Pesquisar
Close this search box.
/
/
Jovens hackeados: um terço dos adolescentes e adultos dos EUA sofreram invasões e golpes recentemente

Jovens hackeados: um terço dos adolescentes e adultos dos EUA sofreram invasões e golpes recentemente

Geração Z é a mais atacada virtualmente e a que menos se protege de hackers.

De acordo com a 3ª edição da Pesquisa de Conectividade e Tendências Móveis de 2022: Dominando a Nova Vida Digital, da Deloitte, publicada em agosto de 2022, 15% de adolescentes e adultos dos Estados Unidos tiveram uma de suas redes sociais invadida entre o primeiro trimestre de 2021 e 2022. No mesmo período, 13% tiveram um cartão de crédito invadido e 10% caíram em um golpe online.

O levantamento aponta também que um terço dos adolescentes e adultos dos EUA sofreu algum tipo de violação de segurança no ano passado. No entanto, apenas 34% implementaram autenticação de dois fatores para aplicativos e serviços durante esse período. Outro dado relevante é que os consumidores mais jovens são os mais vulneráveis ​​aos ataques de hackers. 16% da Geração Z relataram ter sido enganados online, contra apenas 4% dos Baby Boomers.

A guarda e a inviolabilidade das informações digitais são prioridades no mundo empresarial, nas instituições governamentais e até nas organizações da sociedade. Com o avanço da tecnologia e popularidade dos aplicativos móveis, os ataques virtuais evoluíram e hackers estão usando aplicativos para cometer crimes cibernéticos e fazer aumentar o número de jovens hackeados.

Investimento em segurança por empresas aumenta

Escolas, governos, hospitais, empresas de comunicação, comércios… nenhum setor é poupado dos criminosos virtuais. No Brasil, no auge da Covid-19, o aplicativo do ConecteSUS foi invadido por hackers. O resultado? A impossibilidade de emissão de certificados, além do sumiço do sistema de controles de doses já aplicadas.

Crimonosos também atentam contra redes bancárias. A Pesquisa de Tecnologia Bancária 2021 (ano-base 2020) da Federação Brasileira de Bancos, divulgada no CIAB FEBRABAN 2021, aponta que bancos investiram R$ 2,5 bilhões em segurança da informação no período, ou seja, 10% dos gastos com tecnologia que foram de R$ 25,7 bilhões, montante 8% superior ao registrado em 2019.

Uso de apps é grande, mas o medo e a insatisfação também

Em recente pesquisa da Yaman, consultoria de qualidade e engenharia de software, 77% dos entrevistados afirmaram utilizar serviços digitais de bancos e 91% disseram fazer compras on-line ao menos uma vez por mês. Outros números relevantes: 72% dos clientes digitais estão insatisfeitos com a segurança dos aplicativos, e 63% estão insatisfeitos no que diz respeito a repasse de dados.

“Com isso, é possível concluir que o fator de maior impacto na experiência dos usuários e os principais gatilhos de recomendação estão relacionados à segurança. Para atender a essa demanda e oferecer uma experiência de uso cada vez mais satisfatória, é preciso investir em novas soluções para garantir mais segurança para as aplicações de seus clientes, blindando aplicações mobile contra ataques de hackers”, comenta Andrey Coelho, Mestre em Tecnologia da Informação e CEO da Yaman.

Nos últimos cinco anos, as modalidades de ataques têm se sofisticado. Às fraudes e roubos, somam-se o sequestro de dados e o fornecimento global desses crimes cibernéticos. Por isso, a segurança é uma das grandes questões sobre pagamentos online, pois muitos usuários têm receio ao preencher formulários, compartilhar dados e deixar que pessoas e empresas coletem suas informações pessoais. “Como os meios de prevenção estão cada vez mais avançados, nem todas as tentativas têm sucesso. Mas é preciso estar sempre atento quando o assunto for fraude em meios de pagamento, pois ainda há muito o que se combater”, alerta o especialista.

