Pesquisar
Close this search box.
/
/
Você conhece a EAI? A inteligência artificial que pode acessar emoções de colaboradores

Você conhece a EAI? A inteligência artificial que pode acessar emoções de colaboradores

Apesar de significar avanços, existem alguns problemas pontuais no uso das ferramentas de IA para analisar as emoções, seja de candidatos ou de funcionários

Segundo a Taigusys, empresa responsável pela ferramenta de inteligência artificial que pode monitorar emoções de colaboradores, a ferramenta seria útil no ambiente de trabalho para minimizar conflitos criados por comportamentos emocionais e de confronto. O sistema de IA pode executar as expressões faciais de várias através de uma avaliação, e de uma só vez. O algoritmo aponta o humor através do que ele analisa nos movimentos musculares faciais e pelos sinais biométricos de cada pessoa.

As emoções são apresentadas pelo sistema como boa, quando o programa de IA identifica um sentimento movido por algo positivo. Porém, a ferramenta entende também quando as emoções são negativas, como tristeza, nojo, confusão, raiva ou desprezo. Ainda são identificados os sentimentos neutros, como por exemplo o foco que o colaborador dá a determinada tarefa. Além disso, o software é capaz de identificar, segundo a empresa desenvolvedora, quando alguém finge uma emoção, como forçar um sorriso.

À medida que a tecnologia se torna cada vez mais sofisticada, a quantidade de dados processados e treinados pela EAI, a inteligência artificial emocional, se torna grande. As informações medidas pelas empresas, com a ajuda da ferramenta, são: respiração, frequência cardíaca, transpiração, postura corporal, entre outras. Com esses dados, é possível rastrear as emoções de alguém, e até mesmo se a pessoa mente sobre o que sente.

Empresas que usaram a inteligência artificial para monitorar emoções dos colaboradores e candidatos

Em 2014, a empresa estadunidense de recrutamento HireVue começou a usar a análise facial EIA como parte da entrevista no processo seletivo de candidatos. A ideia era identificar quais seriam as pessoas ideais para o cargo através da identificação de habilidades interpessoais, capacidade cognitiva, traços psicológicos e inteligência emocional durante entrevistas em vídeo. Ao todo, mais de um milhão de candidatos às vagas nas empresas foram avaliados assim.

Porém, em 2019, o Centro de Informações de Privacidade Eletrônica definiu a prática como injusta e enganosa, uma vez que não havia comprovação de que a tecnologia usada pela HireVue seria capaz de cumprir o que era prometido. Dentro das denúncias feitas contra a empresa, havia um apontamento de que a análise facial poderia ser tendenciosa, inclusive com pessoas com deficiências neurológicas. Ou seja, não poderia ser usada para a tomada de decisões.

Com a pressão popular, a empresa disse em 2021 que interromperia o uso da análise facial por EIA. Segundo a HireVue, apesar de não valer a pena se preocupar com os resultados da ferramenta, ela continuaria com as análises de fala, entonação e comportamento durante as entrevistas, uma vez que os elementos verbais seriam suficientes para tirar conclusões sobre o estado emocional dos candidatos.

Já uma combinação de análise facial, reconhecimento de postura corporal e da tonalidade da voz foi usada pela plataforma de recrutamento Retorio para analisar os candidatos. A plataforma de inteligência comportamental usa esses dados para criar um traço de personalidade e um perfil de habilidades interpessoais dos candidatos, para facilitar a ação dos recrutadores.

Kat Roemmich, doutoranda na Escola de Informação da Universidade de Michigan, revelou que muitos funcionários não têm conhecimento do uso de tecnologia de reconhecimento emocional em suas empresas durante o expediente. Esta prática não é obrigatória e os empregadores não são obrigados a informar seus funcionários sobre isso. A coleta de dados emocionais pode ser feita através da análise de informações já reunidas em programas de monitoramento existentes. Isso permite que as empresas incorporem o EAI nesses programas sem avisar os funcionários.

A crescente adoção de programas de monitoramento durante a pandemia, devido ao trabalho remoto, expôs mais pessoas à possibilidade de terem suas emoções vigiadas enquanto trabalham. Nos Estados Unidos, o EAI não é considerado um dado biométrico identificável exclusivo, como uma impressão digital ou reconhecimento facial, e, por isso, não é regulamentado. Na Europa, a União Europeia está desenvolvendo uma legislação que pode tornar ilegal o uso dessa tecnologia no local de trabalho. Embora não haja regulamentação, as empresas têm liberdade para empregar o EAI como desejarem.

Podemos confiar na inteligência artificial de análise emocional?

Existem alguns problemas pontuados no uso das ferramentas de inteligência artificial para analisar as emoções, seja de candidatos ou colaboradores. Além das questões éticas, a EAI enfrenta um desafio crucial: sua eficácia pode estar em dúvida. Com base na pesquisa de Paul Ekman, psicólogo americano, a tecnologia que interpreta expressões propostas propõe emoções universais, mas o próprio trabalho de Ekman enfrenta críticas e não há acordo sobre como interpretar emoções específicas no rosto humano.

Uma análise recente sobre o reconhecimento de emoções pela expressão facial não encontrou evidências sólidas de conexão entre expressões e emoções. Contextos e culturas geram uma ampla variedade de expressões para a mesma emoção, o que desafia a ideia de expressões universais.

As empresas da EAI argumentam que compartilham essas emoções culturais ao analisar dados de diversos países. No entanto, a falta de transparência na indústria dificulta a obtenção de evidências independentes sobre o funcionamento dessa tecnologia.

O uso da EAI no ambiente de trabalho levanta preocupações sobre o acesso das empresas aos sentimentos privados dos funcionários. Se a tecnologia não for precisa, as decisões de contratação ou missão básica nela podem ser equivocadas. Isso destaca como as empresas estão penetrando em aspectos íntimos da vida, incluindo nossos pensamentos e sentimentos.



Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]