Pesquisar
Close this search box.
/
/
Inteligência Artificial: mais processamento, menos ética?

Inteligência Artificial: mais processamento, menos ética?

Estudo da Universidade de Stanford revela que a tecnologia está cada vez mais enviesada.

Que a Inteligência Artificial (IA) é a nova tecnologia do momento, todo mundo sabe — inclusive e principalmente os grandes executivos do mercado. A ferramenta, na verdade, tem se feito muito útil para os negócios, sobretudo para o atendimento dos clientes e auxílio nas vendas do e-commerce. Mas ainda que ela seja revolucionária no mercado, há falhas graves que ainda precisam de conserto: como resultado de uma produção humana, a IA tem ficado… bem, cada vez mais enviesada.

É o que mostra o novo relatório do Instituto para Inteligência Artificial Centrada nos Humanos de Stanford, nos Estados Unidos. Ainda que a tecnologia tenha evoluído (e muito) nesses últimos dois anos, com ganhos impecáveis em habilidades linguísticas, ela ainda segue com “opiniões” um tanto quanto tóxicas e informações com um viés muito claro.

Esse assunto foi inclusive explorado no documentário Coded Bias, da Netflix, para refletir algumas das escolhas e reconhecimentos da Inteligência Artificial que causavam uma série de problemas a homens e mulheres negras, por exemplo.

Leia mais: Inteligência artificial: a dualidade da evolução tecnológica e do poder sobre o consumidor

Uma inteligência artificial que ainda precisa de reparos

O potencial da IA no mercado já é algo sem precedentes no mercado mundial e a tendência, conforme aponta o estudo, intitulado de “AI Index 2022 Annual Report”, é que os investimentos nela fiquem cada vez maiores. Em 2021, o investimento privado em inteligência artificial totalizou cerca de U$ 93,5 bilhões, um valor que corresponde quase ao dobro do total de 2020.

Mas mesmo que todo esse investimento se intensifique, o relatório — que avalia a inteligente artificial a partir de inúmeras camadas, entre elas a ética e a política, com o intuito de torná-la o mais neutra possível para cumprir com seus propósitos — analisou que os modelos de linguagem já estão mais capazes do que nunca, mas ainda apresentam vieses muito claros, o que traz uma nova margem de insegurança a essa tecnologia.

E o mais curioso nisso tudo é que, ao que consta no relatório, quanto maior for a quantidade de parâmetros, maior também é a possibilidade de tornar a IA mais “tóxica”. A pesquisa mostra que um modelo de 280 bilhões de parâmetros técnicos — em teoria um dos mais capazes e inteligentes do mercado —, desenvolvido em 2021, apresentou um aumento de 29% de opiniões enviesadas quando comparada a outro modelo de 2018, com 117 milhões de parâmetros, considerado um dos melhores da época.

Assine a newsletter da Consumidor Moderno e fique por dentro de todos os eventos e conteúdos do Grupo Padrão

Mas o cenário ainda é promissor

O relatório, ainda que indique essa parte mais enviesada da IA, também mostra que é possível fazer com que essa capacidade de processamento aumente e, uma vez que há mais percepção sobre as condutas antiéticas e tóxicas da tecnologia, o cenário pode ficar mais promissor em um curto período de tempo.

Para se ter ideia, o estudo mostra que pesquisadores com afiliações da indústria chegaram a contribuir com 71% a mais de publicações nos últimos anos em conferências focadas em ética para IA. E, desde 2018, o custo de treinamento para a tecnologia — em especial para a classificação de imagens — diminuiu cerca de 63,6%, ao mesmo tempo em que o tempo necessário para o treinamento ficou 94,4% melhor.

Leia mais: Inteligência artificial: o que 2022 reserva para a tecnologia do momento?

Esses detalhes, portanto, fizeram com que a recomendação, detecção de objetos e processamento de linguagem, principalmente, fiquem cada vez mais eficientes com o passar dos anos.

Vale destacar que, nesse cenário, os olhares estarão mais atentos aos Estados Unidos e à China, que tem dominado as colaborações para produção de inteligências artificiais cada vez mais sofisticadas.


+ Notícias

99 reduz episódios de assédio com uso de inteligência artificial 

Como entender onde o uso da inteligência artificial trará resultados 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]