Central em novembro de 2021, que teve um efeito espetacular na inclusão financeira. Já são 650,7 milhões de chaves Pix em uso e 153 milhões de usuários cadastrados, sendo 92% pessoas físicas. Mais de 150 milhões de transações são realizadas diariamente na modalidade.

Mergulhando no mundo da fraude

Com tamanha adoção digital, muito evidente em países emergentes como Brasil, Indonésia, Índia, os riscos inerentes à essa mudança de comportamento crescem de maneira significativa. Exatamente por isso que o futuro da prevenção a fraudes e crimes digitais reside no online, desde identidades digitais até novos métodos de autenticação.

A utilização de tecnologias é essencial para colaborar com autoridades políticas e de estado para identificar polos de crime organizado, aplicando inteligência para se infiltrar mesmo nessas redes. Acessar a dark web, por exemplo permite mapear como os fraudadores e criminosos abordam as pessoas comuns e como as empresas estão de fato vulneráveis por dados vazados. O uso de IA generativa e Machine Learning permitem coletar informações que ajudam sensivelmente empresas a enfrentar de modo mais robusto as tentativas de fraude.

Tecnicamente, sistemas de IA permitem infiltração silenciosa e com risco muito baixo de dano colateral na esfera das quadrilhas digitais. As aplicações de autenticação de identidade vão receber investimentos massivos. Nada será tão decisivo quanto criar sistemas que validem autenticação e reconhecimento de identidades.

Esses sistemas vão muito além da identificação biométrica atualmente conhecida, até porque há limites para compartilhamento de informações pessoais. Criar mecanismos de token que preservem identidades e, ao mesmo, permitam validar com assertividade os dados de uma determinada pessoa, são um campo promissor de pesquisa. No fim do dia, quem poderá se aborrecer e sofrer com produtos que não respondam à sua busca, é justamente o consumidor.

Qual é a geografia das fraudes digitais?

À medida que a tecnologia avança e conecta pessoas a uma velocidade incontrolável em todo o mundo, os fraudadores aproveitam a natureza da internet para perpetuar crimes que abrangem vários países e jurisdições. Todos sabemos que as abordagens tradicionais de prevenção e detecção de fraudes são insuficientes. As empresas e organizações devem adotar uma abordagem mais global e colaborativa à prevenção da fraude, aproveitando tecnologias avançadas e análise de dados para identificar tendências para além de suas fronteiras.

Para além da mera perspicácia tecnológica, é fundamental reconhecer os cenários culturais e jurídicos existentes nas diferentes regiões para combater eficazmente a fraude digital. Isto requer uma compreensão profunda das regulamentações locais, práticas comerciais e normas sociais, bem como a capacidade de adaptação rápida às condições em mudança.

Então, como reconhecemos os vários tipos de fraude que existem em diferentes partes do mundo, os fatores culturais que contribuem para a sua prevalência e a tecnologia que os permite? Esse é o trabalho de Ron Atzmon, CEO da AU10TIX, empresa líder global de tecnologia de verificação automática de identidade, alimentada por machine learning de ponta e IA.

O mercado americano é o grande líder em ataques cibernéticos e fraudes financeiras digitais, seguido pela Europa e Ásia.

Interessante observar como fotos falsas, número de identidade e dados pessoais são tipos de fraudes comuns no mundo todo. Ou seja, a porta de entrada para a fraude sempre reside na falta de cuidados do usuário com suas informações pessoais. Em tese, parece ser absurdo culpar as vítimas pelo crime que sofreram, mas nesse caso é relevante considerar que o cuidado débil com as próprias informações é uma oportunidade para os fraudadores.

Segundo Ron Atzmon, cópia e falsificação de identidade são crimes comuns em todos os continentes. Quando olhamos para os mercados-alvo, claro que a América do Norte, EUA à frente, é o mais lucrativo porque gigantescas quantias de dinheiro giram ali todos os dias. E o modelo de identidade norte-americano é muito suscetível a fraudes, o que serve de estímulo para o crime organizado, que detecta esses pontos fracos, e tem aí o incentivo ideal para o crime. Ou seja, a nova fronteira de desenvolvimento de tecnologia é o de autenticação e validação digital.

E no Brasil?

Takeaways do Money20/20

  • A prevenção de fraudes na indústria financeira está na mira da regulação;
  • A prevenção da fraude depende diretamente da adoção de IA e Machine Learning, porque a habilidade do cybercrime continuará em expansão;
  • Investimento massivo em sistemas de reconhecimento, autenticação e validade de identidade, para além da biometria;
  • O cybercrime está disseminado globalmente com liderança absoluta dos EUA;
  • O cybercrime é essencialmente organizado, dificílimo de ser rastreado e opera como uma máfia, atuando em diversos mercados simultaneamente;
  • Para resgatar a confiança do consumidor, é necessário investir em Informação cuidadosa e frequente, para orientar e prevenir ataques.


Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]