Pesquisar
Close this search box.
/
/
Na contramão: geração conectada anseia por momentos offline

Na contramão: geração conectada anseia por momentos offline

Pandemia acentuou valorização de experiências do mundo físico e micro momentos de paz nunca importaram tanto

Eles estudam pelo computador, conversam com os amigos – que muitas vezes nunca encontraram presencialmente – por meio de chats, fazem compras pela internet, pedem comida por aplicativo, se exercitam por meio de aulas gravadas e disponíveis em sites ou apps e até mesmo fazem terapia online. Desde que nasceu, a geração conectada, também conhecida como geração Z, está habituada ao uso da tecnologia para a realização de boa parte de suas atividades.

Apesar de parecerem obcecados com a tecnologia, pesquisas indicam que são as experiências offline que fazem o coração daqueles que estão na casa dos vinte anos bater mais forte. Eles querem se desconectar da obrigatoriedade da presença online e valorizam atividades tradicionais: querem se casar, ter filhos, encontrar um trabalho do qual gostem e sintam-se realizados e, é claro, priorizar a saúde mental.

Geração conectada: quem são, onde vivem, do que se alimentam?

Geração conectada, DigiZens, geração verde, iGen, geração Z, geração Ctrl Z. A variedade de nomes utilizados para se referir aos nascidos entre 1995 e 2010 – segundo a classificação norte-americana, também adotada pelo pesquisador social australiano Mark McCrindle, autor de The ABC of XYZ: Understanding the Global Generations – deixa transparecer uma característica muito importante deste grupo de pessoas: eles não são mesmo fáceis de rotular nem de definir.

Apesar de terem nascido em uma época de plena expansão tecnológica, com celulares, gadgets, computadores e smartwatches, de terem tido sua primeira foto – ainda na maternidade – instantaneamente ‘revelada’ por uma câmera digital, a geração conectada dá grande valor a questões tradicionais e anseia por experiências offline.

A pesquisa Me, My Life, My Wallet (Eu, Minha Vida e Minha Carteira) da KPMG, revelou que embora possa parecer que esta geração está obcecada com o digital, e é verdade que eles buscam o que há de mais moderno neste universo, em um mundo com a Covid-19, são os aspectos mais tradicionais da vida que importam: 92% estão aflitos com a economia, 79% querem ter uma casa e 66% se preocupam com o futuro e sucesso de seus filhos – que ainda nem existem, vale destacar.

Para este grupo, aliás, os relacionamentos e contatos são muito importantes. Uma pesquisa do grupo Consumoteca, intitulada Geração Ctrl Z, reforça essa constatação. De acordo com o estudo, 80% dos nativos digitais desejam ter filhos e 43% consideram casar ou ter um relacionamento estável como um indicativo de sucesso.

Outra característica desta geração é a conectividade entre vida on-line e offline. De acordo com a pesquisa do Consumoteca, 65% dos entrevistados afirmam que não existe diferença entre a rotina real e o que postam em suas redes sociais: suas atividades são registradas o tempo todo, sendo que não existe uma separação clara e bem definida entre público e privado, online e offline.

E mais: para a geração conectada, opinar sobre um assunto em alta é uma forma de ganhar visibilidade em um cenário de constante disputa por atenção, por isso, não raramente se veem obrigados a se posicionar diante das mais variadas questões.

“A geração nativa digital se insere na vida pública via plataformas digitais. Por ali se posicionam politicamente, afetivamente, profissionalmente e ainda se divertem. Por isso, criam uma relação de segurança, em que se sentem mais seguros para expressar suas opiniões quando o posicionamento é mediado por telas. Prova disso, é que detestam falar no telefone em conversas discadas”, explica Marina Roale, head de pesquisa do Grupo Consumoteca.

Porém, o medo de falhar e de omitir opiniões ‘erradas’ somado ao sentimento de cobrança e pressão por presença e posicionamentos online levam ao contínuo estado de perturbação, que desencadeia em ansiedade.

