Pesquisar
Close this search box.
/
/
A ética concorrencial e o propósito das empresas

A ética concorrencial e o propósito das empresas

Qual a importância da sua empresa para o mundo? Confira análise de Luís Fernando Guggenberger a partir do eixo governança da agenda ESG

Se as portas de sua empresa fossem fechadas, que falta ela faria para o mundo? Esta pergunta é poderosa e dispara uma série de reflexões para debatermos a razão de existência do negócio.

É a partir dela que surge a nova onda pela qual vemos as empresas surfarem, entendendo que a sua sobrevivência dependerá da conexão com as gerações existentes e as seguintes. Essa conexão não acontece com marcas que possuem uma ambição operacional, em torno de seu próprio umbigo, como “ser a maior petroleira da América Latina”, por exemplo, mas sim com as que se importam com o impacto que promoverão na vida humana e no meio ambiente.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Atrelada a essa ressignificação da existência das empresas, surge a agenda ESG, que repagina a jornada de sustentabilidade e reorganiza os pilares de atuação ambiental, social e de governança colocando, senão no centro, ao menos em um pilar da estratégia dos negócios. E nesta sopa de letrinhas, chamo a atenção para o “G” das empresas.

O eixo da Governança

O termo Governança remete para muitos leigos a burocratizar, engessar as empresas, o que não é verdade. É sim um novo jeito de organizar e endereçar temas que criam debates constantes nos boards e conselhos de administração, que regem o contrato estabelecido entre empresa e sociedade, buscando equilibrar a tomada de decisões baseadas nos stakeholders e não mais nos shareholders.

Neste sentido de governança, o campo da ética nos negócios é visto atentamente sob a lupa do compliance. Mas, em tempos de VAR no futebol, as redes sociais passam a ocupar este espectro do apoio e vigilância do comportamento das marcas no campo de jogo, onde tudo o que é dito e realizado em qualquer jogada é monitorado e julgado pelo árbitro, que no caso das companhias é a sociedade.

Por mais que existam departamentos específicos para cuidar da gestão do tema internamente, com procedimentos e normas, ainda assim é muito possível escapar das mãos destas áreas, pois no final do dia temos no meio da equação o que mais importa: seres humanos e não máquinas.

Proponho então iniciarmos algumas reflexões. Por exemplo: de que vale construir um propósito transformador massivo, conceito difundido pela Singularity University nos EUA, se ao mesmo tempo a empresa continua a ter práticas ilegais de concorrência no mercado?

Inúmeros têm sido os exemplos de casos de empresas que afastam colaboradores e executivos por essa natureza de problemas, tais como a prática bem conhecida do pagamento de propina para agentes governamentais. O que pouco se discute neste campo é a prática ainda existente de que para conquistar um determinado mercado a todo o custo, as companhias pagam algum tipo de propina.

Um exemplo clássico é para aumentar as vendas em uma loja de determinada marca é dado ao balconista um percentual da venda do produto, ou então aparelhos celulares sofisticados quando este atinge as metas de vendas. Veja, se o produto não se sustenta pela sua performance, poder de atração da marca, competividade de preço, qualidade de estratégia e execução de campanhas de comunicação, mas sim pelo pagamento de propina para um influenciador, o lojista neste caso, “hummmm… Houston we have a problem”.

Também podemos observar nas redes sociais como são copiadas as campanhas dos concorrentes, desde o ponto de vendas com embalagens muito similares a até mesmo o nome de produto ou da marca para ludibriar e confundir o consumidor em seu impulso de compras. É como assinar um atestado de que a empresa em questão não se garante com suas próprias qualidades.

Isso tudo sem falar no campo dos fornecedores, onde vemos, por exemplo, agências de comunicação praticando o “faça o que eu falo, mas não o que eu faço”. Tentam convencer empresas sobre o propósito e impacto de suas marcas, ao mesmo tempo que possuem em seu portfólio clientes de setores que promovem impacto negativo à vida humana, como armas, bebidas, cigarros entre outros.

Cabe aqui então refletirmos sobre quais são os limites das relações das empresas que declaram espontaneamente em sua razão de existência promover impacto positivo para o planeta e sociedade versus as suas práticas no campo concorrencial. Como eu disse, em tempos de VAR, as redes sociais são a fonte de monitoramento e julgamento das marcas. O propósito precisa ser genuíno para que a sociedade acredite e caminhe junto para alcançá-lo.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

*Por Luís Fernando Guggenberger, executivo de Marketing, Inovação e Sustentabilidade da Vedacit.


+ Notícias

ESG e consciência ambiental: baixa no mercado e otimismo da sociedade 

Como a sustentabilidade tem influenciado o varejo de vestuário 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]