Pesquisar
Close this search box.
/
/
Logística reversa ganha força com produção no setor têxtil

Logística reversa ganha força com produção no setor têxtil

Empresas, em grande parte do varejo, preferem investir mais em economia circular a aterrar uniformes e itens velhos

O que há em comum por trás dos uniformes de colaboradores de empresas como LeroyMerlin, Itaú, FedEx, CCR Rodoanel, Panpharma e Makro? Todos eles, sem exceção, estão no radar de uma logística reversa. Cada vez mais, o consumo consciente e o espaço do ESG no mainstream têm chamado a atenção de empresas e consumidores quanto ao recolhimento dos produtos inutilizados. No caso da logística reversa, a exposição de engajamento de empresas em projetos ligados a meio ambiente e sociedade é cada vez mais visível com pontos de coleta de eletrônicos e roupas.

Mas mais do que a logística reversa, há empresas trabalhando com cooperativas e grandes marcas na criação de novos produtos, promovendo um verdadeiro cenário de economia circular e geração de valor compartilhado. Sendo assim, outras duas coisas em comum entre os uniformes das empresas citadas acima, além da logística, são o valor social gerado e o problema ambiental resolvido.

“Hoje a gente faz o trabalho que chamamos de integrar a vida têxtil. Ela vai muito além do resíduo têxtil. Passa pelo plantio do algodão, pela extração da matéria prima, pelo beneficiamento e transportes. A gente integra ao viabilizar a gestão responsável, inovadora e inclusiva de resíduos têxteis pós-consumo — que é onde está a maior complexidade e o maior desafio”, explica Jonas Lessa, CEO da Retalhar.

Considerada a segunda maior indústria que mais polui no mundo — muito por conta do consumo de água e agrotóxicos ao algodão e do microplástico do poliéster —, a indústria têxtil conta com uma política nacional de resíduos sólidos no Brasil, que coloca a logística reversa como um instrumento de desenvolvimento social e econômico. Contudo, o desenvolvimento social muitas vezes fica em segundo plano.

“Eu destaco esse social porque desde que começamos vimos brotar muitas iniciativas dizendo fazer logística reversa, mas não fazendo nada do ponto de vista social. Muitas vezes nada mais é do que coletar o resíduo e mandar para o aterro sanitário. É tirar o resíduo da frente do cliente deles”, critica o CEO.

Esforço coletivo

A logística reversa têxtil gera oportunidade de criar novos produtos. No caso da Retalhar, por exemplo, o sucesso está na capacidade de criar sacolas, camas de cachorro, luvas profissionais para altas temperaturas, aventais e brindes customizados para empresas.

Lessa ressalta que a logística reversa é obrigatória para certos tipos de materiais colocados em acordos setoriais, como pneus, lâmpadas fluorescentes, embalagens de óleo, lubrificantes, remédios, mas quando a conversa chega no têxtil, quase não há obrigatoriedade. “O têxtil não aparece. Ninguém sabe, ninguém viu. Tem a obrigatoriedade, mas no detalhe, essa obrigatoriedade é defensável pelo departamento jurídico de certas empresas têxteis”, esclarece o executivo, lembrando que algumas empresas preferem acionar o jurídico a acionar um projeto.

No caso das que topam o compromisso social, a Retalhar tem feito parcerias também com empresas como Centauro, C&A, Nestlé, Heineken, Mercado Livre, Globo e Amil, que preferem pagar mais para apoiar a economia circular. “A gente vê a percepção de valor se aproximando da disposição de pagar. Mais que interessante, isso é necessário.”

O que as grandes empresas precisam

Lessa conta a Retalhar oferece três tipos de serviços a suas parceiras: destinação correta a uniformes profissionais — ou itens como mochilas, no caso da parceria com o iFood para malas de entregas —, confecção de produtos a partir de resíduos têxteis e consultoria e desenvolvimento de soluções integradas e preventivas para processos, produtos e resíduos. “A consultoria é para ajudar empresas a incorporar na tomada de decisão lá no começo, desde o material que a estilista vai usar.”

O CEO da empresa explica que há um forte sistema de segurança para os uniformes, já que o assalto uniformizado está consolidado há décadas. Empresas, aliás, chegavam a queimar uniformes velhos por conta do risco. Além de dar a destinação correta aos resíduos, de acordo com a lei, a Retalhar trabalha na geração de cases de economia circular junto às parceiras, além de certificá-las.

Ao investir na economia circular, essas empresas contribuem para a geração de empregos a trabalhadores em situação vulnerável, empodera comunidades cooperativas, reaproveita centenas de toneladas de resíduos e evita emissões de carbono.

“Por trás de cada quilo que compõe os mais de 200 mil quilos que conseguimos reciclar tem uma grande empresa que pagou mais caro por isso em comparação com o que ela pagaria nas alternativas padrões de coprocessamento e envio para aterro sanitário. Então, é uma grande vitória de princípios e valores. Estamos mostrando e fazendo com que elas paguem a mais pelo valor socioambiental. Não estamos competindo com o aterro”, comenta Lessa.


+ Notícias

Mercado Livre abre curso gratuito de habilidades tecnológicas

Calculadoras ESG propõem medir emissão de carbono

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]