Pesquisar
Close this search box.
/
/
A sutil diferença entre vir ao mundo a passeio ou fazer a diferença

A sutil diferença entre vir ao mundo a passeio ou fazer a diferença

Vivemos uma espécie de letargia que nos "impede" de reagir às barbaridades do mundo real? Confira a opinião da colunista Evelyn Rozenbaum

Lendo a excelente biografia de Z. Bauman, brilhantemente escrita por Izabela Wagner, fiquei muito emocionada durante toda a leitura. Não só pelo imenso respeito e admiração que tenho por ele e toda sua obra, pelas raízes judaícas polonesas que compartilhamos e a relação com esta identidade e universo, mas também pela enorme contribuição deste imortal para o mundo cada dia mais líquido.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Dentre muitas, uma passagem em particular não me deixou prosseguir a leitura sem uma longa pausa e muita pesquisa, reflexão, sofrimento e empatia. Quando ele leu o livro “Inverno na Manhã: Uma jovem no gueto de Varsóvia”, publicado em 1986 e considerado um dos melhores testemunhos do holocausto, escrito por sua esposa Janina Lewinson-Bauman, quando ela se deu conta de que com a morte de sua mãe e irmã, tudo o que passou durante o holocausto na Polônia com as três seria perdido para sempre quando morresse.

“Percebeu que não havia mais ninguém que pudesse contar a história de como haviam sobrevivido à guerra, algo que ela via como um dever seu”. (Bauman, uma biografia; pág. 439)

Bauman sobreviveu ao holocausto tendo fugido com seus pais, no final de 1939, para a União Soviética e então se incorporado ao exército como oficial polonês. Bauman foi uma testemunha do holocausto, não um sobrevivente. Janina apenas começou a falar com Bauman sobre o livro quando o concluiu.

“Bauman ficou chocado quando leu. Não podia compartilhar diretamente as experiências da mulher, mas a maneira como ela transmitia seus sentimentos e a compreensão que tinha do holocausto o afetaram profundamente, levando-o a escrever sobre sua própria compreensão da tragédia”. (Bauman, uma biografia;  pág. 449)

Bauman disse, “comecei a pensar em como eu desconhecia os fatos, ou melhor em como não pensava direito sobre eles. E me ocorreu que realmente não compreendia o que aconteceu naquele ‘mundo que não foi o meu’”.

Ao ler mais esta passagem da vida de Bauman, fui em busca do livro de sua mulher e posteriormente ao livro Modernidade e Holocausto, escrito em 1998, para entender estas duas visões de quem assistiu (embora muito perto, no camarote) e quem viveu. Penso em nossa postura diante o mundo, do que nos comove, do que conversa com a gente, do que faz sentido para nós, do que nos move.

Dou de cara com um mundo digital, de telas que tornaram o ser humano um espectador. Este fenômeno já havia sido notado muito tempo atrás com o advento da TV, quando as pessoas passam a não reagir ao que veem. Ou seja, eles “somente” assistem. O que muitos chamaram de banalização da violência, não nos movemos, não agimos e acabamos incorporando estas atitudes e comportamentos para tudo. Não reagindo mais a absurdos que nos afligem e atingem diretamente pelas telas, e quando no real, simplesmente assistimos deixando de ajudar, participar e sentir.

A falta de iniciativa, ação é percebida em diversos níveis. Cidadãos não cobram por seus direitos, pais que não abrem mensagens, e a desculpa é sempre a mesma: “recebo tantos e-mails que nem vejo…”.

Em uma consultoria para uma escola, enviamos uma pesquisa de satisfação com a escola para TODOS os pais, apenas 4% responderam. Mas 100% abriram e viram do que se tratava e demonstraram interesse em receber os resultados. Não era uma mensagem de mais um plano de telefonia ou plano de saúde. Era da escola do filho. A banalização chegou a este ponto?

Que espécie de letargia é essa só esperando receber resultados? Penso naqueles dias em que competíamos, apostávamos e dávamos o melhor de nós. Hoje pulamos em um metaverso, vestimos os avatares e confortavelmente do sofá de casa há uma simulação de vida do outro lado da tela.

Escrevo sobre as aventuras dos consumidores pelas jornadas desenhadas por pessoas que talvez nunca tenham pulado para o lado real da relação e uma dúvida tem me incomodado. Qual a importância de, ao relatar experiências tanto péssimas como ótimas, identificar a empresa? Acho essencial poder contribuir para melhorar as experiências, identificar as empresas, experenciar não como espectador, mas como ser humano, neste mundinho real com prazos, valores, abraços, emoções.

Por que os profissionais não identificam? Faz tempo que não me conformo e não me satisfaço com frases como uma empresa de telefonia, empresa na área de saúde. Estas empresas têm nome, venderam um produto, sonho, serviço e as pessoas têm o direito de saber como cumpriram a entrega e como se relacionam.

Não preciso ir muito longe. Coloquei uma enquete faz dois dias no LinkedIn perguntando sobre a importância que o profissional percebia na identificação das empresas pelo nome nos artigos sobre o CX. Apesar de mais de 460 pessoas terem visualizado, apenas 8 responderam até o momento que é imprescindível a identificação. E continua minha dúvida: o que os 98% dos expectadores pensam sobre isso? Me conta o que você pensa a respeito.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

*Por Evelyn Rozenbaum, psicóloga, pesquisadora, consultora e professora de MBA de inteligência de consumo e marketing e CEO da Usina de Pesquisa.


+ Artigos

A relação entre as marcas, meu casamento e uma viagem ao Butão

Do encantamento a decepção: atendimento da Grendene mostra despreparo para a era digital 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]