Pesquisar
Close this search box.
/
/
Design thinking: o conceito aplicado aos negócios

Design thinking: o conceito aplicado aos negócios

Confira a entrevista exclusiva com o italiano Massimo Scattarreggia, fundador, sócio e CEO da Indesign, um dos mais respeitados escritórios de design do mundo, sobre o conceito de design thinking voltado aos negócios

O uso do design thinking nos últimos anos se estendeu para uma direção inusitada, os negócios. A origem dessa nova aplicação do design esta? associada a? consultoria IDEO, empresa norte- americana que desenvolve inovações com base no pensamento de um designer – dai? a denominação do conceito: design thinking.

O italiano Massimo Scattarreggia, fundador, sócio e CEO da Indesign – um dos mais respeitados escritórios de design do mundo ? concedeu uma entrevista exclusiva a revista Consumidor Moderno onde apresentou as bases desse conceito e como ele pode ser inserido dentro das organizações a fim de moldar novas soluções para a evolução de seus negócios.

Consumidor Moderno – Quando uma empresa, ou um CEO, deve considerar a possibilidade de introduzir a metodologia de Design Thinking no seu modelo de negócio? Ele pode ser aplicado em qualquer setor?

Massimo Scattarreggia ? Aplicar o Design Thinking em uma companhia é abraçar um novo ponto de vista. Bidimensional, bifocal com a atenção dada tanto aos acionistas como aos consumidores. Significa, portanto, ter como objetivo criar valor para o primeiro e inovação para o último. A combinação desses dois objetivos é dar vida àquilo que chamamos de ?inovação estratégica?, que nada mais é que a busca do crescimento, do desenvolvimento e da melhoria ou adaptação da atividade empresarial sem acrescentar custos permanentes ? o que cria valor para os acionistas. Mas para ser estratégica a inovação também deve ser original, única. Ela deve criar um ponto de diferenciação. Deve ser relevante e conter um significado, construído em torno de uma ideia poderosa e, finalmente, ser real, viável e rentável. Há muitos estudos que mostram que companhias inovadoras são mais bem mais sucedidas do que outras. Uma pesquisa recente do Boston Consulting Group mostrou que os líderes empresariais têm a inovação entre os três principais fatores críticos do seu sucesso. Sobre sua aplicação, o design thinking é um processo não linear, multidisciplinar, colaborativo e adaptável, que pode ser construído em diferentes escalas. Portanto, pode ser aplicado em setores e realidades empresariais distintas. No entanto, exige a combinação de análise e intuição: problemas a encontrar e problemas a resolver. A vantagem competitiva que você pode criar partindo do DT é realmente grande. As empresas que se dedicam ao desenvolvimento dessa metodologia dentro das organizações  – como a indesign, a empresa da qual sou CEO –  criam estratégias e processos para a inserção da inovação na intersecção de diferentes áreas como tecnologia, business e valores humanos.

 

CM – Quais seriam os principais desafios para disseminar internamente a metodologia de Design Thinking em uma empresa?

MS – O primeiro desafio é entender o Design Thinking como uma filosofia. É preciso entender que a sua aplicação integral é mais importante do que a soma de suas partes. É preciso compreender que o DT não é uma teoria aplicada, mas um método que deve ser praticado, experimentado e adaptado a cada situação específica. O segundo desafio é entender que o designer é o agente do Design Thinking. Ele é o gestor de todos os seus atributos e, consequentemente, a presença desse profissional dentro da organização é fundamental para aprendermos a lição do DT. O terceiro desafio é entender os padrões de engajamento adequados para se introduzir o DT nas agendas organizacionais. A adequação de modelos individuais é que permitirá explorar todo o seu potencial.

 

CM – Como medir o impacto dessa metodologia em uma empresa? Os indicadores também são diferentes?

MS – O Design Thinking – compreendido como uma abordagem que enquadra criativamente o problema, gerando soluções, plataformas, estratégias, sistemas e paradigmas inovadores na intersecção de várias disciplinas e campos – precisa de uma métrica criada especificamente para cada projeto. É contrário ao próprio espírito do DT ter uma metamétrica que mede todos os resultados baseados na mesma escala. Os parâmetros terão a mesma essência do DT: a experimentação, a prototipagem, a validação e a iteração para a perfeição do resultado final. Sua referência é sempre o usuário do processo ou o consumidor daquele produto.

 

CM – Como Design Thinking pode ser usado para permitir que as empresas modelem seus negócios de uma forma mais relacional e menos transacional?

MS ? O Design Thinking baseia o desenho do produto ou serviço no estudo das necessidades do usuário, com o qual o designer conecta emocionalmente por meio da empatia criada na fase da pesquisa. Depois da criação, a prototipagem e a iteração têm como objetivo acercar o produto ou serviço da satisfação do usuário. Isto significa atuar segundo um modelo mais relacional que transacional.

 

CM ? Como eleger a agência mais adequada para a inserção do Design Thinking em uma empresa?

MS ? Hoje, no mundo dos negócios, há muitas empresas de consultoria que se oferecem para melhorar a experiência de compra de um produto e redesenhar os sistemas e processos de uma companhia com base no Design Thinking. Os esforços dessas consultorias estão centrados em transformar os atores  desse processo em designers e sugerir uma nova metodologia para o desenvolvimento de um projeto. Mas o design estratégico não se baseia apenas em pensamentos, mas na capacidade de fazer com que essa nova maneira de pensar gere resultados práticos e úteis – uma mudança positiva. E isso não é tudo; a aplicação do DT exige a sabedoria de moldá-lo e utilizá-lo de forma crítica.

 

CM – Para o Design Thinking o que é mais importante na construção de modelos inovadores de negócios e produtos: o conceito ou o processo?

MS – O processo deve gerar o conceito. A relação entre processo e conceito e a mesma que entre metodologia e resultado. Mas atenção: o Design Thinking, sendo altamente eficaz, tem dois pontos fracos em termos de atitude e de processo. O primeiro ponto fraco é que muitas vezes o DT se revela como uma forma de consultoria de negócios tradicional, que não é capaz de gerar uma mudança positiva. O segundo é que com o usuário como a referência mais importante na construção desse conceito é preciso levar em consideração outros fatores. No caso de uma empresa, o ambiente em que operamos, o mercado e a concorrência que nos confrontam e com as quais lutamos, além das tendências que influenciam os processos de compra daquele produto ou serviço.

* Confira a cobertura completa do Consumidor Moderno Experience Summit na edição #197 da revista Consumidor Moderno.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]