Pesquisar
Close this search box.
/
/
Deepfakes são os novos “cavalos de Troia” da desinformação

Deepfakes são os novos “cavalos de Troia” da desinformação

O uso da tecnologia das deepfakes para criar vídeos fraudulentos de pessoas famosas alerta para novos perigos digitais

Recentemente, um vídeo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, foi compartilhado no Facebook descrevendo-o como pedófilo. O conteúdo não era verídico, mas uma edição chamada “deepfake”, que consiste em criar narrativas falsas de forma ultra realista usando rosto e voz de pessoas famosas. Além desse, um outro caso mais recente foi o de Tom Hanks, que teve a tecnologia seu usada em uma propaganda. O ator de Hollywood usou o Instagram para alertar os seguidores de que ele não tinha ligação nenhuma com a marca que usou sua imagem sem autorização. 

O que preocupa Mark Zuckerberg, dono da Meta, é que o vídeo de Biden não foi removido do Facebook pelos moderadores, e continua a ganhar visibilidade até hoje na rede social. Isso chamou a atenção do Conselho Supervisor da companhia do Vale do Silício para debater novas políticas contra essas edições de mídia que estão causando uma nova onda de desinformação, principalmente com o crescimento exponencial do acesso à Inteligência Artificial, ferramenta que é responsável, na maioria das vezes, por criar esse tipo de conteúdo. 

Leia mais: Pão de Açúcar lança plataforma para gerar segmentação e fidelidade

Porém, não é só a imagem de políticos e famosos que é prejudicada pela nova tecnologia. Os consumidores do mundo todo podem ser lesados ao acreditarem nas mídias fraudulentas criadas por hackers ou empresas de má fé, como explica Jonathan Arend, especialista em cibersegurança da keeggo, consultoria de tecnologia.

Para Jonathan, as deepfakes são grandes responsáveis por muitas fraudes. “Elas representam uma ameaça à segurança dos usuários em redes sociais, pois podem ser usadas para manipular dados e criar desinformação, difamando indivíduos”, começa. “Além disso, permitem a disseminação de campanhas de phishing envolvendo técnicas de Engenharia Social, abrindo caminho para incidentes de extorsão, chantagem e, em casos mais graves, até mesmo sequestros”, completa. 

Caso de deepfake nacional

No Brasil, um caso recente de uso de IA para recriar rosto e voz de uma pessoa foi no comercial da Volkswagen, que mostrou Elis Regina (morta há 41 anos), contracenando com a filha Maria Rita. A campanha é uma comemoração dos 70 anos da marca, mas muitos consumidores não gostaram da homenagem. O Conar (Conselho Nacional Auto Regulamentação Publicitária) chegou a instaurar um processo ético de apuração da propaganda, mencionando queixas dos clientes sobre “a ética do uso de inteligência artificial para trazer uma pessoa que morreu de volta à vida”, além de, segundo o órgão, “a possibilidade de tal uso causar confusão entre ficção e realidade para alguns, principalmente crianças e adolescentes”.

O advogado responsável pela denúncia foi Gabriel de Britto Silva, que apontou a necessidade da “limitação do uso da IA” na publicidade e o estabelecimento de diretrizes para o seu uso. “A emoção veio na mesma proporção do desconforto. Tal fato permite reflexões sobre questões de natureza ética, já que se está diante de pessoa humana falecida e que não pode reivindicar o uso da própria imagem. Não se sabe sequer se viva fosse, a Elis autorizaria a imagem, ainda mais para fabricante de automóveis e para fins estritamente comerciais”, diz Gabriel no documento.

Assine nossa newsletter! Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

Combatendo as deepfakes

Ainda não existe regulamentação específica para as essas imagens geradas artificialmente, mas após o caso de Joe Biden no Facebook, o assunto começou a ser debatido entre grandes executivos da tecnologia. Porém, não é um trabalho exclusivo deles. Muito do combate a esse tipo de fraude depende do consumidor. “Essa iniciativa deve ser acompanhada por esforços de reeducação dos usuários em relação ao uso responsável das diversas tecnologias disponíveis no mercado”, explica Jonathan. O especialista ainda acrescenta que se uma das partes não cooperar, não adianta. “O trabalho conjunto de reguladores, empresas de tecnologia e conscientização do público desempenha um papel crucial na mitigação do impacto dos deepfakes nas redes sociais.”

Identificando deepfakes

Mesmo essas manipulações de áudio e vídeo sendo quase perfeitas, ainda é possível identificá-las – mas é preciso ter vontade e não se deixar levar por qualquer informação que elas estiverem disseminando. De acordo com Jonathan, é aconselhável seguir os seguintes passos:

  • Pesquise a fonte do material, validando se outros veículos confiáveis confirmam sua veracidade;
  • Observe as inconsistências nos reflexos, na iluminação e no contexto do conteúdo do vídeo;
  • Utilize ferramentas que detectam proativamente deepfakes;
  • Preste atenção nas imperfeições visuais e auditivas dessas mídias, pois estes são fortes traços de que o conteúdo é manipulado.


+ NOTÍCIAS
CEOs e IA: abraçá-la ou ser deixado para trás?
IA para crianças: vale a pena para brincar e aprender

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]