Pesquisar
Close this search box.
/
/
10 apostas para o jornalismo e a comunicação em 2021

10 apostas para o jornalismo e a comunicação em 2021

Relatório de especialistas no assunto indica que será um ano de retomada econômica para a mídia; mas modelos são diferentes

O relatório anual do Instituto Reuters e da Oxford é um dos mais esperados da comunicação. Nele, dados se cruzam sobre a área, uma das mais afetadas nos últimos anos pelas redes sociais, registrando a perda de receita de publicidade e a migração de audiência para outros conteúdos – inclusive em portais de fake news. Mas, se 2020 foi o ano-castástrofe para muito negócios, no caso do jornalismo e da comunicação, em geral, ficou clara a sua importância.

Em meio ao caos de acontecimentos inéditos, o trabalho do profissional de informação foi considerado de primeira necessidade. Pensando nisso e de olho na ofensiva que governos pelo mundo têm se organizado para fazer em torno das principais empresas tech – como Facebook e Google – confira abaixo 10 tendências para 2021 elencadas pela parceria do Instituto Reuters, um dos mais renomados da área, com a Universidade de Oxford.

1. A inteligência artificial chegou para ficar

A automação feita por conta da IA já vista em muitos outros setores de mercado deve dar as caras com mais força na comunicação a partir de 2021. “Novas tecnologias, como inteligência artificial (IA), levarão a uma maior eficiência e automação em muitos setores, incluindo o editorial este ano. Mas, à medida que a IA sai dos laboratórios para a aplicação na vida real, podemos esperar um debate mais acalorado sobre seu impacto na sociedade – sobre o ritmo da mudança, sobre transparência e justiça”, explicam os dados do relatório.

Muitos veículos ainda estão fazendo transição para o digital. Mas de uma forma ou de outra, a pandemia de Covid-19 acelerou esse cenário de transformação online, que culminará com mais IA dentro das empresas de comunicação. De qualquer maneira, segundo o material, “os planos de negócios incluem trabalho mais remoto e uma mudança mais rápida para modelos de negócios focados no leitor”. O tempo parece que nunca correu tão rápido para os jornalistas.

2. Imparcialidade X opinião

De acordo com o documento, as noções de imparcialidade estão cada vez mais difíceis de serem atingidas nesse momento de polarização de ideias. “As noções tradicionais de imparcialidade e objetividade jornalística estão sob pressão em uma era de maior polarização política e social – com meios de comunicação mais parciais previstos para lançar este ano.” Em outras palavras, ganhará mais atenção da audiência quem claramente disser a que veio.

“Apesar disso, a grande maioria (88%) dos pesquisados, o que inclui um grande número de editores seniores, afirma que o conceito de imparcialidade é mais importante do que nunca. Ao mesmo tempo, quase metade (48%) concorda que existem algumas questões políticas e sociais em que não faz sentido ser neutro”, mostra o relatório. Essa aposta de produção de conteúdo se une a de que, em um mundo cada vez mais complexo, será necessário expertises cruzadas (de sociologia, antropologia, História, ciências, etc) para poder explicá-lo com neutralidade.

3. Limites para a chamada “liberdade de expressão”

Em um ambiente tão polarizado como o que encontramos hoje nas redes sociais, alguns limites do que pode e não pode ser dito foram pulverizados. “Com vidas em risco e sob ameaça de regulamentação, espere uma abordagem mais intervencionista sobre conteúdo prejudicial e não confiável e maior destaque para marcas de notícias confiáveis ​​- juntamente com maior apoio financeiro”, enfatiza o relatório.

Já foi possível ver isso na prática, nas primeiras semanas do ano, com as restrições impostas ao ex-presidente Donald Trump por parte do Twitter e do Facebook. De acordo com o material, a perspectiva é otimista para quem produz notícia: “no final do ano, o jornalismo pode estar um pouco mais separado da massa de informações que é publicada na internet”, diz o relatório.

4. A volta do contato cara a cara

Ainda que o trabalho jornalístico tenha sido considerado de primeira necessidade durante a pandemia de Covid-19, muita gente está há meses trabalhando de casa no contato com suas fontes e apurações. Para 2021, o relatório prevê que isso deve mudar e os jornalistas serão vistos mais em campo, como se diz.

“Podemos esperar uma sede de contato face a face após um ano de bloqueios e restrições ao movimento. Os eventos da vida real devem retornar este ano, conforme a fadiga do Zoom se manifestar.”

