Pesquisar
Close this search box.
/
/
A saúde privada no Brasil é ruim de número

A saúde privada no Brasil é ruim de número

Sistema mal desenhado sofre de “datafobia” e não entrega valor nem para o cliente, nem para profissionais de saúde e pouco para o acionista

Os dados estão aí. O mercado de saúde privada, alvo preferencial de reclamações indignadas, submetido à uma regulação rigorosamente indisciplinada, tem hoje 50 milhões de clientes e, pelo jeito, não consegue ler direito os números disponíveis. Levantamentos realizados pelo instituto Vox Populi, a pedido da IESS (Instituto de Estudos de Saúde Suplementar) notificam que os brasileiros estão satisfeitos com os serviços dos planos.

Claro, não temos acesso aos dados, às questões, a dados comparativos, a nada. Dados divulgados pela mídia preguiçosa notificam que esse índice de satisfação beira os 80%. Well… temos os dados – com amostras e metodologia clara – da Opinion Box, divulgada em junho de 2023, avaliando o NPS do segmento: o índice médio é de 42, com um pico de 58, da Tokio Marine (porque o segmento-alvo englobou seguros e Tokio Marine nitidamente faz um ótimo trabalho – Empresa do Ano no Prêmio Consumidor Moderno 2023). O NPS mais baixo é de melancólicos 17 pontos.

Não há possibilidade dos clientes, no geral, estarem satisfeitos com os serviços de seus planos de saúde. Acreditar no contrário é atuar em negação. O número de clientes comunidade entre 15 e 34 anos caiu cerca de 7,6%, segundo dados da ANS, a pedido do Estadão. O mesmo estudo, publicado em junho/2023, mostra que o número de clientes com mais de 60 anos aumentou 32,6%. E os custos, para o cliente, bom esses sobem na velocidade de foguetes da Space X rumo à Lua, e empurram cada vez mais gente para fora do sistema.

A expectativa do cliente é ter acesso a serviços, exames, consultas e informação para atingir idades avançadas com a melhor qualidade de vida possível. Mas, infelizmente, a realidade mostra que esse objetivo não será atingido pela maioria dos clientes. O motivo, que, na verdade, engloba uma série de fatores críticos, é que o segmento de saúde privada é muito ruim de número.

Em português claro, usam os dados para sustentar um sistema inviável, que não gera valor para o cliente (gera desejo e aspiração, mas uma vez contratado pelo cliente, a frustração é enorme a cada ano que passa), também desperta o mal-estar de médicos, hospitais e laboratórios e, por fim, desencanta acionistas pela inequação mal resolvida de custos x receitas x margens.


Por dentro do CONAREC 2023

→ Participe do maior evento de CX da América Latina
Onde? Expo Transamérica – SP
Quando? 12 e 13 de Setembro

A jornada da saúde no brasil: inclusão, longevidade e bem-estar
será um dos temas debatidos no evento.
Vem com a gente! 💬


O valor está na informação

Ora, mas como um segmento que detém 50 milhões de clientes e desperta desejo pode ser destruidor de valor? Porque resiste a trazer a sua mentalidade para uma era na qual a matéria-prima de negócios de valor é a informação. E os planos de saúde simplesmente não conseguem trabalhar com a informação disponível para construir um negócio de valor.

Hoje, os planos de saúde estão pressionados por uma mudança demográfica irremediável. O Brasil, país de renda média e que se permanecerá nesse nível por pelo menos duas gerações, envelhece rapidamente. Dados do censo 2022 mostram que a taxa de natalidade vem caindo há décadas e pode ser inferior a 1,7 (na diferença entre nascimentos e falecimentos).

Isso quer dizer que faltam jovens em idade economicamente ativa para produzir de modo a sustentar um padrão previdenciário razoável para idosos em volume crescente. A estimativa de população, que chegou a ser de 213 milhões, caiu para 207 e hoje, segundo o mesmo censo 2022, está em 203 milhões. Mais idosos, mais uso dos serviços de saúde, porque o país não pensou em políticas de informação para prevenção e cuidado, fazendo a opção pelo diagnóstico e tratamento.

No caso dos planos de saúde, os custos crescentes, determinados por uma regulação desconectada das reais necessidades dos consumidores, escalam em velocidade maior do que a receita advinda de mensalidades e contribuições. Mas a questão básica é que a configuração dos produtos é praticamente a mesma de décadas atrás. O que mudou foi a tendência à uma política mesquinha é medíocre denominada “verticalização”, qual seja, concentrar exames e internações em unidades de “referência” do próprio ecossistema do plano, limitando escolhas, desconsiderando competências, arruinando cuidados, sob o pretexto duvidoso (e com dados frágeis) de racionalizar custos.

