Pesquisar
Close this search box.
/
/
Insegurança alimentar: como a inovação pode resolver esse problema?

Insegurança alimentar: como a inovação pode resolver esse problema?

Cada vez menos jovens dedica-se à agricultura. Que impactos esse fenômeno pode trazer no aumento da fome e da falta de comida para os mais pobres? Confira
A inovação vi deixar nossa alimentação mais saborosa? Pensar em como a tecnologia vai modificar nossa maneira de comer parece assustador. O SXSW explorou bastante essa questão. Um dos painéis, trouxe uma combinação de profissionais que amam alimentação sobre todas as coisas: Regina Anderson, diretora executiva da Food Recovery Network, Tony Hillery, diretor executivo do Harlem Grown, Danielle Nieremberg, Presidente da Food Tank, (think tank for food) e Haile Thomas, palestrante e ativista de bem-estar, CEO da Happy para compartilhar suas histórias de esperança e sucesso. Jovens líderes que trabalham em campos, cozinhas, salas de diretoria e laboratórios em todo o mundo para tornar o sistema alimentar mais ambiental, econômico e socialmente sustentável. Mas a próxima geração também enfrenta imensos obstáculos: os jovens agricultores enfrentam competição severa, os jovens empreendedores muitas vezes assumem dívidas enormes e os jovens líderes precisam de mais apoio, mais pesquisa e mais investimentos. Esses jovens líderes vêm de diversas origens, mas todos concordam que as atuais práticas de produção e consumo de alimentos são insustentáveis. Como empreendedores sociais, eles estão encontrando novas maneiras de educar e inspirar e mudar a forma como o mundo produz e consome alimentos.
O papel da agricultura nos dias de hoje

A agricultura é uma atividade em envelhecimento acelerado ao longo do mundo, particularmente nos EUA. Mais de 60% dos trabalhadores de fazendas hoje têm mais de 50 anos. Por que a produção de alimentos não atrai mais os jovens? O fato é que a agricultura é uma atividade muito associada aos baby boomers, o que pode trazer implicações sérias para a segurança alimentar. É necessário aumentar a visibilidade e a atratividade da atividade agrícola para os mais jovens. Pessoas como Haile Thomas,que criou a Happy (Healthy Active Positive Purposeful Youth) e mal saiu da adolescência. Ela reconhece que a carreira no campo não traz glamour e, fundamentalmente, perdeu o senso de propósito para os mais jovens. Na opinião dessa legítima representante da Geração Z, o trabalho agrícola precisa resgatar sua relevância. Tony Hillery afirma, com razão que a maior parte das pessoas vive nas cidades e essa tendência demográfica cria uma enorme insegurança alimentar. No entender desse ativista, a questão alimentar passa por reconhecer que o sistema falha e não parece capaz de solucionar o aumento da pobreza.

Regina Anderson concorda que vivemos em um mundo urbano, mas ainda assim, ela diz que há muita gente disposta a ajudar, a participar de comunidades e resolver problemas como a falta de segurança alimentar. A associação que comanda – Food Network – consegue engajar estudantes para que se dediquem a alimentar aqueles que precisam, por meio de campanhas e atividades diversas. Há poder transformador no mundo, apesar da nossa tendência de continuamente classificar e rotular pessoas. “Perspectiva é tudo”, afirma Haile. “Eu venho de uma família de classe média, e é sempre uma surpresa ver comunidades diferentes, suas carências e problemas básicos, como falta de informação. Eu acho que precisamos fazer mais por comunidades carentes, como geramos mais oportunidades para pessoas jovens, como desenvolvemos novas capacidades e habilidades para impulsionar empreendedores nesses ambientes mais pobres”, conta a jovem, mas acredita que fome, comida é um passo importante, mas tem que vir acompanhado de muitos outros.

Não existem balas de prata

Metrópoles como Nova York e São Paulo ou Paris trazem um problema sistêmico: a maior parte de seus cidadãos tende a se confinar em conchas e bolhas e a ignorar quase completamente as necessidades dos mais carentes. É um ciclo consistente que normalmente faz crianças sofrerem enquanto as pessoas perdem sua empatia e esquecem de que podem ajudar quem realmente precisa. Levar comida para quem precisa vai além de exercer humanidade, é acelerar a solução de problemas que já estão conosco há tempo demais. “De que adianta as brilhantes capacidades das pessoas que têm mais, de eventualmente fazerem algum trabalho voluntário e não exercerem o privilégio da vida que levam para realmente propor soluções que resolvam problemas reais?” pergunta a corajosa Haile. Mas segundo REgina não existem balas de prata para resolver questões complexas. É necessário trabalhar duro, trabalhar melhor, trabalhar bem e praticar a camaradagem, para que as pessoas possam fazer da diversidade um valor e um estado de compreensão que não discrimine ninguém, quem tem mais recursos, menos recursos, mais ou menos condições. “Os humanos são paradoxais e por isso precisamos aceitar todos como são, mas lutar para que possam se engajar na causa de quem precisa”, observa.

De todo modo, as variáveis que podem resolver a carestia estão conectados e mais do que nunca, as pessoas precisam compartilhar experiências, jornadas pessoas e histórias para formar redes que tenham a capacidade de fazer mais e ajudar a resolver problemas que. Minimizem a fome, a insegurança alimentar e propiciem uma vida sustentável para o máximo de pessoas. As discussões do SXSW levam alimento para a alma e a mente das pessoas, encorajam mais gente a a acreditar que os problemas podem ser resolvidos. Como diz Regina, “pessoas jovens têm urgência, vivem com mais intensidade e elas podem amplificar esse debate e trazer mais soluções reais mais rapidamente”. A energia de um evento como esse não precisa totalmente canalizado para as mídias sociais, mas para resolver problemas reais, assumir a liderança de causas que fazem a diferença no mundo. “No fim das contas, o que nós fazemos é o que conta. Não devemos esperar pelos governos, nós é que temos o poder da mudança”, concluiu a notável Haile Thomas, de maturidade impressionante para quem tem apenas 18 anos de idade.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]