Pesquisar
Close this search box.
/
/
Setor de educação vivencia mudanças com os avanços tecnológicos

Setor de educação vivencia mudanças com os avanços tecnológicos

Além do sistema remoto de aulas, gamificação e aprendizagem adaptativa são introduzidas gradualmente no segmento de educação brasileiro

Carteiras enfileiradas, lousa e giz e um modelo pedagógico tradicional, centrado em aulas expositivas e padronizadas… Se você reconhece este ambiente, certamente já se formou há um bom tempo, não é mesmo? Isso porque o setor da educação vem passando por inúmeras mudanças e, hoje, assim como os demais segmentos que envolvem a vida em sociedade, é influenciado pelas transformações tecnológicas.

Para se ter uma ideia, 85% das escolas particulares de ensino infantil têm acesso à internet, conforme aponta o Censo Escolar de 2020. Além disso, segundo um levantamento realizado em 2017 pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), entidade ligada ao Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI), 61% dos professores de escolas particulares do país disponibilizaram conteúdos na internet para os alunos, enquanto que 66% tiraram dúvidas dos estudantes por meio de recursos tecnológicos. Ademais, 53% deste grupo de professores de rede privada afirmaram que receberam lições por meio da internet e 60% utilizaram programas educativos de computador junto aos estudantes.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Disparidade entre ensino público e privado é evidente
no âmbito tecnológico

Apesar disso, é válido lembrar que o avanço da digitalização do ensino revela disparidades entre as escolas particulares e públicas, principalmente ao longo da pandemia. Segundo o Cetic, quase 95 mil escolas brasileiras municipais, estaduais e federais apresentaram dificuldade em realizar as atividades acadêmicas durante as aulas remotas. Ainda de acordo com o levantamento, dentre as principais restrições enfrentadas pela rede pública, estão: falta de computadores e celulares; falta de acesso à internet; e falta de familiaridade dos professores com os aparelhos tecnológicos.

Nesse sentido, em meio ao constante avanço tecnológico no setor educacional e aos problemas atrelados à desigualdade de acesso à internet, surgem os questionamentos: quais são as principais mudanças vivenciadas pelos estudantes nativos tecnológicos? Será que tais transformações no formato de ensino impactarão na formação e nos comportamentos dos alunos?

Para o diretor executivo e professor da Plataforma de EAD Professor Ferretto, Michel Henri Arthaud Jr., uma das alterações mais visíveis nos últimos anos tem sido o sistema de ensino híbrido: “hoje nós já temos uma mescla extremamente efetiva e benéfica do online com o presencial. Enquanto este último permite um contato maior com as pessoas, o primeiro garante maior flexibilização de tempo aos estudantes, que podem estudar nos horários mais adequados a sua rotina”, inicia Michel Henri, que acrescenta: “além disso, com a tecnologia, passamos a ter a gamificação do ensino, feito de uma forma mais lúdica e interessante. Com a modificação da BNCC (Base Nacional Curricular Comum) e a introdução das ferramentas digitais no ensino, é possível apresentar os conteúdos de química, biologia e matemática, por exemplo, de maneira mais didática, mais próxima ao nosso dia a dia”, aponta.

Conheça o Mundo do CX

Aluno vira protagonista no processo de aprendizagem

Segundo a especialista pedagógica da rede Luminova, Écia Maria Rubini Sales, tais reformas na rede de ensino pública e particular quebraram paradigmas e permitiram que os alunos ganhassem o protagonismo no processo de aprendizagem: “muitas escolas, como a Luminova, já possuem espaços diferenciados para promover a colaboração e trabalham com Metodologias ativas, onde o papel do aluno ganha um novo significado. Sala de aula invertida, aprendizagem baseada em projetos, gamificação e aprendizagem adaptativa já fazem parte da realidade do cotidiano escolar e vêm ganhando mais destaque na forma de aprendizagem”, comenta a profissional.

Com isso, Écia explica que é possível romper com a metodologia meramente transmissiva, onde o aluno reproduz o que o professor disse, e introduzir este novo formato de ensino com o auxílio da tecnologia: “o jovem ‘moldado’ no modelo de ensino tradicional, muito provavelmente, ao ingressar no mercado de trabalho terá dificuldades em realizar suas funções, principalmente se exercer cargos de gestão de liderança, vez que não terá tido a oportunidade de, no âmbito escolar, ter vivenciado experiências de mediação, de colocar suas hipóteses em xeque e, talvez o mais delicado, ter sido tolhido da interação com o outro, vez que somente vivenciando é que conseguimos desenvolver a empatia e com isso pensar no coletivo”, aponta a especialista pedagógica.

