Pesquisar
Close this search box.
/
/
Qual é a importância da transformação digital para o setor de varejo?

Qual é a importância da transformação digital para o setor de varejo?

Com o uso da tecnologia, empresas tradicionais podem reduzir custos e alcançar novos públicos. Mas esse é processo delicado e que precisa ser feito estratégicamente

Não é de hoje que ouvimos falar sobre transformação digital. Mas caso você não conheça o termo, vale uma breve explicação. A transformação digital consiste na estratégia de adotar novas tecnologias para solucionar problemas tradicionais. Uma empresa aplica a transformação digital, por exemplo, quando usa inteligência artificial para automatizar parte do atendimento ao cliente.

Mas as soluções nem sempre foram tão modernas. O movimento surgiu com a popularização da internet, na década de 1980. Nesse período, a transformação digital otimizou funções que hoje consideramos simples. Cálculos, redação de textos e até mesmo o marketing passaram a contar com suporte da rede.

A digitalização tomou proporções tão grandes que hoje é difícil encontrar um estabelecimento que não conte com o suporte de um computador, por exemplo. Mas as coisas iriam ganhar proporções ainda maiores com o surgimento da indústria 4.0 na última década.

Por um lado temos as startups. Pequenas empresas especializadas em tecnologia que produzem soluções cada vez mais inovadoras. Do outro, temos o aprimoramento e criação de novas ferramentas.

Por fim, temos a crise da Covid-19, que acelerou a tendência de digitalização que já tomava conta do mercado, obrigando diversos negócios a entrar nos ambientes virtuais. Essa visão é compartilhada por Leo Frade, CEO e cofundador da Aftersale – empresa que viu a transformação digital como oportunidade de negócios. “Antes da pandemia, a transformação digital era vista como uma oportunidade de redução de custos. Com a crise, isso deixou de ser algo ‘bacana’ para se tornar uma demanda urgente.”

Frade conta que, com a impossibilidade de atender seus clientes em ambientes físicos, a alternativa foi migrar para o cenário digital. Nele, os varejistas se encontraram com uma gama de problemas nos quais não haviam experimentado antes. Afinal, como otimizar as operações com uma equipe reduzida? A solução, como você já deve imaginar, foi a tecnologia.

Frade usa a Aftersale como exemplo de como, nesse novo contexto, a tecnologia pode servir como facilitadora para os negócios. “Criamos uma camada de tecnologia que permite que o consumidor faça todo o processo de trocas e devoluções sozinho, por meio de uma plataforma”, diz. Dessa forma, o processo de pós-venda seria otimizado, evitando possíveis falhas humana, trazendo agilidade e melhorando a satisfação do cliente.

Mas as possibilidades não param por aí. A já mencionada inteligência artificial é um exemplo disso, mas várias outras tecnologias, como o blockchain, ilustram bem as vantagens competitivas que a transformação digital pode trazer para uma empresa.

Novos tempos

Mais do que apenas a redução de custos, em muitos casos a transformação digital se mostra como um fator decisivo para a sobrevivência de um negócio. “Vivemos em um mundo em que tudo é ‘para agora’. Se você quer ver um filme, é só abrir um streaming no celular. Se você quer ouvir uma música, não precisa mais ir até uma loja e comprar um disco, é só abrir um aplicativo no seu celular.”

No varejo, o princípio é o mesmo. O consumidor que deseja determinado produto ou serviço vai o encontrar em questão de segundos no ambiente digital. Já as que não conseguirem prover a mesma agilidade tendem a ficar para trás. Ao aplicar a tecnologia em seu modelo de negócios, não apenas os gastos podem ser cortados como todo um novo público consumidor passa a ser acessível para a empresa. “Se indagar se sua empresa precisa de transformação digital é a mesma coisa que perguntar se a transição de charretes para carros no começo do século XX seria inevitável.”

Já temos exemplos de empresas que resistiram a esse movimento e se deram mal. Uma delas é a varejista norte-americana J.C. Penney. A empresa, que já sofria com a perda de clientes para o e-commerce, assinou um pedido de recuperação judicial em maio de 2020.

Como aplicar a transformação digital na sua empresa?

A ideia de aplicar a transformação digital pode ser vista com olhos desconfiados por executivos mais tradicionais. Afinal, durante esse processo, muitos erros podem acontecer. Frade conta que um dos principais é o fato de gestores estarem querendo seguir o exemplo de empresas como a Amazon. “Essas são empresas que já nasceram digitalmente, então o caminho que elas fizeram é diferente.”

Em contrapartida, empresas mais tradicionais possuem uma cultura corporativa e um modelo de gestão que muitas vezes não está preparado para suportar mudanças tão bruscas em tão pouco tempo. Nesses casos, ir com calma é a melhor solução.

Primeiramente, é preciso identificar qual é o principal problema a ser resolvido. Em seguida, uma boa alternativa para empresas que não possuem tradição digital é procurar prestadores de serviços que já possuem soluções prontas. O já mencionado exemplo das startups é um exemplo disso. “As empresas não precisam ‘construir tudo dentro de casa’, elas podem simplesmente procurar uma solução que já existe’, conta Frade.

Dessa forma, é possível poupar os custos que a empresa teria em organizar toda uma nova equipe e promover uma transição mais suave para os novos ambientes. Você ganha, o ecossistema de inovação também.


+ Notícias 

Investimentos em retailtechs triplicam nos primeiros meses de 2021 

Chinesas e norte-americanas dominam top 10 de unicórnios de e-commerce 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]