Pesquisar
Close this search box.
/
/
Brasil figura no Top 10 dos principais países com crescimento do comércio eletrônico

Brasil figura no Top 10 dos principais países com crescimento do comércio eletrônico

De acordo com a Inside Intelligence, a nação brasileira, ao lado da Índia e da Indonésia, deve gerar um faturamento de quase US$ 230 bilhões em vendas de comércio eletrônico no varejo

De acordo com o relatório The Global Payments Report 2022, elaborado pela empresa de tecnologia financeira FIS, o comércio eletrônico global deve crescer mais de 55% até o ano de 2025 e faturar mais de US$ 8 trilhões ao longo das transações. O estudo, que leva em conta 41 países diferentes, também evidencia que o setor teve um salto de 13,4% no crescimento, se comparado ao ano passado e que o mercado brasileiro vem se destacando, já que as estimativas são de US$ 79 bilhões de faturamento nos próximos três anos.

Ainda nesse sentido, uma pesquisa apresentada pela Inside Intelligence mostra que a região do Sudeste Asiático é a mais rentável no âmbito do comércio eletrônico, considerando que Cingapura terá um impulso de 36% nas vendas digitais, ao passo que Indonésia e Filipinas registrarão um aumento de 34 e 25,9%, respectivamente.

Além disso, a análise também revela que Brasil, Índia e Indonésia tendem a gerar um faturamento de quase US$ 230 bilhões em vendas de comércio eletrônico no varejo, quase o dobro do valor registrado pelo TOP 10, composto por países como Argentina, Austrália, Malásia, Tailândia e México.

De acordo com uma das sócias fundadoras da Iamaní Chás Orgânicos, Mayara Boaretto, há uma série de fatores que contribuem para o crescimento exponencial das vendas online.

“A partir da geração X, as tecnologias envolvendo a internet tiveram um crescimento muito grande em um curto espaço de tempo, o que pode ser justificado pelos níveis de segurança das compras online e pelo uso da inteligência artificial como forma de captar comportamentos dos usuários e investir no marketing”, inicia a representante da Iamaní Chás Orgânicos.

Que continua: “hoje em dia você comenta sobre um produto com uma amiga e logo depois recebe a propaganda dele já indicando e comparando preços! Tem os sites comparadores de preços que, com dois cliques, colocam lado a lado produtos de diferentes fornecedores e preços variados. E por fim, acredito que a praticidade também seja um fator importante nesse boom de vendas, já que não é mais necessário sair de casa e pegar filas para fazer compras”, pontua Mayara Boaretto.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Acessibilidade da internet e omnicanalidade auxiliam no crescimento do comércio eletrônico

Mayara Boaretto explica que é interessante analisar o comportamento dos consumidores brasileiros antes e depois da pandemia para compreender de forma mais aprofundada o volume de bens adquiridos em diferentes categorias por meio das vendas eletrônicas: “a pandemia foi brutal no Brasil e, com isso, tivemos a impossibilidade de comprar produtos em lojas físicas, acarretando um aumento de 68% nas vendas do e-commerce, conforme revela um estudo divulgado pela NielsenIQ|Ebit em parceria com a Bexy Pay.

Esse processo mudou a forma dos brasileiros consumirem, e mesmo depois, com a reabertura das lojas físicas, o volume de vendas online permaneceu”, explica a sócio-fundadora da Iamaní Chás Orgânicos.

Alimentos, casa e saúde estão entre as principais categorias de venda do e-commerce

“A expectativa é que em 2022 vejamos um aumento em 132% em comparação com o período antes da pandemia. Assim, temos que as 5 categorias que mais expressam esse aumento, segundo a NielsenIQ|Ebit, são: alimentos e Bebidas (107%); Bebê & Cia (34%);Construção e Ferramentas (31%); Informática (24%) e Saúde (23%)”, afirma Mayara Boaretto.

Conforme explica Ligia Aquino, também sócio-fundadora da Iamaní, este aumento exponencial de vendas no comércio eletrônico afetou de forma positiva e negativa os varejistas, já que ao passo em que muitos deles mantiveram as portas abertas exatamente por conta do comércio eletrônico, outros que não investiram no e-commerce tiveram muitos prejuízos a curto e médio prazo.

“Segundo uma pesquisa do IBGE, o avanço do comércio eletrônico, junto com o auxílio emergencial, foi o que garantiu que o varejo brasileiro fechasse 2020 no azul, ainda com uma pequena alta de 1,2%, em um ano em que a economia teve uma retração por conta da crise na saúde pública. Por outro lado, os varejistas que não tinham e-commerce sofreram muito e alguns deles até fecharam e não conseguiram reabrir após a fase mais crítica da pandemia”, evidencia Ligia Aquino.

Segundo ela, de acordo com uma sondagem da FGV, 49% das empresas no Brasil não faziam nenhuma venda online antes da pandemia, cenário que mudou bastante. “Hoje, 80% dos varejistas consultados recorrem a esses canais em diferentes níveis, a depender do porte de cada marca: existe uma diferença entre as empresas de grande porte, onde 90% das companhias estão no canal online, e as empresas de menor porte, que continuam mais resistentes e tem quase 30% do número de varejistas focados só nas lojas físicas”, afirma.

Mão de obra qualificada, segurança e logística surgem como desafios do setor virtual

Por fim, com relação aos desafios a serem enfrentados pelos varejistas no setor do comércio eletrônico, Erick Herrera comenta que a falta de mão de obra qualificada é, sem dúvidas, uma questão a ser vencida no Brasil: “hoje os profissionais de e-commerce precisam ter um conhecimento multidisciplinar em diversos campos, como site, SAC, atendimento ao cliente, logística em geral e marketing digital. Por ser um mercado relativamente novo, tais habilidades tendem a ser difíceis de serem encontradas”, reflete o profissional da Maeztra.

Ligia Aquino, por sua vez, afirma que há ainda as questões relacionadas à logística, ao atendimento, à segurança de dados e, claro, à experiência do cliente. “A logística, por exemplo, é um grande fator a ser trabalhado pelas marcas brasileiras, já que muitos operadores logísticos não perceberam ainda a diferença das remessas originárias do e-commerce, tratando como se fossem uma carga qualquer. A logística engloba muitos processos, o picking e packing (a retirada da mercadoria do depósito e a embalagem para a expedição), a forma de entrega e a pontualidade: tudo isso junto pode resultar no sucesso ou fracasso da operação”, diz.

Sobre atendimento ao cliente, a sócia da Iamaní afirma ter percebido a importância de contar com uma equipe preparada, com respostas rápidas e objetivas. A segurança de dados segue sendo um desafio, uma vez que a taxa de tentativas de fraude em lojas virtuais teve um aumento significativo no início da pandemia. “Segundo um estudo feito pela Konduto, a cada 100 compras feitas no Brasil, quatro tiveram origem fraudulenta”, revela Ligia Aquino.

Por último, mas não menos importante, a empresária lembra que a experiência de compra no canal virtual também deve ser ajustada ao longo do tempo: “ vejo a importância de deixarmos todas as informações claras e disponíveis para tornar o processo de compra o mais fácil possível. Pensando sempre que o cliente precisa encontrar o produto e efetivar a compra em poucos minutos, devemos investir em um site responsivo e com boa velocidade de carregamento, considerando que em torno de 53% dos visitantes abandonam sites que demoram mais de 3 segundos para carregar”, finaliza.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

O que está por trás da lábia de um bom vendedor?

O poder dos canais no mercado brasileiro em 2022 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]