Pesquisar
Close this search box.
/
/
Os 4 dilemas que explicam nossa relação com o tempo

Os 4 dilemas que explicam nossa relação com o tempo

O antropólogo Michel Alcoforado explica como grandes eventos mudaram nossa percepção de tempo e como o usamos. Ele lista 4 dilemas da sociedade atual

*Fotos Rafael Canuto

A relação das pessoas com o tempo muda de acordo com o contexto em que estão inseridas. Em sociedades tradicionais, o tempo era visto como algo repetitivo e não cumulativo. Ou seja, as pessoas fariam a mesma atividade durante anos sem se incomodar com isso e o tempo de experiência no desempenho daquela função não era tão importante quanto é hoje, quando medimos a competência dos indivíduos pelo tempo de experiência.

Alguns marcos históricos mudaram nossa relação com o trabalho e, consequentemente, com o tempo. Quando a revolução industrial eclodiu, as fábricas controlavam o tempo dos funcionários dizendo, com apitos, a hora de trabalhar, de almoçar e ir para casa.

Mais para frente, o fordismo trouxe a lógica de trabalho da divisão da vida dos colaboradores em terços – um para trabalhar, outro para dormir e restante para fazer o que quiser. Na década de 80, com a revolução digital, tudo se fez novo.

Durante palestra no primeiro dia de Whow! Festival de Inovação, Michel Alcoforado, antropólogo e fundador da Consumoteca, explicou como as plataformas digitais dão a sensação de “basta” para tudo. As pessoas se sentem cansadas de seus empregos, casas e cursos.

tempo

Coletivo x Individual

Há uma tensão entre indivíduo e sociedade, segundo o antropólogo. De um lado, os consumidores têm a impressão de que podem fazer tudo o que quiserem, na hora que quiserem – existe um perfil só daquela pessoa nas redes sociais, um login só dela no computador e ela pode pedir uma refeição, pegar um táxi e comprar o que quiser.

Do outro lado, uma sociedade que vigia cada passo do indivíduo. Com os algoritmos, as empresas medem como os consumidores se comportam e os colocam em caixas, mostrando sugestões conforme o comportamento médio do grupo onde você se encaixa. A liberdade é vigiada.

“Agora o indivíduo se sente muito poderoso, mas, ao mesmo tempo, o coletivo se impõe”, diz Alcoforado. Ele afirma que em nenhum outro momento da história da humanidade coletivo e individual estiveram tão empoderados.

É para ontem

Toda essa tensão gera no indivíduo a necessidade de usar melhor seu tempo.  Assim, os mais velhos têm mais paciência que os nativos digitais, que têm mais paciência que seus filhos. Assim, a lei do imediatismo se perpetua sem ser questionada.

Se antes esperar por um táxi por 20 minutos era normal, hoje qualquer espera acima de dez minutos é inaceitável.

Vamos pegar como exemplo o Teste do Marshmallow, um dos mais famosos experimentos sociais. Basta colocar um marshmallow na frente de uma criança com a promessa de dar a ela outro se conseguir esperar até o adulto voltar. Dizer que o número de crianças que conseguem esperar para ter dois marshmallows caiu é apenas protocolo.

Para o antropólogo, é preciso entender quatro dilemas da sociedade atual para saber por que o imediatismo é regra. Saiba quais são, nas palavras do Michel Alcoforado:

1 – Lugar certo na hora certa

A busca pelo instantâneo está atrelada a uma construção de uma história de vida. Nos dizem que devemos estar no lugar certo na hora certa, mas ninguém diz onde é o lugar certo, nem a hora certa.

Antigamente as pessoas sabiam o que deveriam fazer da vida: crescer, casar, comprar um apartamento, ter filhos e se aposentar. O curso da vida estava desenhado e os indivíduos sabiam se conseguiriam ser o que a sociedade esperava deles ou não.

Com as plataformas digitais a vida se transformou em uma loucura. A grande sacada é que você pode fazer o que quiser no momento que quiser. Isso traz um peso gigantesco já que as pessoas têm a oportunidade de escolher e sempre precisam fazer a escolha certa.

E para criar seu projeto de vida, é necessário, segundo a sociedade, encontrar sua paixão, definir o que te faz feliz. Uma criança de 12 anos com propósito pode virar CEO, enquanto outra de 40 anos sem propósito vai fracassar.

2 – Meu tempo é agora

Facebook e Instagram falam que a grama do vizinho é infinitamente mais bonita que a minha. Alguém que acaba de voltar de viagem e vê outras pessoas viajando pode pensar que viaja pouco. Perdemos a capacidade de medir temporalidade.

A partir daí, começamos a levar em consideração o custo de oportunidade em tudo que fazemos. Toda escolha que eu faço eu começo a levar em consideração a escolha que renunciei. Antigamente era mais fácil, mas hoje os custos de oportunidade são cobrados da gente a cada minuto.

Isso traz um peso gigantesco porque a todo tempo queremos fazer a melhor escolha. Jovens da Geração Z estão vivendo a loucura da tortura das redes sociais. As pessoas não mostram como chegaram até lá, só mostram onde estão. Isso dá a impressão de que há atalhos. Quantas pessoas estão ganhando dinheiro por aí com autoajuda?

3 – Medo do futuro

Antes a vida estava mais ou menos planejada. Hoje você não sabe mais se vai se aposentar. Esse futuro cheio de medo nos dá a necessidade de voltar para o passado. Há uma busca insana para voltar para o passado. Afinal, a infância é a fase que menos nos preocupamos com o futuro.

Uma pesquisa da Consumoteca com latino-americanos mostra que 61% dizem que quando o presente é muito incerto é bom relembrar o que foi vivido no passado e 49% afirmam que se lembrar do passado é um escudo para enfrentar o futuro.

4 – Faça bom uso de seu tempo

Você é obrigado a fazer bom uso do pouco tempo que tem. Você tem aplicativos que ajudam na sua produtividade e a comparam com a de outras pessoas na sua idade. As pessoas vivem se comparando com outras que, na teoria, gastam bem o tempo que têm para si.

Esse jogo traz dificuldades permanentes para nós. De um lado existe gente com tempo, mas sem dinheiro. Do outro, pessoas com dinheiro, mas sem tempo.

A partir nasce a economia compartilhada. Aplicativos como o Rappi colocam milhares de pessoas a disposição de quem pode pagar mais. Mas a economia que era para ser ótima acabou precarizando as relações de trabalho e bagunçando nossa relação com o tempo.

Portanto, entender o momento pelo qual passamos e seus dilemas é importante para mudar nossa relação com o tempo. Perseguir menos o imediato e ter mais paciência nos ajudará a dar um passo atrás e enxergar com clareza o que está acontecendo na sociedade.

tempo

tempo

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]