Pesquisar
Close this search box.
/
/
A história da gula e a alimentação no decorrer da história

A história da gula e a alimentação no decorrer da história

Para suprir nossas funções vitais, exercemos diversas atividades. Alimentar-nos é uma delas.

Nutrir, energizar, satisfazer um corpo que necessita deste e muitos outros cuidados básicos. Estamos sempre buscando o equilíbrio. O excesso, porém, ultrapassando os limites do razoável, nos conduz a uma reflexão quanto ao que se passa conosco.
      

Fatores hormonais ou disfunções orgânicas podem, por vezes, explicar uma eventual compulsão alimentar. No entanto, há outras questões que podem elucidar, em boa parte, esse comportamento: os aspectos emocionais.

 

Em nossa sociedade atual, estamos em meio a um bombardeio de diferentes assuntos na mídia. À medida que temos cada vez mais programas culinários, que vão de receitas da vovó a realities de gastronomia, disputas de chefs ou aspirantes, temos um significativo aumento de incentivo a uma vida saudável, com quadros televisivos para promover o emagrecimento e assim por diante.
        

Ao mesmo tempo, vivemos tempos de ?vazios? emocionais, falta de referências, modelos e padrões questionáveis, ditaduras e imposições sobre como devemos pensar e nos comportar. Para preencher tais lacunas, fazemos uso de comida, que sacia, cobrindo perdas e faltas. Os alimentos atenuam as ansiedades, medos, desordens emocionais. O corpo é escravizado e sofre modificações para enquadrar-se. Quando não consegue, é discriminado, fragmentado e exposto.

 

Os medicamentos e a indústria farmacêutica agem a favor de emoldurar o ser humano. Hoje, existe remédio para tudo. Nunca houve tantas cirurgias plásticas como nos últimos anos. E a mais nova onda social é a ?gordofobia?. Na verdade, somos todos ?gulosos?. Não nos contentamos com aquilo que temos. Insaciáveis. A compulsão alimentar é apenas mais um retrato da inquietude do homem. O corpo, a válvula de escape.
 
Religiosamente, comer e beber são motivos de felicidade, uma dádiva de Deus para que o homem se deleite. Algumas passagens bíblicas fazem referência ao comportamento de esbaldar-se na comida, como na que o profeta Isaías comenta que, no final do mundo, haverá banquetes, com bois gordos e vinhos velhos.
        

O que está intrínseco ao comportamento e o que se atribui ao alimento são os propósitos do excesso. Muitas vezes, é o afeto vinculado ao alimento que faz com que o corpo se perca na tentação da gula.

 

A gula seria o primeiro dos pecados capitais, porque é a porta de entrada de todos os outros. Engolimos a luxúria, a preguiça, a ira e assim por diante. Qual o primeiro pecado do homem? Comer o fruto proibido. Foi através da gula que o homem se opôs às orientações de Deus. Gula que, para Dante Alighieri, na Divina Comédia, é um pecado pior do que a luxúria, porque nesta o culto é ao outro, ao corpo do outro, enquanto na primeira, é pelo próprio ventre, o próprio corpo.

 

Se num primeiro momento, o ato de comer, se empanturrar, está associado ao prazer, aos poucos, esta dinâmica torna-se pecaminosa e assim, sujeita à punição.

 

A imagem do ?glutão?, ou seja, aquele que cultua a gula, passa a ser recriminada e, daí, uma mudança sobre como encarar a comida.

 

A partir do século XVII, a ideia não era apenas comer, mas comer com educação, com regras, muito embora esta mudança não implique alterações no corpo. A gordura é sinal de fartura, um status de poder. Exemplo disso são os quadros de Sandro Botticelli, que retratavam figuras gordas, fartas e opulentas. Mais tarde, entre o século XIX e XX, a preocupação não era apenas comer, mas comer com qualidade e bem. Com isso, a sociedade passa a entender a gordura como sintoma de doença e, portanto, a magreza torna-se o padrão de beleza.
 
* Breno Rosostolato é psicólogo e professor da Faculdade Santa Marcelina – FASM

 

LEIA MAIS:

10 alimentos que estamos consumindo de maneira errada

Campanha faz contraponto entre consumo e miséria

Síndrome da fome oculta: você sabe o que é isso?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]