Pesquisar
Close this search box.
/
/
A inteligência no uso do big data. E a burrice de quem não liga para o tema

A inteligência no uso do big data. E a burrice de quem não liga para o tema

Muita gente no mundo corporativo adora dizer que "dado é o novo petróleo". Entre aqueles que repetem a máxima, há executivos que nunca experimentaram o uso do big data. Como classificar isso?

Empresas grandes – e até mesmo aquelas de menor porte –já entenderam a importância da big data para o mundo corporativo e, principalmente, para a experiência do cliente. Infelizmente, para muitas empresas, conviver com dados não passa de uma doce ilusão. Existem incontáveis casos de companhias que empolam a voz e emanam um discurso vazio, que tem morada apenas no imaginário de um iluminado executivo e que servem apenas a dois propósitos: acariciar o ego de investidores (ou do dono da empresa) e se travestir de uma transformação digital que nunca existiu para (tentar) enganar a opinião pública ou o consumidor.

Viver apenas nos planos das ideias é não enxergar que daqui a pouco poucas empresas, uma quantidade pequena mesmo, vai entregar uma experiência ao consumidor realmente singular. Mais do que isso, nunca irão compreender porque um punhado bem pequeno de companhias anda de olho em dados dados não estruturados ou que conferem predicados as informações coletadas nos dias de hoje. É o seu caso?

Rotinas

O debate sobre o uso de dados no mundo corporativo fez parte do painel “Como fazer dos dados elos de confiança no atendimento?”, do Conarec. Mediado por Alessandra Montini, diretora do Labdata/ FIA, os painelistas discutiram caminhos para o uso de dados e se efetivamente eles têm sido aplicados nas rotinas corporativas.


Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre os principais debates da experiência do cliente


Uma das primeiras conclusões do encontro foi entender o que há por trás da velha máxima “dado é o novo petróleo”. Sob a ótica financeira, a frase é incontestável, vide empresas como Google e Facebook, que romperam o valor do US$ 1 trilhão.

No entanto, a frase camufla uma ideia que justamente aproximam as big techs das refinarias: elas constroem produtos a partir da matéria-prima, que seria inútil em seu estado bruto. Big data sem tratamento é exatamente isso.

“O petróleo em si só não serve para muita coisa. Se você o achar na sua casa e não refinar e não fazer os derivados, ele será inútil. Os dados devem se tornar não apenas o elo de confiança com o consumidor, mas servem para transformar a forma de atender o consumidor e, principalmente, estabelecer uma conexão: quanto mais eu te conheço, melhor eu consigo trabalhar com você”, afirma Oscar Pettezoni, diretor-executivo da Visa Consulting & Analytics, braço de consultoria da Visa do Brasil.

Mas o que aconteceria a partir do refino dos dados? Muito provavelmente veríamos a decantação de dois tipos de informações: estruturadas e não estruturadas, sendo que a primeira basicamente se refere a textos e alguns números organizados ou tabulados.

Ou seja, organizar uma informação Seria como organizar uma biblioteca a partir números e letras. Mas o que realmente dá valor ou qualidade a um livro é o seu conteúdo dentro de um contexto, as metáforas, imagens e outros quesitos que conferem predicados quase únicos. Isso é o dado não estruturado.

“Eu sempre quis estudar o perfil específico de dados não estruturados, que é o conteúdo espontâneo, descritivo e qualitativo. Hoje se fala muito em big data, mas usamos apenas 20% do tal da big data (ou o dado estruturado), pois esse é o conteúdo mais próximo das empresas. E como as grandes corporações trabalham a big data, em especial o dado não estruturado? Para a minha surpresa, eu notei que nem mesmo as grandes empresas estavam efetivamente trabalhando com isso. É uma oportunidade de mercado”, afirma Dirceu Correa Junior, CEO da Postmetria, empresa especializada em CX a partir de uma metodologia própria de NPS.

People First

O trabalho de coleta e tratamento de dados, no entanto, dependem de diversos pressupostos que ajudam no aprimoramento do customer experience. O primeiro, claro, é entender o comportamento do cliente. Mas há outros pessoas dentro desse universo, segundo explica Rafael Zenorini, sócio e head de data Science do Banco.

“Não adianta ter dados e tecnologia se não tivermos pessoas preparadas para lidar com esse cenário. E quando falo de pessoas não me refiro apenas a profissionais técnicos que vão lidar com a parte de ciência de dados ou os profissionais que vão gerar os dashboards. Eu falo dos profissionais de negócios que vão olhar os dados e vão gerar insights, tomar boas decisões”, afirma.

Mudança completa

Maria Emília Raucci, diretora de relacionamento com o cliente JBS, ainda destaca outro ponto importante além das pessoas e dos próprios dados. Ela lembra que empresas devem incorporar uma cultura de dados, o que inclui novas tecnologias e rotinas. No fim, tudo terá um objetivo: repensar o processo para os novos tempos.

“A transformação digital não é digitalizar o processo e sim repensar o nosso processo com a tecnologia fazendo parte dele. Isso melhora tanto para o usuário, ou seja, a gente evoluiu nos processos internos. Fizemos isso e começamos a identificar os gargalos de conhecimento: como o time trabalha com esses dados para que tenha um aprendizado mais rápido e como obter respostas rápidas, objetivas e que possam direcionar as nossas tomadas de decisão”, afirma.

 


+ Notícias

Bancos tradicionais estão perdendo espaço nas transferências online, mostra estudo

Como o setor de telefonia trabalha o valor do respeito ao cliente?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]