Pesquisar
Close this search box.
/
/
Os dados dos clientes podem ser monetizados?

Os dados dos clientes podem ser monetizados?

Serasa Experian mostra como as empresas podem utilizar os dados internamente e externamente, com o objetivo de gerar informação e fazer negócios

Pelas capas da The Economist, Julio Guedes, diretor de Analytics da Serasa Experian, mostra que, desde 2009, o Brasil passou da ascensão (representada pela imagem do Cristo Redentor decolando) à queda – com a face de Dilma Rousseff na revista.

Dessa forma, mostra que o país passa por uma crise econômica e, como se não bastasse, por uma regulação intensa da liberdade de dados. Não por acaso, o consumidor é responsável pelos próprios dados – e, necessariamente, é obrigado a autorizar o uso deles.

Como lembra o executivo, porém, a cada vez que o consumidor clica na autorização de longos (muito longos) textos de regulamentos na internet (‘li e concordei”), permite o uso das informações. Nesse caso, ele afirma: “empresas, vocês precisam ter cuidado com aquilo que fazem com seus dados”.

E o que as companhias podem fazer nesse contexto? Analisar dados e conhecer o consumidor, é claro. “80% das empresas enfrentam dificuldades para gerar informações com dados”, diz Guedes. Eles costumam ser imprecisos e estar espalhados, e é preciso estruturar a área de dados para ter sucesso. “Com isso, estamos falando de Big Data. Mas, sozinho, ele não é nada. É preciso estratégia”.

Nova era

Guedes afirma que estamos em um novo momento da vida: o momento digital. “Cada um dos meus filhos tem um celular e um iPad. Temos Netflix, computadores em diversos locais. Ou seja, há informação transitando em todos os lugares”.

“Quando falamos em recentes revoluções para o dia de hoje, pensamos em capacidade de processamento”, diz. E esse fator cresceu muito, assim como o Big Data. Essa tendência deve continuar. Assim, muitos ativos podem ser explorados. Por isso, a empresa fala em uma fusão de dados. “Temos dados de mobile e cada vez mais poderemos comprar com celular. Em um momento, os cartões deixarão de existir”, afirma.

Como reunir tudo?

Dessa forma, quando se fala em monetização, é evidente que o dado já existe. Porem, ele está sendo utilizado internamente? “Você pode vender ou negociar seu dado, ampliar a captação deles”, diz. Ou seja, a monetização pode ser interna ou externa.

Para Guedes, porém, a exploração interna precisa surgir primeiro. “O seu cliente liga para a empresa. O call center recebe milhares ou milhões de ligações”, diz. “Vocês fazem algo com essa informação?”, questiona. Se a resposta for não, precisa mudar.

Assim, afirma às empresas que ouvir o cliente é uma forma de reconhecer o que é preciso dentro da empresa. Mas, isso não funciona apenas para voz. Sem duvidas, o telefone não é o único canal capaz de gerar valor.

Informação no detalhe

Como Guedes ressalta, parcerias com empresas podem auxiliar a compreender os consumidores, obter e ler dados. “O Gartner prevê que 30% das empresas vão monetizar dados em 2016”, defende. “Mas, quando se fala em valor dos dados, como podemos saber se eles têm, de fato, valor?”, questiona. É fundamental saber se eles geram insights sobre o comportamento do consumidor, se são únicos no mercado, se o volume é considerável e se é relevante para outros mercados”, defende.

Assim, ele conta que o cadastro positivo é uma forma de monetizar os dados. Dessa forma, será mais refinada a forma de avaliar o crédito dos consumidores.

O que é importante?

Na hora de monetizar, ele aponta que a analise de dados internos precisam ter uma análise de facilidade de implantação e valor potencial.

Com os dados disponíveis, Guedes defende que é importante verificar o perfil do consumidor – a saúde financeira, a rotina, etc. “É importantíssimo ter parceiros, verificar analytics, ter uma equipe voltada para isso, ter a autorização do consumidor para usar essas informações e, é claro, convencer os executivos de mais poder na empresa, conclui.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]