Pesquisar
Close this search box.
/
/
O maior ativo do TikTok não é seu algoritmo – é seu telefone

O maior ativo do TikTok não é seu algoritmo – é seu telefone

A rede social chinesa soube transformar a configuração do smartphone em um fluxo de informação viciante

Por volta de 1895, parisienses se reuniram em uma sala escura, com uma grande tela. De repente, o desespero bateu quando avistaram uma locomotiva se movendo em direção à plateia a todo o vapor. Essa foi uma das primeiras experiências humanas com o cinema, que despertou temor com “L’Arrivée du Train” (Chegada de um Trem), dos irmãos Lumière. Parece um universo muito distante em relação à interação que temos hoje com as redes sociais, como o TikTok. Mas pode-se entender como o início.

Isso porque quando a TV entrou dentro das casas, as imagens se tornaram domésticas e, assim, uma intimidade maior com o conteúdo se desenvolveu. É possível que você já tenha dado conselhos para a mocinha da novela ou até mesmo xingado um jogador de futebol que errou o gol. Essas reações ocorrem com menos intensidade e frequência num espaço público mediado, como o cinema. Agora, imagina a intimidade que o seu smartphone tem com você, sendo que é um meio estritamente particular. E foi assim que o TikTok se sobressaiu.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Desvendando o algoritmo do TikTok

Não se pode deixar pra lá a função do algoritmo de rede social. Há pesquisas que se debruçam nas consequências da IA. Conforme Blake Chandlee, presidente de soluções comerciais globais do TikTok: “O Facebook é um aplicativo social. Construíram todos os seus algoritmos tendo como base o gráfico social. Somos uma plataforma de entretenimento. A diferença entre os dois é bem significativa”, afirmou para o The New Yorker.

O especialista em inteligência artificial e mídia social especializado nos fundamentos operacionais da persuasão e psicologia relacionada, Paul Dabrowa, em entrevista ao Financial Times, afirma que a rede social chinesa é um “programa que desenvolve modelos comportamentais preditivos corrigidos a partir dos dados expostos pelas pegadas digitais dos usuários online. Isso inclui seus computadores, smartphones, wearables e praticamente qualquer outro dispositivo de rastreamento de dados”.

Recentemente, o relatório “iOS Privacy: Announcing InAppBrowser”, criado por Felix Krause, pesquisador de software da Universidade de Viena, na Áustria, demonstrou que a estrutura do app ajuda a detectar essas pegadas digitais. Quando os usuários entram nos anúncios do TikTok ou visitam links no perfil de um criador, o aplicativo não abre a página com navegadores comuns, como Safari ou Chrome. “Enquanto você interage com o site, o TikTok se inscreve em todas as entradas do teclado (incluindo senhas, informações de cartão de crédito etc.) e em cada toque na tela, como em quais botões e links você clica”, aponta o relatório.

“Como outras plataformas, usamos um navegador no aplicativo para fornecer uma experiência ideal ao usuário, mas o código JavaScript em questão é usado apenas para depuração, solução de problemas e monitoramento de desempenho dessa experiência – como verificar a rapidez com que uma página é carregada ou se ela trava”, afirma a porta-voz da rede social Maureen Shanahan, em comunicado para a Forbes.

O telefone é o que interessa

Muito se foca no algoritmo para compreender as consequências produzidas pelas redes sociais. Mas, diferentemente do YouTube ou Facebook, o TikTok é totalmente desenhado para ser consumido pelo smartphone, de forma individual e solitária. Essa, inclusive é uma característica da geração Z, os nascidos entre 1995 e 2010, nativos digitais, que nasceram com um celular na mão e são a maior parte dos usuários da plataforma chinesa, de acordo com “Distribution of TikTok users worldwide as of April 2022, by age and gender”, da empresa alemã de dados de mercado Statista.

Marshall McLuhan, o teórico da célebre frase “o meio é a mensagem”, expôs a importância da tecnologia ante o conteúdo, porque ela se torna uma extensão do nosso corpo. Podemos voltar ao exemplo inicial ao que aponta para a transição do cinema para a TV, que ocorreu em meados do século XX e permitiu que as imagens em movimento entrassem em nossas casas. Uma vez restrito às salas de cinema, esse conteúdo passou a viver conosco – assistimos enquanto nos preparamos para trabalhar pela manhã, jantamos e interagimos com a família. Se a televisão se tornou a extensão doméstica, o smartphone, hoje, é a extensão individual dos corpos.