“Por outro lado, também criam uma relação de dependência sensível com o mundo digital, pois sentem pressão social para estar ali, se posicionar e estar sempre gerando e consumindo conteúdo para que exerçam sua identidade”, pontua Marina Roale.

A necessidade de se desconectar para preservar a saúde mental

A pandemia acentuou o uso de tecnologia para todas as gerações. Se os baby boomers – nascidos entre 1946 e 1964 – tiveram de se adaptar ao uso da internet para fazer compras e resolver burocracias, os nativos digitais passaram a permanecer ainda mais tempo conectados, com aulas online e tendo o meio como única forma de interação com os colegas.

E é justamente essa intensificação do uso tecnológico que tem feito as gerações conectadas buscarem por mais experiências offline, priorizando a saúde mental e o relacionamento humano não mediado.

“Tudo em excesso cansa, né? À medida que a tela deixa de ser só o lugar de expor opiniões, fotos e se divertir, mas também invade estudo e trabalho, entramos numa certa saturação com telas e excessos de estímulos audiovisuais”, reflete a head de pesquisa do grupo Consumoteca.

A explicação, segundo Marina Roale, tem a ver com a natureza biológica do ser humano. “Não importa o quanto a tecnologia evolua, ainda somos humanos e vivenciamos este mundo a partir de cinco sentidos. No mundo digital, ficamos suscetíveis a dois deles: audição e visão. Mas isso não basta para nos sentirmos vivos. O toque, o olfato, o paladar e o combo de experiências com o mundo físico também são necessidades humanas”, analisa a head de pesquisa, que cita o número de pessoas adotando pets e plantas como uma prova dessa necessidade de estímulos.

Com o isolamento social trazido pela pandemia, essa necessidade se tornou ainda mais latente. “O que a pandemia fez foi potencializar essa saturação de telas e vida audiovisual – que apesar de possibilitar conexões incríveis da mente, também cansa o corpo.  Vale reforçar que mesmo a geração nativa digital, que nasce em um mundo conectado e dominado por essas ferramentas, sempre valorizou as experiências do mundo físico”, reforça.

Marina Roale destaca ainda que a valorização do offline atinge hoje todas as gerações por questões circunstanciais da pandemia, sobretudo os que respeitam os protocolos de segurança. “A vida conectada tem sido a alternativa viável, mas cansativa. Porém, cada geração vem vivenciando essa saturação de uma maneira. Enquanto os baby boomers resgatam receitas de família na cozinha, a geração Z cai dentro dos rituais do skincare”, compara.

Poder se desconectar é luxo – e também oportunidade para as marcas

Afirmar que não estar conectado é um luxo pode soar um pouco contraditório, afinal, 46 milhões de brasileiros não têm acesso à internet, segundo pesquisa TIC Domicílios, realizada pelo Centro Regional de Estudos para Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic) em 2019. Porém, para quem é obrigado a estar online cem por cento de tempo, desconectar-se pode, sim, ser um privilégio.

“À medida que estar online se torna algo mandatório – para se trabalhar, pagar contas e se comunicar – a possibilidade de desconexão enquanto escolha se torna, sim, uma espécie de privilégio. Na realidade, o que surge como luxo são rituais de desconexão, não uma vida sem wi-fi”, pondera Marina Roale.

Os rituais de desconexão, aliás, são uma excelente oportunidade para marcas que querem conquistar a preferência e se tornarem as queridinhas da geração desconectada.

“É importante pensar que seus consumidores andam desejando em rituais de descompressão e poder ser uma marca parceira desse momento. Fica aí um desafio interessante: no meio desse excesso de estímulos e notificações push, como você ajuda a proporcionar momentos de menos ansiedade? Agora que perdemos nossos grandes rituais como casamentos, formaturas e aniversários, micro momentos de paz nunca importaram tanto”, finaliza a head de pesquisa da Consumoteca.


+ Notícias 

Empatia assertiva, mas sem perder a ternura 

Como a pandemia afetou o plano e carreira dos brasileiros 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]