Ainda com relação aos meios de aprendizagem com o surgimento de instrumentos tecnológicos, o co-ceo e co-founder da Park Education, Paulo Arruda, afirma que “o ambiente de aprendizagem se tornou onipresente desde o início da pandemia. Conseguimos testar muitas soluções e entender o potencial do ensino a distância nos seus diversos formatos síncronos, assíncronos, online e híbrido, por exemplo.

Há muitas competências que podem ser desenvolvidas de forma efetiva à distância e precisamos ampliar a aplicação. Por outro lado, as organizações educacionais estão começando a entender que é necessário estabelecer relações de colaboração tanto entre os membros da própria organização quanto entre as diversas organizações para que possamos oferecer aos jovens uma diversidade de conteúdo e aulas de elevada qualidade de forma abrangente”

Para além das questões tecnológicas, o professor e coordenador dos cursos de Administração e Gestão Financeira da Faculdade FIPECAFI, Luiz Guilherme Rodrigues Antunes, afirma que a educação, de forma geral, necessita de uma adaptação sistêmica. “Conhecendo o sistema educacional e a proposta o qual foi desenvolvida, acho que ela tem aspectos bem interessantes e necessários para sociedade como um todo. Entretanto, a adaptação da educação precisa ser repensada sob vários aspectos, o qual acho essencial. Primeiro pela necessidade de políticas públicas e legislação que embase a transformação digital. Essa mesma política pública e legislação precisa garantir os investimentos educacionais básicos e a compra de equipamentos tecnológicos”, inicia o professor da FIPECAFI.

“Segundo, precisamos pensar na capacitação de professores e dirigentes, a fim de estabelecermos métodos (aqui entram as metodologias de ensino-aprendizagem mediadas pela tecnologia), processos e cultura digital. Por fim, precisamos pensar no nosso público. Pela extensão territorial, termos povos diversos, com diferentes juventudes. Por exemplo, na educação básica pública observamos a falta de infraestrutura básica, o que impossibilita a inserção tecnológica digital, uma vez que, em localidades socialmente vulneráveis, ainda temos estudantes que vão à escola em busca de alimento. De nada adiantaria, portanto, a digitalização nestes casos, visto que estudos relatam que o potencial de aprendizagem destes indivíduos é reduzido drasticamente, mesmo com metodologias ativas”, finaliza Luiz Guilherme Rodrigues Antunes.

E como fica o metaverso no ambiente educacional?

Finalmente, quando questionados sobre a influência do metaverso na educação, os profissionais da educação apresentam pontos de vista similares quanto aos rumos deste novo universo nas salas de aula: “a possibilidade de criar realidades virtuais para simular ambientes diversos e coabitar esse mundo paralelo por meio de avatares será muito enriquecedora para nossos estudantes”, aponta Écia Maria Rubini Sales.

Luiz Guilherme Rodrigues Antunes, por sua vez, lembra que algumas práticas já associam o metaverso ao campo da educação, como é o caso da criação de jogos virtuais com enfoque em objetivos pedagógicos. “Alguns resultados de pesquisa têm sido promissores nesta vinculação. Por exemplo, já se observou que o nativo digital tem maior tendência de interação em ambientes virtuais como Second Life. Também já foi verificado que os laboratórios e ambientes virtuais e de interação proporcionaram aprendizagens semelhantes às reais, bem como incentivaram a colaboração e comunicação entre os alunos”, enfatiza.

Já o professor de economia do bem-estar e desenvolvimento Infantil da Universidade de Zurique e sócio-fundador da Movva, Guilherme Lichand, ressalta que a inserção de óculos de realidade aumentada no ambiente escolar aumentam as interações dos alunos com ambientes distantes a eles e auxiliam no processo de ruptura das bolhas culturais, sociais e econômicas: “a tecnologia pode contribuir para processos pedagógicos inclusivos, que coloquem o aluno como protagonista”, explica. Apesar disso, o acadêmico deixa bem claro que tais tecnologias, normalmente restritas aos alunos de escolas particulares, podem aumentar ainda mais as desigualdades entre as instituições públicas e privadas.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

Customer Centric em empresas do segmento de educação superior

Inteligência artificial e apps de mensagem: o desafio do atendimento moderno 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]