Pesquisar
Close this search box.
/
/
A folia estatística

A folia estatística

Qual a relação entre o Carnaval e a análise estatística brasileira? Confira em artigo exclusivo do diretor-executivo de Conhecimento do Grupo Padrão

Não sou nem de longe apreciador do Carnaval. Vejo essa época de folia com desinteresse e calculada distância, para dizer o mínimo. Mas sempre me chama a atenção um detalhe em meio aos blocos, desfiles, bagunças e sambas: as apurações das avaliações das escolas em São Paulo e Rio de Janeiro. Especificamente, me refiro às diferenças entre uma campeã e uma vice-campeã dos desfiles nas duas cidades: coisa de 0,1 para cá, 0,1 para lá, e temos então a escola que verá seu, por assim dizer, esforço, reconhecido. Ou então, um ano de trabalho perdido com um rebaixamento decidido na casa decimal. A diferença entre uma escola campeã e a quinta colocada pode nem passar de 1 ponto entre 300 possíveis.

À parte, o fato de ser completamente neófito na avaliação de escolas de samba – vejo apenas uma repetição sem fim de enredos que giram em torno de 100 palavras, alegorias suntuosas, mas cafonas, e um mar de pessoas andando para frente em roupas coloridas, sem dançar coisa alguma, salvo alguns dotados de maior talento acrobático – espanta-me ver como é possível decidir a sorte dessas agremiações – que trabalham intensamente, com dedicação e amor incondicionais – decidida por décimos, por jurados que demonstram cuidado imenso para conferir nota 9,9 para uma alegoria de uma escola e 10,0 para a alegoria de outra. Como é possível, subjetivamente, dizer que há diferença de 0,1 entre uma escola e outra? Seriam as escolas tão qualificadas e notáveis que a diferença entre elas, após seus desfiles, é milimétrica?

Vou mais longe: o Brasil é notadamente um país avesso às estatísticas. Já tivemos presidente que dizia que inflação na meta era aquela que ficava 0,01% do limite superior de 6,5% (ou 2% acima dos 4,5% indicados como centro da meta) estipulado pelo Banco Central. E que ainda dizia que após definir uma meta, dobraria a dita cuja…  Essa aversão às estatísticas está no dia a dia das empresas, na projeção de indicadores, na dificuldade em analisar dados, pesquisas e gráficos, para compreender o que os números mostram e escondem. Quantos empreendedores não quebram a cara justamente por desprezarem as estatísticas que mostram o quanto seus negócios carecem de viabilidade? E justamente no Carnaval, a exaltação da folia, da alegria e da brincadeira, vemos jurados empenhados em atribuir diferenças de 0,1 nas fantasias, na coreografia de mestres-salas e porta-bandeiras ou na evolução de escolas de samba.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Não consigo acreditar que haja diferenças tão precisas entre as protagonistas dos desfiles. Não vejo como a matemática pura possa estabelecer diferenças e parâmetros claros para visões subjetivas. Na busca pela redução dos eventuais danos representados pela subjetividade, a apuração prevê 4 jurados para cada quesito, eliminando a nota mais baixa. Ainda assim, é curioso verificar que os jurados votam quase sempre em ordem unida, jamais considerando uma nota 9,5 ou 8,9 ou 7,7 para qualquer quesito. Se eles indicam apenas notas 10,0; 9,9 ou vá lá, 9,8 em casos extremos, por que então não dar apenas notas de 1 a 3? Se não existe variação brutal entre as escolas e os critérios de avaliação, por que considerar notas de 0,0 a 10,0, com variação decimal?

Dizer que a escola “X” ganhou o Carnaval por “0,1” é reportar como estatisticamente válido que um conjunto imenso de variáveis, submetidas à impressão sensorial e subjetiva de um corpo de jurados, apresentou igualdade técnica em praticamente todo o desfile, com um desvio decimal em favor de um em relação a outro.

Imaginem esse cuidado estatístico em outros aspectos da nossa vida cotidiana: vamos inferir precisão digital para avaliações subjetivas. Vejam: avaliar o desfile de Carnaval não é como corrigir provas de matemática ou português. Não existe uma receita infalível para fazer uma escola vencedora. Ao contrário, as avaliações dos jurados são suscetíveis a vieses comezinhos. O fato da Beija-Flor de Nilópolis vencer 9 edições do Carnaval do RJ nos últimos 15 anos, deve-se, em larga medida, ao fato da agremiação se apresentar sempre às segundas-feiras, e sempre como uma das últimas a entrar na avenida.

O viés da ancoragem condiciona o jurado ser mais condescendente com esta escola do que com as outras. Este ano mesmo, ela encerrou o desfile. Então temos uma escola que quase sempre é campeã encerrando o desfile e despertando nos jurados um viés no qual suas notas são sempre mais altas. Algo como: “na dúvida, vote na Beija-Flor”. A memória recente condiciona o voto e claramente polui a apuração.

E assim, caminhamos na avenida curtindo essa folia estatística, onde um evento como o Carnaval se perde nas casas decimais e o país que trabalha no restante do ano, escolhe onde montar lojas contando consumidores nas esquinas e lançando produtos e serviços com base na intuição. Em ambos os casos, somente desprezamos a experiência do consumidor e do cidadão.

Esse paradoxo tem tanta chance de dar certo quanto somar 2+2 e obter um resultado igual a 5…

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]