Pesquisar
Close this search box.
/
/
O uso da análise prescritiva de dados para a tomada de decisões

O uso da análise prescritiva de dados para a tomada de decisões

A partir da tecnologia de Big Data e Machine Learning é possível entender dados e pensar em estratégias mais definidas

O uso de dados para a tomada de uma decisão dentro de uma empresa não é algo novo, mas novas tecnologias vieram para tornar esse processo cada vez mais rápido e eficaz. É o caso da análise prescritiva de dados, que utiliza Big Data e Machine Learning para entender dados e facilitar a tomada de decisão.

A partir do método, é possível reunir uma quantidade muito maior de informações conseguindo uma análise mais certeira em suas previsões, algo cada vez mais buscado dentro das organizações.

Análise prescritiva na prática

A análise prescritiva é um método que utiliza dados para entender e construir padrões de informações, contribuindo, assim, com a tomada de decisões. Com a ascensão de tecnologias como Big Data e Machine Learning, essa análise tornou-se ainda mais completa, já que consegue utilizar dados em larga escala, além de trabalhar com muitas variáveis.

“Soluções de análise prescritivas fazem uso de dados estruturados e não estruturados utilizando-se de técnicas e tecnologias como otimizações, Machine Learning e Advanced Analytics. Trata-se de uma solução de auto aprendizado baseado em algoritmos que identificarão padrões e otimizarão a decisão, sugerindo ‘como podemos fazer as oportunidades diagnosticadas acontecer’”, explica Eduardo Guerreiro, diretor de digital business na Cognizant.

Dessa forma, a análise prescritiva de dados é capaz de entender dados de forma mais assertiva, podendo, ainda, compilar dados que mostram “caminhos” a serem seguidos dentro das informações analisadas.

Para Eduardo Guerreiro, o uso da análise prescritiva permite também que dados além da própria empresa sejam utilizados. “Em uma abordagem tradicional a decisão sempre foi tomada baseada nos dados e informações históricas da empresa, levando a um processo estruturado para definição de estratégias. Entretanto, por conta da transformação digital há muita informação relevante sendo gerada a cada instante, não apenas no contexto das empresas, mas em mídias sociais, blogs, máquinas, entre outros”, explica.

Essa maior quantidade de dados é resultado da transformação digital que, segundo Guerreiro, não pode ser ignorada na análise de dados, pois é uma realidade para todos. “A transformação digital é uma realidade e está presente na vida de todos agregando novas perspectivas que incluem facilidade, agilidade, confiabilidade, controle e acessibilidade. Nesse caso, não apenas podemos como devemos agregar novas variáveis ao processo de tomada de decisão”, afirma.

Por que usar a análise prescritiva para a tomada de decisões

Segundo Eduardo Guerreiro, o objetivo principal das empresas que utilizam a análise prescritiva é otimizar o processo de decisão tornando-o mais rápido e mais assertivo. “Tudo isso é possível pelo aprendizado acumulado de outras experiências analíticas bem sucedidas”, diz.

Ou seja, sistemas e soluções que utilizam dados ainda têm mais um potencial: quanto mais analisam dados, mais eficazes se tornam, uma vez que conseguem comparar padrões anteriores para analisar os novos. “Com isso, é possível que as empresas identifiquem tendências e sugestões para decisões”, explica o profissional.

Dessa forma, ao se depararem com esse tipo de análise, as decisões tendem a ser tomadas com embasamento, de maneira mais rápida e estratégica, o que aumenta a chance de bons resultados.

A análise prescritiva também abre portas para que as empresas passem a valorizar a tomada de decisão a partir de dados, aplicando a solução para outros setores. Entretanto, para o profissional de dados, “o mais importante é a mudança de mindset no processo decisório”. Isso porque antes as empresas estavam acostumadas a pensar em soluções baseadas “no que aconteceu e porque”.

