Pesquisar
Close this search box.
/
/
Da falsificação à inovação: o que a China tem a nos ensinar?

Da falsificação à inovação: o que a China tem a nos ensinar?

André Faria, CEO da Bluesoft, comenta o novo papel da China na economia mundial e como seu varejo virou plataforma para a inovação

Por André Faria, CEO da Bluesoft

 

Definitivamente, foi-se o tempo em que a China apenas “copiava” outros países, desenvolvendo produtos mais baratos e de baixa qualidade. A edição 2019 da NRF, a principal feira do varejo mundial, realizada em Nova Iorque, mostrou justamente o contrário. Os chineses ganharam respeito com inovações e cases que farão o país alcançar, em 2019, o topo de negócios no varejo mundial que hoje está a cargo dos norte-americanos. A previsão é do portal eMarketer,

As vendas na China devem atingir 5.636 trilhões trilhões, um crescimento de 7,5% em um ano, contra 5.529 trilhões dos Estados Unidos, que avançaria 3,3%. O crescimento do comércio na China é impulsionado pelas vendas digitais, que devem aumentar 30% em 2019. Nos Estados Unidos, esse índice deve ficar em 10,9%. Hoje, os chineses estabelecem tendências e vendem para o mundo inteiro, inclusive para o Brasil, onde plataformas como Alibaba, Wish, Asos, Gear Best e Tiny Deal se popularizaram. Trocando em miúdos, temos muito o que aprender com os asiáticos quando o assunto é varejo.

LEIA MAIS
O que tem o casaco chinês, item de moda mais vendido na Amazon?
Com crescimento de 41% no último tri, Alibaba quebra recordes na China
5 estágios de evolução pelos quais o varejo está passando (parte 2)

Segundo o CEO do Alibaba Group, J. Michael Evans, a maneira com que geralmente nos referimos ao Alibaba, dizendo que é a Amazon da China, está errada. O Alibaba é um marketplace e não um varejista. A companhia não compete com marcas, diferente da gigante americana, nem com as pequenas e médias empresas que usam o site.

Evans reforça que a China é um mercado enorme para se vender produtos de outros países. Há 300 milhões de pessoas na classe média e outros 300 milhões são esperados para se juntar a esse grupo nos próximos cinco anos. Por isso, vender na China produtos produzidos no exterior e expandir operações nos Estados Unidos e na Europa fazem parte da estratégia de globalização do Alibaba.

Os números do Alibaba são de admirar. São 600 milhões de consumidores e 10 milhões de PMEs na plataforma, 780 bilhões de dólares em vendas, 70 milhões de entregas por dia e 10 mil itens com entregas para os Estados Unidos diariamente. Mas as inovações não ficam somente no seu poderoso e-commerce. O grupo está cada vez mais próximo dos supermercados.

O Alibaba, com seu conceito de novo varejo, trouxe novidades surpreendentes. Os seus supermercados, chamados de Freshippo, mantém processos altamente tecnológicos de logística de separação de pedidos, um self-checkout inteligente que permite o pagamento via reconhecimento facial, etiquetas eletrônicas com QR Code que oferecem inúmeras informações ao cliente pelo celular, um restaurante dentro da loja que usa robôs para entregar e retirar os pratos, entre outras coisas.

Pagamentos e entregas

A JD Fashion, outra gigante chinesa, também é um ícone da inovação do varejo naquele país. Seu CEO, Harlan Bratcher, costuma ressaltar que a China é o país mais avançado do mundo no uso de pagamentos pelo celular. Por isso, considerando que a vasta maioria das transações é realizada digitalmente, desenvolveu-se uma parceria com o aplicativo WeChat, uma espécie de Whatsapp, já utilizado por 300 milhões de clientes ativos, que se beneficiam de 500 depósitos e 7 mil estações de entrega. Os pedidos levam, no máximo, 24 horas para serem entregues, com drones em algumas operações, além da rede manter sete lojas sem nenhum atendente e artigos de luxo que podem chegar à casa dos clientes em até 2 horas.

Enquanto muitos varejistas do restante do mundo enfrentam retração, o mercado chinês sofre um fenômeno de aquecimento ano após ano. E não deverá ser diferente em 2019, 2020, 2021. No primeiro semestre de 2018, o varejo chinês teve um aumento médio de 9% sobre o registrado em 2017, puxado especialmente pelo e-commerce, que representa 20% de todo o seu comércio, como aponta a pesquisa Trading Economics. No Brasil, esse percentual é de apenas 4%.

A busca de ganho operacional através de automação e robótica, com lojas sem atendentes e serviços inovadores, deve ser permanente no Brasil, onde a perspectiva de crescimento do varejo é gradativa e constante. Uma pesquisa da consultoria Deloitte com 826 empresas que somaram faturamento de R$ 2,8 trilhões em 2017, ou 43% do Produto Interno Bruto (PIB), aponta que 97% dos empresários pretende realizar algum investimento em 2019, o maior percentual da série histórica.

A confiança na retomada da economia, com o bom aproveitamento dessa janela de oportunidades, poderá ser um passaporte para transformar definitivamente o Brasil em um país mais moderno e cheio de oportunidades, a exemplo do que fez a China.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]