Pesquisar
Close this search box.
/
/
A questão de gênero ainda inquieta as empresas. Mas é possível mudar isso

A questão de gênero ainda inquieta as empresas. Mas é possível mudar isso

Será que as empresas estão maduras para aceitar uma agenda voltada para a inclusão indistinta de gênero em seus quadros? Esse foi um dos temas mais discutidos no SXSW. Veja

Percepções sobre diferenças de gênero estão mudando rapidamente. A maioria dos millennials vê o gênero como um espectro, um conjunto, ao invés de um modelo binário. Já 56% da Geração Z nos EUA conhece alguém que usa um pronome neutro de gênero. Estudos como esse nos dizem que, para as empresas, a criação de ambientes inclusivos de gênero não é apenas uma questão de inclusão – é uma vantagem competitiva, por mais inquietante que pareça e por mais controle que alguns executivos queiram ter sobre essa questão. As empresas precisam entender como navegar nesse universo, e é mais fácil falar do que fazer. Vivemos ainda em um mundo binário, e muitos que se identificam como trans, não-binários ou expansivos de gênero estão hiper-conscientes disso. A partir de dados de pesquisa, anedotas e exemplos concretos, os palestrantes Liz Byrne da MGR, Lisa Kenney, diretora executiva da Gender Spectrum e Rebeca Sherer, Diretora executiva sênior de desenvolvimento de talentos organizacionais do Google explicaram o que é gênero (e não é), a óbvia distinção entre gênero e sexo biológico e falaram sobre como as empresas podem aplicar uma lente inclusiva de gênero a todos os aspectos de seus negócios.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Apesar de tudo, a geração Z parece formar uma onda intolerante contra os intolerantes, e sentem-se desconfortáveis em qualquer organização onde a questão de gênero apresente qualquer forma de preconceito. Por que a Geração Z considera que o gênero vai além do mundo binário – homem/mulher. A identidade de gênero pressupõe uma expressão pessoal, como a pessoa se identifica e se sente confortável com seu corpo e sua sexualidade. Sem dúvida, é uma discussão espinhosa e delicada para as corporações. Empresas foram criadas como organizamos masculinos e que se tornaram binários somente na segunda meta de século XX. Agora, elas precisam romper com essa mentalidade para permitir que seus colaboradores sejam como querem ser, se expressar e ser identificados.

Um gênero não se qualifica por maneirismos, roupas, estilo de cabelo, mas sim sobre as emoções que sente e que gosta de expressar. “Assim que tentamos enquadrar o que esperamos ser, nos tornamos menos do que somos”, afirma Lisa Kenney. O que os colaboradores estão pedindo nas organizações é que pelo menos nas fichas de admissão haja a opção “outros”, além de “M” ou “F”. Da mesma forma, identificar um cliente na área de atendimento também deve considerar essa possibilidade. O desenvolvimento de produtos pode ser orientado para as premissas e as necessidades de outros gêneros.

Rebeca Sherer tem um filho trans-gênero. Aprender com a experiência de vida do próprio filho a tornou uma executiva melhor, uma mãe e uma cidadã melhor. Mas ela reconhece que há muita coisa para se fazer no interior das organizações, das empresas para que elas abandonem a lógica binária. Ela recomenda que a liderança trate de controlar seu desconforto com a questão e a pluralidade de gênero. É claro que diversidade colabora para gerar mais inovação e criatividade em qualquer instituição. Mas o esforço mental e a energia que se consomem para buscar essa transcendência, para abandonar os preconceitos e as premissas que caracterizam uma organização binária roubam ainda mais tempo, recurso e capacidades para promover mudanças que o mercado competitivo demanda.

É difícil abandonar nossas suposições e inferências sobre o diferente, e sobre como as pessoas de diversos gêneros irão se adaptar ou representar a empresa diante do público, dos clientes, da comunidade. Segundo Rebeca, empresas gastam dinheiro demais para contornar a questão de gênero, a diversidade e o que de fato está acontecendo na sociedade. Sai mais barato simplesmente aceitar que a questão de gênero é um fato da vida. Não se pede para que a liderança empunhe bandeiras na rua, mas que adote uma postura educativa, humilde e disposta a fazer com que o seu entorno entenda e assimile a situação.

O que está em jogo é permitir que cada pessoa consiga ser melhor consigo mesmo, como consumidora, no trabalho e na vida. E as empresas podem colaborar decisivamente para isso.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]