Entre os tipos de análises prescritivas que podem ser feitas, Eduardo Guerreiro cita:

  • Previsão de demanda de vendas visando um melhor atendimento aos consumidores;
  • Prevenção e ações em relação a inadimplência objetivando reduzir perdas financeiras;
  • Identificar o churn (perda de assinantes de algum serviço) propondo campanhas e ações para manutenção dos clientes;
  • Para a área de Tecnologia, podemos prever riscos de falhas através de análises históricas das operações, implantando ações que garantam a disponibilidade dos ambientes tecnológicos.

O que é preciso para aplicar o método

Por promover a análise de uma grande quantidade de dados e contar com o aprendizado do próprio sistema, esse método conta com a ajuda de inúmeras tecnologias envolvendo o uso de dados. Por isso, empresas que querem contar com o estudo de dados para tomarem decisões precisam investir em soluções tecnológicas voltadas a isso.

Outro ponto também é colocado como importante: a qualidade dos dados analisados. Segundo o profissional em Transformação Digital, qualquer processo de análise necessita de informações consistentes e confiáveis e isso não seria diferente no caso da análise prescritiva.

“Os dados a serem utilizados são os pontos mais relevantes para o sucesso da decisão a ser tomada pois, quando são íntegros, com alta qualidade e confiáveis, levarão a decisões mais assertivas. O mesmo ocorre num processo automatizado de análise prescritiva, é preciso garantir que a matéria prima mais importante para esse processo tenha esses predicados”, afirma.

Para isso, ele indica investir nisso a partir de plataformas de armazenamento de qualidade, escolha do banco de dados correta e tratamento das informações coletadas, além da governança de dados (processo que será utilizado dentro da empresa para a tomada de decisão).

Dessa forma, também é preciso que as pessoas dentro da empresa estejam preparadas para entender essas análises de dados e contribuir, de fato, com a tomada de decisão. Saber ler esse tipo de informação é algo que vem se tornando cada vez mais importante dentro das empresas é considerado, inclusive, uma habilidade do futuro, chamada Data Literacy.

Tecnologias necessárias para a análise prescritiva

Quando se trata de uso de dados, as principais tecnologias são aquelas que conseguem realizar a leitura desses e a criação de padrões a partir delas, construindo informações relevantes para máquinas e seres humanos. Assim, entre as tecnologias é possível citar Big Data Analytics, Machine Learning e Inteligência Artificial como as principais.

Entretanto, “uma solução completa e eficaz de análise prescritiva deve levar em conta não apenas o algoritmo prescritivo e as ferramentas que suportarão seu desenvolvimento, mas também todo o ciclo que para pela obtenção do dado, sua transformação em informações, o modelo prescritivo, sua utilização e sua governança”, explica Eduardo Guerreiro.

O profissional cita também outras tecnologias que estão envolvidas nesse processo e que permitem que a análise prescritiva funcione da melhor maneira:

  • Tecnologias para captura e ingestão de dados;
  • Tecnologias para tratamento e transformações dos dados (ETL / ELT);
  • Bancos de Dados Relacionais e Não Relacionais;
  • Tecnologias para catalogação dos dados (visando o entendimento do significado de cada dado disponível);
  • Tecnologias para Governança de Dados visando garantir a confiabilidade dos dados;
  • Ferramentas de desenvolvimento adequadas a criação de modelos prescritivos (Python ou R, inclusive contando com bibliotecas voltadas para esse fim);
  • Ferramentas para visualização dos dados através de dashboards, relatórios ou storytelling.

 

As decisões ainda estão relacionadas com o conhecimento e experiência do executivo responsável por isso, mas as tecnologias envolvidas na análise prescritiva proporcionam um modelo decisório baseado em busca de tendências, geração de insights e sugestão de ações. “Isso proporcionará a possibilidade de um número maior de acertos no processo de tomada de decisão, e consequentemente, uma performance cada vez melhor das áreas de negócios e da empresa”, conclui Eduardo Guerreiro.


+ Notícias 

Questões éticas giram em torno do uso da Inteligência Artificial 

Os caminhos para garantir a experiência do cliente na era da interação 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]