A pesquisa “Who are America´s toilet texters?”, divulgada em 2019 pela Bank My Cell, empresa de revenda de celulares norte-americana, identificou que 96% dos usuários da geração Z e 90% da geração Y costumam levar o celular para o banheiro. Esse dado mostra a mudança de como recebemos, processamos e nos relacionamos com a mensagem do campo público dos cinemas para o privado das nossas salas e, mais íntimo, do banheiro.

Outra particularidade é o engajamento que temos com os influenciadores digitais. Se antes sonhávamos com as divas do cinema, que se aproximavam às deusas do Olimpo; hoje trazemos essas figuras famosas do TikTok para mais próximo, sendo comum comentarmos: “você viu que a Jade cortou o cabelo?” ou “a filha da Virgínia nasceu”. Referenciando essas pessoas com um único nome, porque é assim que nos relacionamos com nossos “amigos”.

Os espectadores desenvolveram cada vez mais relacionamentos “parassociais” com as pessoas que viam através dessas telas, ou seja, desenvolveram uma intimidade à distância, como Donald Horton e Richard Wohl observam no artigo de 1956: “Mass Communication and Para-Social Interaction”. O público doméstico passou a ver esses personagens da mídia de massa como confidentes e amigos, dando às emissoras os meios para manipular o público em um nível mais pessoal.

Assim como nosso relacionamento com a mídia mudou quando ela entrou em nossas casas, ela continua mudando ao invadir nossos smartphones. Esses dispositivos, que estão fortemente integrados às formas como pensamos e processamos informações, permitiram que o TikTok se posicionasse como uma extensão de nossas mentes. Se quisermos nos livrar do alcance do aplicativo, devemos primeiro entender como a mente funciona na era da tecnologia.

O fluxo do smartphone

Se no buscador do Google, temos que saber o que queremos pesquisar, o TikTok promete revelar nossos desejos mais profundos, mesmo que estejamos inconscientes do que intencionamos. A rede social pode ser entendida como uma plataforma não mediada por quem a está usando. Por ser acessada apenas pelo smartphone, a mídia chinesa proporciona um “estado de fluxo” que, sem ter um único usuário adicionado ao perfil, a atenção é totalmente canalizada para o conteúdo em questão. Essa análise é feita pelo escritor Kyle Chayka, colaborador do The New Yorker e especialista em tecnologia e cultura da internet, em seu ensaio “How do you describe TikTok?”. A arquitetura central dessa experiência (desde o deslizar verticalmente para outro vídeo até a exibição em tela cheia) é construída em torno de nossa familiaridade com os parâmetros do telefone.

O imediatismo criado por esse flow permite que o usuário do TikTok renuncie ao processamento reflexivo associado à audiência ativa. A distância necessária para a intervenção e interpretação crítica é tomada pelo curso contínuo de vídeos curtos e a rolagem infinita e irracional.

Conheça o Mundo do CX

A teoria da Mente Estendida desenhada pelos filósofos David Chalmers e Andy Clark, em 1998, com o artigo de mesmo nome, entende que a mente vai além do espaço biológico do crânio. Seria como se, num campo fictício, implantássemos um chip na mente de um indivíduo que possibilitasse ele ter o conhecimento de todas as palavras da língua portuguesa. E se esse chip estivesse externamente ao crânio? Ou fosse um app de dicionário que instalamos no nosso celular e andamos por todo o lado?

Para os filósofos, a mente não está estritamente ligada a nossos corpos, mas sim distribuída por um sistema amplo. As ferramentas externas agem como extensão do nosso cérebro, e por isso fazem parte da mente. Tal como acontece com a nossa memória, esses gadgets cognitivos podem “emperrar” ou ficar indisponíveis (todos nós experimentamos falhas de memórias ou o famoso “branco”), desde que atinjam um padrão funcional.

Essa teoria nos dá a estrutura para entender melhor nossa relação peculiar com nossos telefones. Principalmente os mais jovens, um telefone atende aos critérios estabelecidos pela teoria da Mente Estendida.

Por esta ótica, é possível compreender que o poder do TikTok está acima do algoritmo refinado. Na verdade, a plataforma soube arquitetar seu modelo de transmissão ao redor de nosso relacionamento com nossos telefones, o que representa uma transformação. Segundo a Wired, se a TV trouxe a mídia para a casa das pessoas, o TikTok ousa trazê-la diretamente para nossas mentes. A recepção imediata e passiva que experimentamos na rede social depende do contexto do telefone, assim como a recepção familiar da televisão procede o contexto doméstico.


+ Notícias

Como atrair a nova geração de consumidores do futebol?

Por que o TikTok está superando o YouTube em tempo de tela

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]