5. Vídeos online e algoritmos

Quando o assunto é desinformação, o material aponta os vídeos online ainda como a maior fonte para fake news. Ele deve seguir sendo uma preocupação para quem atua na área.  “Ele se torna o principal foco de preocupação em torno da desinformação, com o surgimento de canais hiper partidários baseados na opinião e podcasts de vídeo distribuídos por plataformas como YouTube e Spotify”, dizem os dados do documento. Ou seja, é mais uma pedra no sapato na hora de lidar com a regulação de conteúdo e a delicada fronteira que pode transformar em censura a remoção de algo do ar. Essa experiência terá que ser feita em modo beta, ou seja, com tudo já acontecendo.

6. Áudio, a estrela da vez

A pandemia fez o auge da comunicação em áudio se acelerar e agora os podcasts são o que há de mais novo e interessante quando o assunto é produção de conteúdo. O relatório aponta esse caminho também e novas movimentações no mercado brasileiro não podem deixar isso passar despercebido, como o surgimento da plataforma brasileira Orelo para podcasts.

“O áudio continua a ser um ponto brilhante para a mídia de notícias, com forte inovação em conteúdo e modelos de negócios. Espere ver um foco crescente em podcasts pagos e pagamentos de plataforma, ampliando a gama de opções de monetização.” Em outras palavras, quem ainda não começou a focar em conteúdo de áudio já está perdendo tempo.

7.  Prepare-se para o 5G

Só se fala na tecnologia 5G, que vai dar um salto ainda maior no volume de consumo de dados e, consequentemente, de conteúdo. “Os lançamentos 5G ganham ritmo em todo o mundo, junto com uma proliferação de novos dispositivos, incluindo wearables e smart glasses”, adianta o relatório.

Editores e CEOs devem se preparar para um futuro em que a distribuição do conteúdo será essencial para manter suas marcas vivas – e não só a produção garantirá o interesse. Se não chegar nas pessoas, nesse mar de informações diárias, não adiantará nada focar em qualidade ou volume.

8. Jornalismo orientado para fato e explicações

Nunca se valorizou tanto o papel do jornalista-especialista em sua área de atuação quanto agora. Saúde, economia, política, história… Tudo isso ganhou destaque com a pandemia de Covid-19 e as matérias mais aprofundadas, com explicações que vão além das manchetes e devem ser as preferidas do público.

“As empresas que investiram em recursos especializados e talentos antes da crise estavam em melhor posição para aumentar sua reputação. Jornalistas de saúde e especialistas médicos se tornaram nomes conhecidos distribuindo seu conhecimento pela TV, rádio, podcasts e online – respondendo a perguntas do ouvinte e ajudando a corrigir informações falsas”, diz o relatório.

9. Renovação da confiança no jornalismo

Tanto por parte da audiência quanto pelo lado dos profissionais, o mundo virado pelo avesso que a pandemia de Covid-19 trouxe teve como resultado um reconhecimento maior da necessidade de se fazer bom jornalismo. Isso tanto por parte de quem o consome, o público espectador, quanto por parte de quem o produz. Sob pressão, o apuro precisou ser ainda maior e, como essa pressão não deve se dissipar tão cedo, esse cenário se mantém.

O que é bom em matéria de conteúdo deve prevalecer. “Apesar do panorama econômico desolador, a confiança em empresas individuais permanece surpreendentemente forte (73%), enquanto a confiança no jornalismo de forma mais ampla aumentou de 46% para 53%, em comparação com a pesquisa do ano passado”, informa o material da Reuters com a Oxford.

10. Impulso na assinatura digital e outras formas de pagamento

O relatório já havia indicado, em 2020, que essa forma de financiamento por parte dos veículos de mídia seria cada vez mais usada: o pagamento para se poder consumir o conteúdo. Seja por meio de paywall, seja por assinatura digital ou colaboração coletiva, os caminhos estão sendo delineados, ainda que não alcancem o mesmo valor conseguido com projetos publicitários.

Mas é fato que a partir de agora o leitor terá que pagar: “A Covid-19 deu um grande impulso a essa tendência, com o especialista em assinaturas Zuora relatando que a publicação de mídia foi o segundo segmento de crescimento mais rápido – depois de serviços de streaming de vídeo como Disney +, Netflix e Amazon Prime. A média de assinaturas em notícias, de acordo com Zuora, foi cerca de 110% maior do que no ano anterior, na comparação dos meses de março a maio de 2020”, informam os dados. “O New York Times sozinho adicionou mais de um milhão de assinantes digitais em 2020 – citando uma demanda sem precedentes por jornalismo de qualidade, original e independente.”

No Brasil esse esclarecimento sobre o valor das notícias e do jornalismo de qualidade já começou, mas ainda precisa avançar para chegar a níveis mais próximos aos de Estados Unidos e Reino Unido.

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]