Confiabilidade de sistemas brasileiros

Segundo a Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária 2022, conduzida pelo Deloitte para a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), o número de investimento no setor em cibersegurança é de 10%. Para 2022, a projeção é de 35,5 bilhões de investimentos em tecnologia, sendo 3,5 bilhões em segurança. “Hoje, os aplicativos bancários brasileiros são os mais evoluídos do mundo, tanto em quantidade de transações, quanto na usabilidade e segurança, sendo algo confiável. O usuário médio entra cerca de 40 vezes no aplicativo bancário por mês, e um usuário heavy user, que utiliza só o mobile, acessa 60 vezes por mês”, pontua Andrey Coelho. “Portanto, a cibersegurança é levada muito a sério em toda a cadeia bancária, fazendo com que os clientes tenham segurança e conduzam suas atividades online cada vez com mais tranquilidade”, completa.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

LGPD Juvenil: empresas ainda não estão em
conformidade com a lei

São praticamente quatro anos desde a promulgação da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (lei 13.709/218), também conhecida como LGPD, e ainda muitas instituições não estão em conformidade quando o assunto é tratamento de dados de menores de idade. Mesmo com a regulamentação em vigor desde setembro de 2020, o maior desafio tem sido atender plenamente os requisitos do artigo 14 da Lei, que exige uma ação mais direcionada para o público jovem.

O resultado, apontado por uma pesquisa realizada pelo Instituto iStart e coordenada pela advogada e consultora em Proteção de Dados Carolina Chiavaloni, mostra que ainda estamos distantes de ter uma cultura de privacidade e segurança que garanta a proteção da criança e do adolescente, principalmente nos ambientes digitais.

De acordo com os dados obtidos com o estudo, pouco mais de 10% das organizações analisadas oferecem informações necessárias aos pais e responsáveis, de maneira simples, clara e acessível, e adequada também ao entendimento da criança, o que é exigido pelo artigo 14, § 6º da LGPD. Ou seja, quase 90% não cumprem com a exigência.

Além disso, somente 53% das empresas oferecem barreiras técnicas ao acesso que envolve crianças menores de 12 anos de idade, como solicitar permissão do responsável para fazer login na plataforma, outro requisito da Lei. Outro dado que chama atenção é em relação à necessidade de informar que é realizado o tratamento de dados de crianças e adolescentes: apenas 36,7% dos locais analisados estão de acordo com a norma.

Pais devem supervisionar hábitos online da criança

Na avaliação da advogada especialista em Direito Digital Patricia Peck, presidente do Instituto iStart, os pais sempre devem conferir as regras de utilização das plataformas e redes sociais, e verificar a idade mínima. Muitos serviços digitais exigem que o usuário tenha ao menos 13 anos, pois não são adequados para serem usados por crianças sozinhas, e precisam ser assistidos ou supervisionados – ainda mais com as novas regras trazidas pelo artigo 14 da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

“Ao criar perfis infantis e publicar detalhes de sua vida íntima, os pequenos ficam mais suscetíveis a pessoas mal-intencionadas. O dever de vigilância é dos pais ou responsáveis, conforme determina o artigo 932 do Código Civil. É preciso saber mais da vida digital dos filhos e, acima de tudo, educar a geração digital para ela saber se proteger”, salienta Patricia Peck.

Conheça o Mundo do CX

Segundo Carolina Chiavaloni, é preciso alertar sobre a importância do tema de privacidade e proteção de dados de crianças e adolescentes, bem como as boas práticas no uso das ferramentas digitais. “O objetivo central da pesquisa foi analisar a adequação de algumas das principais empresas do mercado, organizadas por setores econômicos e que são de uso frequente do público infantojuvenil.

Como metodologia, a pesquisa utilizou uma amostragem de um mínimo de três empresas por setor, tendo como base de decisão a relevância, a representatividade e o alcance das empresas que ofertam serviços ou produtos pela internet e que são usados em grande volume por crianças e adolescentes”, comenta.

Em termos gerais, as plataformas de games para adolescentes, de streaming e de saúde são as que se apresentaram com conformidade mais baixa, quando comparadas aos demais setores.

Cultura de proteção de dados no Brasil

A advogada ressalta a importância de as empresas atualizarem seus ambientes para ficarem em conformidade com a LGPD, “para termos uma internet mais transparente, ética, segura e saudável para crianças e adolescente brincarem. Mais que ter a lei, é preciso educar sobre a lei para alcançarmos a mudança de comportamento necessária e termos uma real cultura de proteção de dados no Brasil. E esta jornada de aprendizagem deve iniciar com os jovens”.


+ Notícias

Azul e Disney lançam nova aeronave da frota mágica

TIM busca avanços em identificar correlações no autoatendimento

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]