Pesquisar
Close this search box.
/
/
Entramos na Era da IA generativa

Entramos na Era da IA generativa

Tecnologia avançou de tal modo que criou-se um ambiente de colaboração entre humano e máquina.

A IA generativa veio para romper paradigmas e transformar o conhecimento que se tinha até então das capacidades da inteligência artificial, pois seu conceito baseia-se na possibilidade de se autoinstruir, ou seja, ela se alimenta e aprende a partir dos próprios dados que gera.

Além disso, segundo Ricardo Cappra, pesquisador de cultura analítica, autor e fundador do Cappra Institute for Data Science, houve um avanço tecnológico importante, em que foram incorporadas as técnicas de Large Language Model (LLM) e Foundation Model, que é um acelerador na forma como se lidava com redes neurais de computadores: eles não só quebraram o código da complexidade da linguagem, capacitando máquinas a aprender contextos, a inferir intenções e a ser criativas de forma independente, como também podem ser rapidamente ajustados para uma ampla gama de diferentes tarefas.

Isso significa que os sistemas de IA têm uma capacidade de criar conexões muito mais complexas, expandindo o potencial dessa inteligência.

“O fato da existência dessas máquinas mais poderosas com essa capacidade de se autoinstruir impacta radicalmente o funcionamento da sociedade e das organizações, uma vez que esses sistemas assumem um papel não mais de coadjuvante na realização de determinadas tarefas, podendo, muitas vezes, ser protagonistas”, explica o especialista.

“No Cappra Institute já estamos estudando esse movimento AI-Driven (humanos orientados por inteligência artificial), para compreender os reais impactos nos negócios e no funcionamento da sociedade”, exemplifica.

IA generativa: avanços recentes e impacto social

O progresso registrado pela tecnologia de IA leva a sociedade para um cenário quase utópico, já que muitas das publicações de marcas, que os humanos estão lendo em suas redes sociais digitais, já são geradas por IA generativa, e é muito difícil distinguir se produzido por pessoas ou máquinas.

Outro exemplo ocorre nas escolas, onde alunos que já realizam muitas das tarefas utilizando-se dessas tecnologias, sem que o professor consiga perceber.

Isso ocorreu, porque o ChatGPT fez o mundo acordar para o potencial transformador da IA generativa, despertando a atenção global e impulsionando uma onda de criatividade.

“A IA Generativa pode ser um grande recurso para cocriação, amplificando as possibilidades humanas em razão dos cruzamentos de informações e hipóteses que essa tecnologia é capaz de realizar em altíssima velocidade. Todos os setores serão afetados”, afirma Ricardo Cappra.

 

Recentemente, rostos e corpos de artistas figurantes foram escaneados para serem reutilizados na indústria do cinema. A partir disso, os figurantes podem ser inseridos em filmes sem a necessidade de participarem das gravações.

Já em relação aos principais benefícios e oportunidades que a era da IA generativa oferece para empresas e pesquisadores, o pesquisador de cultura analítica, autor e fundador do Cappra Institute for Data Science conta que, com sistemas inteligentes avançados, como no caso da IA generativa, crescem exponencialmente as possibilidades lidar com informação, e isso muda tudo.

“Imaginando que pesquisadores levam anos para ler e consumir determinados conteúdos, e que o mesmo pode ser absorvido pela máquina em segundos, poderia o especialista “interrogar a máquina”, localizando imediatamente sua referência no texto principal, aperfeiçoando o tempo gasto nessa tarefa”, reflete.

“No campo dos negócios, que fundamentalmente lida com cada vez mais informações, a capacidade humana de qualificar e analisar esses dados já não é mais o suficiente, então a IA generativa pode ocupar esse espaço de assistente, ou copiloto”, acrescenta.

Dessa forma, para o profissional, é possível imaginar o humano como piloto de qualquer atividade intelectual, e a máquina como um copiloto, criando uma inteligência aumentada a partir dessa fusão.

As vantagens para a experiência do cliente

A IA Generativa tem uma capacidade praticamente infinita para realização de simulações, testes de hipóteses e análises de cenários em milésimos de segundos.

É possível, por exemplo, solicitar a criação de uma grande quantidade de personas aleatórias, com comportamentos e hábitos distintos entre elas, e pedir para a máquina simular essas personas navegando em sites da internet e realizando compras.

A partir da construção dessa base de conhecimento, posso cruzar essas informações com dados reais, e então identificar os padrões, o que levaria muito tempo para identificar se dependesse da experiência real do usuário.

“Todo o ambiente de relacionamento com clientes ou usuários pode ser um laboratório de experimento de negócio quando temos dados, mas com a IA Generativa esses experimentos ganham vida própria”, salienta o pesquisador de cultura analítica, autor e fundador do Cappra Institute for Data Science.

É necessário encarar desafios éticos

Quando esse tipo de tecnologia avança tão rápido, como a IA generativa, é muito difícil determinar quais são os reais obstáculos e principais implicações éticas – mas eles existem. Desse modo, fica-se, então, muito no campo das hipóteses, e isso obviamente gera insegurança, mas é certo é que levará muitos anos para compreender e adaptar o sistema social a conviver com esse tipo de tecnologia.

Dando como exemplo o debate sobre privacidade dos dados de usuários, desde 2004 o Facebook coleta dados de usuários e utiliza isso para aprimorar seus produtos e gerar receita. E somente agora, em 2023, esses debates sobre o assunto começam a ser mais consistentes, gerando questionamentos éticos que acabam por estabelecer novas leis.

“A IA generativa está nascendo agora, então primeiro precisamos entender e aprender como ela realmente funciona, para trabalhar naquilo que realmente afeta a sociedade. Isso não significa deixar para depois, mas considerar que, para qualquer análise de desafios e questões éticas, é fundamental ter conhecimento do assunto. Precisamos começar por esclarecer e educar a sociedade sobre o tema para realizar debates mais consistentes”, finaliza Ricardo Cappra.

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]