Pesquisar
Close this search box.
/
/
‘Boa experiência na loja física é como sexo nas férias’, diz especialista

‘Boa experiência na loja física é como sexo nas férias’, diz especialista

Como uma boa estratégia no varejo físico pode ser comparada à experiência sexual de um casal em férias? Entenda o cômico conceito de Chris Walton

Mesmo com os varejistas declarando falência nos Estados Unidos, um dos maiores mercados do varejo no mundo, e com a expressão tão mencionada “apocalipse do varejo”, é importante que o setor nunca perca de vista a verdade universal de que as experiências físicas ainda importam. “Como um bom sexo, o bom varejo ainda é físico”, diz, em sua coluna na Forbes, o especialista norte-americano em varejo, Chris Walton.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Fundador da consultoria Red Archer Retail e ex-executivo dos supermercados Target, Walton descreve como a experiência proporcionada em uma loja física pode ser comparada ao “refúgio de um sexo de férias”, fora da rotina.  “Não importa o quanto tente, o digital nunca substituirá o maior atributo do varejo físico – a experiência”, afirma.

Contexto

Os ciclos de inovação no varejo se renovam a cada 30, 40 anos. Entre as décadas de 1960 e 1990, o setor de varejo não viu muita inovação significativa. Claro, a indústria viu a ascensão de grandes varejistas, como Walmart e Gap, por exemplo, e o rápido crescimento dos shoppings, mas tudo, geralmente, foi uma variação incremental de um tema, deixando as gerações “mais velhas” de hoje, especialmente os Baby Boomers e a Geração X, acostumados a experimentar o varejo de uma certa maneira, quase como se fossem casados ??com o mesmo parceiro desde o ensino médio.

Para essas gerações, o varejo e as lojas existiam para oferecer aos consumidores cinco itens principais, diz Walton: gratificação imediata, conveniência, inspiração, tato e experiência.  As lojas eram o único lugar que alguém poderia ir para obter qualquer um dos itens acima. “Então, veio Amazon e eBay em meados da década de 1990, e todo o mundo do varejo mudou. Era como o varejo tradicional voltar a ser virgem de novo”, afirma o especialista da Forbes.

A comparação com a experiência sexual continua para o norte-americano. “Naquela primeira vez que você fez uma compra online, você não sabia o que diabos estava acontecendo. Você estava confuso sobre quais botões apertar, e você não tinha ideia de quais movimentos seguir se ousasse devolver alguma coisa”. Para Chris Walton, a única diferença real entre a primeira experiência sexual e a primeira experiência no e-commerce foi que a última provavelmente durou mais.

Essas apreensões eram o motivo de tantas pessoas desprezarem o comércio eletrônico por algum tempo. “As pessoas ainda querem ir às lojas físicas para fazer compras”, gritavam os pessimistas. “Eles querem tocar, sentir e experimentar”, argumentavam.

Sim, houve um movimento contrário ao e-commerce por ser algo novo, mas a Amazon e outros continuaram investindo e derrubando essas crenças, em última análise, dizendo ao resto da indústria algo nesse sentido: “Podemos fazer conveniência, gratificação imediata e inspiração, também, e até melhor do que você pode.”

Os varejistas tentaram manter o ritmo, mas como um relacionamento mantido há muito tempo em que um parceiro considera o outro como certo, a maioria dos varejistas tradicionais esqueceu as diferenças exclusivas que tornaram seus relacionamentos tão especiais e pararam de investir para surpreender e encantar seus clientes.

Leia também:
A loja física pede passagem 

Efeito Amazon

Em vez de se renovar, o varejo tradicional concentrou-se em cortar custos. “Fazer o mesmo com menos não é uma boa ideia, assim como nunca é uma boa ideia no sexo”. Tentar imitar as estratégias da Amazon também não funciona, afirma Walton, sempre associando com o tema sexual. “Não é uma boa ideia adotar estratégias específicas da Amazon e também não é uma boa estratégia perguntar para a parceira: ‘Querida, me diga o que seu último namorado fez que você realmente gostou”.

Com o passar do tempo, a experiência do varejo, assim como muitas relações sexuais de longo prazo, “começou a convergir para o sexo “papai e mamãe”, diz o especialista. “De certa forma, a Amazon engessou o mercado nesse sentido”.

Chris Walton ressalta em sua coluna na Forbes que a Amazon oferece aos consumidores uma experiência sem atritos, “aquele sexo fácil”, diz ele. E isso é difícil de combater, afirma o ex-executivo do Target. Com isso, o mercado varejista mais antigo precisa de novos movimentos para reavivar sua faísca com os consumidores.

Leia também:
Apenas uma empresa brasileira sobreviverá ao apocalipse do varejo

A experiência do varejo = sexo nas férias

A resposta para reacender essa chama é, segundo Walton, a de que o varejo precisa do que todo casal em um relacionamento de longo prazo precisa: sexo de férias.

“A experiência nas lojas físicas deve parecer a viagem de avião para o Havaí, um passeio de carro em uma estrada deslumbrante e o sexo de férias de um casal em um longo matrimônio, que chegam tão emocionados ao quarto do hotel após os eventos do dia e nem se preocupam em perder tempo sob os lençóis”, diz o colunista da Forbes. “O varejo físico deve ser um refúgio. O que importa não é o que os varejistas dizem e fazem, mas como eles fazem as pessoas se sentirem”, conclui.

Leia também:
Como grandes empresas do varejo estão tocando seus projetos omnichannel

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]