Pesquisar
Close this search box.
/
/
Entre métricas, medidas e distâncias, a quantos graus estamos separados de nós mesmos?

Entre métricas, medidas e distâncias, a quantos graus estamos separados de nós mesmos?

A necessidade de fazer parte de determinados grupos ou de viver de acordo com certos padrões pode acabar nos afastando do que importa - inclusive de nós mesmos?

Desde sempre, medimos. O mundo nos compara. Buscamos métricas para explicar hipóteses e para nos enquadrar a padrões, por meio de respostas e números – quanto mais precisos, melhor.

Afinal de contas, somos cobrados por resultados que costumam também ser medidos por meio de cálculos e parâmetros determinados pelo próprio homem, mas muitos acabam nos aprisionando, fechando ângulos e nos confinando aos resultados esperados.

Essa necessidade de enquadramento e organização faz parte da natureza humana. Fomos criados com estas regras – inclusive às quais temos que nos adaptar para sermos aceitos nas escolas, nas empresas, na sociedade. Uma vez incorporados estes paradigmas, vamos nos acomodando e quase todos vestindo essa armadura que nos acompanhará por muito tempo.

Conheça o Mundo do CX

Nessa eterna disputa entre a aceitação e pertencimento no “grupo dos normais” (curva normal na qual 68% dos casos estão a menos de um desvio padrão da média e 95% das observações a menos de 2 DP da média) e o descolamento dessa massa é que surgem as grandes ideias. Gênios sempre estiveram posicionados fora da curva – pessoas que influenciaram e mudaram o mundo, como Steve Jobs, que ia para a universidade descalço e que nunca se terminou o curso ou Woody Allen que nunca foi além de um semestre na Universidade e se destacou no High School pela facilidade que tinha de fazer mágica (!).

Para além deles, há uma infinitude de nomes, de gênios e de mais um monte de celebridades anônimas ou simplesmente pessoas que não se adaptaram aos rígidos padrões adotados pela média, mas que também não conseguiram imprimir sua marca ao mundo. Já dizia Albert Einstein “A imaginação é mais importante que o conhecimento. O conhecimento é limitado, enquanto a imaginação abraça o mundo inteiro.”

As medidas estão presentes em tudo, até no que não vemos, mas conseguimos perceber quando os limites são ultrapassados. Antes da pandemia de COVID-19, pouco se falava de distanciamento social, mas o tema sempre fez parte do currículo do curso de Psicologia. Lembro que, nos EUA, a percepção de distanciamento são diferentes: em países latinos temos mais contato físico com pessoas, somos mais próximos, abraçamos mais, beijamos e tocamos nas pessoas.

Outra teoria interessante que temos sobre distanciamento – mais útil nos tempos atuais, quando a tecnologia juntou e alinhou pontos e distâncias – é de Frigyes Karintjy (escritor húngaro). Deixo claro que a origem dessa teoria não é científica e sim literária. Em um conto de 1929, ele dizia que todas as pessoas do mundo estavam separadas por apenas “seis graus de distância”, ou seja, quaisquer duas pessoas estavam ligadas por no máximo seis laços de amizade.

Na década de 1960, o psicólogo americano Stanley Milgram decidiu testar a teoria. Ele desafiou 300 pessoas a encaminharem um cartão postal, alguns dizem que foi um pacote a um destinatário específico escolhido por ele em Boston. Para isso, essas pessoas deveriam enviar o cartão/caixa a um conhecido, que faria o mesmo, até que o cartão/caixa, finalmente, chegasse ao destino. Os cartões passaram por 6 etapas até chegarem ao destinatário final.

Assine nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

O experimento foi repetido em 2002, por pesquisadores da Universidade de Columbia (EUA) com 61.168 participantes e 18 destinatários definidos (desde veterinários noruegueses até estudantes na Sibéria), porém, utilizando e-mails. Apenas 324 mensagens chegaram aos 18 escolhidos. Os e-mails passaram por 5 a 7 pessoas, em média, antes de alcançarem o destino final.

Em 2016, o experimento foi realizado novamente. Desta vez, o Facebook fez o cruzamento estatístico de dados usando seu algoritmo para identificar as conexões de 1,59 bilhão de usuários. A descoberta foi bem interessante: estamos muito mais conectados nas redes sociais do que no mundo off-line.

Nas redes, o grau de separação das pessoas ficou entre 3, 57e 4,57, em média. Portanto, concluímos que as redes sociais aproximam ainda mais os seres humanos, pelo menos em termos de números mas, no mundo real, parece que no continuam se escondendo – agora atrás de telas, para se protegerem e manterem, de alguma forma, seu isolamento.

Olhando todos estes números, descobertas e especulações pergunto-me sobre as relações humanas e volto a especulação dos apps de relacionamento. Semana passada li um artigo na NBC entregando dados de que 2/3 das pessoas que buscam os apps de relacionamento estão, atualmente, em um relacionamento! Há algo errado no reino dos solteiros, mal-casados e desafortunados – além de precisarem de uma boa terapia! Encerro este artigo uma provocação (Qual a distância dessas pessoas com suas reais expectativas, envolvimento e satisfação com elas mesmas? Quais as chances de saberem o que buscam, além de uma promessa do perfeito, que certamente não existe além de seu desejo infantilizado?) e uma constatação (“Tudo é mais fácil na vida virtual, mas perdemos a arte das relações sociais e da amizade” – Zygmund Bauman)



+ NOTÍCIAS
Padrões de beleza: como eles influenciam no dia a dia e no mercado da estética?
A quais demandas do consumidor o mercado de beleza deve estar atento?

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]