São muitos os problemas derivados da verticalização: há um pressuposto de que os serviços de saúde são passíveis de controle, com procedimentos baseados em competências conhecidas e replicáveis. Well… a premissa quase faz sentido, mas o plano de saúde é um produto financeiro, que parte do princípio de que a soma dos recursos de clientes jovens, com menor uso de serviços financia o uso mais intenso de clientes de mais idade, que também pagam mais por esse uso.

Mas, vejam bem: a verticalização não representa transparência nem opção de avaliação por parte do cliente quando da utilização de qualquer serviço. O desejo manifesto é de obter atenção e informação mais rapidamente do que no acesso ao serviço público, com mais velocidade na busca e no uso de serviços especializados.

Ora, verticalizar significa que o plano, que nasce como produto financeiro, vira, de repente, um ecossistema de serviços com aptidões e competências tão abrangentes e complexas que torna impossível uma gestão racional. Seria a mesma coisa que um banco assumir para si negócios de supermercado, hipermercado, atacarejo, proximidade pelo fato de que aceitam cartão como meio de pagamento.

Assine nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

Planos orientadoras à doença

O Core Business do plano de saúde não è, nem pode ser, administrar hospitais, Laboratorios e consultas. É viabilizar o acesso a estes serviços e prover informações que levem a cuidado e prevenção, para prolongar a qualidade de vida e adiar ao máximo o uso de serviços e tratamentos dispendiosos. Da maneira que estão estruturados, são planos de doença e não de saúde. O plano de saúde é habilitador e controlar cada etapa do processo de custos só aumenta a burocracia, a fricção e a insatisfação.

Ou, adaptando um pensamento de Thomas Sowell, grande economista liberal, para os planos de saúde verticais os procedimentos são tudo e os resultados para os clientes/usuários não são nada. Senão, vejamos: temos os dados de NPS e CSAT dos hospitais que pertencem a planos verticalizados? Temos esses dados mas áreas de maternidade, radiografia, UTI, oncologia, ortopedia e outras especialidades nesses hospitais? Temos transparência em relação ao número ou incidência de infecções hospitalares nessas unidades? Sabemos qual a taxa de sucesso de internações sem retornos?

Indo mais longe, temos os dados de NPS e CSAT dos laboratórios verticalizados? Desde hemogramas até testes de esforço e exames de imagem? Sabemos qual o percentual de exames realizados pontualmente nos horários agendados? Temos a taxa de esforço dos agendamentos e da jornada do cliente?

O fato é que não temos esses dados. Os clientes são levados a decidir no escuro, por indicação ou acaso, dentro das opções limitadas disponíveis quais médicos, laboratórios e hospitais devem considerar e isso sem qualquer respaldo relativo à prevenção e cuidado, salvo comunicados pontuais e obscuros, que nunca contrapõem ou oferecem informação qualificada para apoiar as decisões dos clientes.

Sim, porque os planos de “doença” estão preocupados com a taxa de ocupação dos leitos, o número de exames necessários para um diagnóstico, os custos dos serviços de hotelaria, os medicamentos e esparadrapos e seringas usados no dia a dia dos hospitais. Procedimento. Não resultado.

Conheça o Mundo do CX

Combatendo vieses

Trata-se de “darafobia” crônica, um temor irracional de olhar para os dados realmente importantes. Melhor focar somente naqueles que reforçam os vieses de confirmação e a aversão à perda, sem perceber que essa mentalidade erode valor e impede a adoção de inovação real, focada em entender os diferentes tipos de clientes e como adaptar serviços às expectativas destes mesmos clientes.

A ANS, por seu turno, poderia se basear na experiência do Banco Central, órgão regulador do sistema financeira, que, para combater a concentração excessiva dos ativos em poucos bancos, fomentou o surgimento de empresas insurgentes e expandiu extraordinariamente a competição. Hoje, o Brasil é celeiro de inúmeras startups e também de unicórnios, que aumentaram a inclusão e o acesso a serviços financeiros a custos menores e maior qualidade.

Fomentar um ecossistema de saúde, com serviços descentralizados, regulação mais flexível e foco nas expectativas e inclusão dos consumidores, a partir de cuidado, prevenção e dados (desfechos), poderá tornar o sistema de saúde privado realmente uma alternativa ao consumidor brasileiro, aquele de renda média, e que sofre para acessar serviços de qualidade que o Estado provê de modo deficiente.

O momento pede inovação e sentimento orientado a menor compreensão e estudo dos dados. Questão demográfica à frente, os negócios no Brasil devem se adaptar à uma realidade de renda média permanente e pouca capacidade financeira para fazer frente a um sistema de saúde orientado ao tratamento. O sistema de saúde precisa de cuidados ou caminhará de modo inevitável rumo à obsolescência.



+ NOTÍCIAS
Diretor da Pague Menos fala sobre prevenção de perdas no varejo
O setor de pagamentos no varejo vai mudar

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]