Pesquisar
Close this search box.
/
/
A disrupção chegou ao e-commerce e os consumidores agradecem

A disrupção chegou ao e-commerce e os consumidores agradecem

O comércio é digital. Em qualquer canal, de qualquer forma, nada vai mudar isso. Confira insights trazidos por executivos da Amazon e da Diageo

O e-commerce mudou nossa relação com o comércio varejista. Agora, o comércio eletrônico vai sofrer com uma inovação disruptiva: estamos falando do digital commerce, que radicaliza a experiência do cliente e a operação varejista em formatos imersivos, intensamente desenhados para capturar e processar dados. Uma ideia profundamente relacional.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Pense em tudo sob demanda, assistentes de voz, frentes de loja desenhadas para oferecer experiências e não em produtos, além de tecnologias como Realidade Aumentada que permite experimentar o que você quer comprar antes mesmo de qualquer transação.

Esse novo varejo vai impulsionar a conexão com os consumidores e estará mais apto a acompanhar mudanças de comportamento. O digital commerce está inserido em uma promessa de vida mais inteligente, repleta de comentários dos consumidores sobre suas experiências e o surgimento de um gigantesco ecossistema de compras em mercados repletos de serviços.

Agora pense no impacto desse cenário para as marcas e os varejistas tradicionais, mesmo aqueles surgidos após o início da era digital. O Cannes Lions abordou essa tendência no painel “Digital commerce em primeiro lugar: aproveitando novas e incríveis oportunidades para criar”. O debate reuniu Scott Kaufman, chairman and CEO da MDC Partners, Anthony Reeves, Chief Creative Officer Da Amazon e Sophie Kelly, Vice-Presidente sênior de whiskies para a América do Norte na Diageo.

Leia também:
Como Dafiti, Boticário e Sephora estão tocando seus projetos omnichannel

A Amazon tem 100 milhões de clientes, ou, como disse Scoot Galloway, mais assinantes do programa do que eleitores nas votações americanas. Quando se olha o alcance e a estrada que levou para o sucesso da Amazon, a premissa parece simples: oferecer ao consumidor o que ele quer, o tempo todo. Evidentemente, executar é outra história. O fato é que graças à Alexa e Amazon Echo, a previsão da ComScore é que, já em 2020, metade das buscas no mercado americano acontecerão acionadas pela voz. O momento é de ascensão do que se chama de “Brand Voice” (Voz da Marca), e ela modificará a jornada do cliente.

O uso da voz, na opinião de Sophie Kelly, é fascinante e estimula as pessoas a repensar e reimaginar como contatam e se relacionam com as marcas. E quanto mais se usa um dispositivo de voz como a Alexa, mais ele aprende e aprimora o relacionamento com o usuário.

O painel mostrou Alexa sendo acionada para convidar pessoas para um happy hour, enfatizando diversas aplicações de socialização facilitadas pela voz. Anthony Reeves diz que a evolução dos sistemas de comando de voz baseia-se na premissa vencedora de colocar o consumidor no centro de tudo.

Mas pensando em perspectivas mais amplas, como a combinação de machine learning, Inteligência Artificial e assistentes virtuais vai mudar as estratégias de marketing? Na opinião de Sophie Keely, tudo é uma questão de testar e experimentar para identificar o que vai funcionar melhor para o consumidor. A Diageo, onde trabalha, usa tecnologias digitais para se conectar diretamente com o cliente e procura elaborar um design que permita à empresa entender melhor o consumidor. Hoje, 87% dos esforços de conteúdo da Diageo são produzidos com o objetivo de ensinar ao cliente como ele pode consumir melhor seus produtos.

Leia também:
Google aposta no Carrefour como principal porta de entrada ao varejo

A combinação da Amazon com a Diageo pressupõe a veiculação de conteúdo que enriqueça a experiência do cliente. Conteúdo que ganhe a mente do cliente e se espalhe on-line pelo mundo. Conteúdo consumível ou que induza a compra e aumente ainda mais a quantidade excepcional de dados que a Amazon acumula são objetivos da parceria.

A expansão das possibilidades do digital commerce pode levar o consumidor a exigir vendas mais fluidas, mais naturais, taticamente sem atritos, por meio de execução excepcional. O trabalho e a jornada do cliente tornam-se mais lógicas e comandados pela busca da experiência contínua. O digital commerce coloca o smartphone como a passarela das operações varejistas, um hub no qual as tecnologias e a digitalização se combinam e se distribuem nas lojas física e digital.

A Amazon convida empresas a fazerem parte do seu ecossistema, recomendando que testes com aplicativos e oportunidades diversas, como Realidade Virtual e Realidade Aumentada aconteçam sempre e aconteçam cedo.

As novas tecnologias e a adoção delas pelo consumidor acontecerá de modo acelerado, porque permitem a eles vivenciar o mundo de outra forma. E essa nova impressão sensorial vai alterar a relação deles com o varejo. Porque tudo deverá ser imersivo, intenso. O digital commerce explora e amplifica tremendamente as experiência oferecidas ao cliente. No entender da Amazon, o digital permite colocar cada vez mais o consumidor no centro de tudo.

As provas e degustações oferecidas ao cliente poderão ser conduzidas digitalmente, as interações permitirão obter conhecimento mais efetivo do cliente. As tarefas dos profissionais de marketing exigirá novas capacidades: deverão dominar marketing, dados, digital, tecnologia, comportamento, uma combinação de tudo isso? Para Anthony Reeves, a função básica do CMO será um gestor de atividades digitais de relacionamento com o cliente. E para Sophie Kelly, será necessário ser mais criativo para ofertar entretenimento desenhado a partir de estratégias capazes de envolver o cliente continuamente no ambiente digital.

Não há menor dúvida do poder da voz e os novos profissionais precisarão ser evangelizados a trabalhar e a conhecer uma jornada psicológica dos clientes. As oportunidades do digital commerce dependerão de novos aprendizados dos profissionais e das tecnologias combinadas.

Leia também:
Como a venda on-line de alimentos desafia as redes de supermercado

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]