Pesquisar
Close this search box.
/
/
Quem ficará ultrapassado?

Quem ficará ultrapassado?

Estivemos no World Retail Congress, WRC, em que discussões colocaram em xeque a operação pura (pure play) e a reinvenção de modelos tradicionais como lojas de departamentos e hipermercados.

No último ano, os eventos de varejo pelo mundo se tornaram previsíveis. Antes de a luz do palco acender, é certo que os temas ?omnicanal? e ?experiência de compra? serão proferidos à exaustão. No World Retail Congress (WRC), que aconteceu este ano em Paris (o evento é rotativo pela Europa), não foi diferente, mas vamos aqui nos ater aos assuntos que se destacaram e passaram ao largo da dupla batida. Um deles foi trazido pelo malucão francês Jacques — Antoine Granjon, CEO do clube de ofertas on-line Vente-privee.com.

O ?malucão? não é à toa. Entre tantos executivos engravatados e perfeitamente penteados que se revezaram no palco, Granjon, com sua cabeleira de rock star, colar de contas e jeans surrado, chamaria fácil a atenção apenas pela aparência. Mas não é isso ainda. Ele iniciou seu discurso fazendo as maiores críticas à política (um esporte que o brasileiro conhece bem) do seu país, à falta de apoio do governo e ao apetite sem freios para os impostos ? com isso já ganhou a plateia. E focou seus minutos num assunto pouco comum de se ouvir em palestras por aí: ?O negócio pure play [operação pura, ou seja, tocada em apenas um canal de venda] acabou, agora o produto é quem dá as cartas”.

Continuou: ?O e-commerce é apenas mais um canal de distribuição, por isso não irá tomar o lugar da loja?. Seu ponto: antes um site na internet era apenas uma ferramenta para vender. Agora precisa ser uma marca, e com ela esgarçar as possibilidades fora da web. Usou como exemplo a Amazon (sempre ela). ?Após ganhar a confiança dos consumidores, criou um marketplace trazendo novos parceiros varejistas para seu portal e agora vende produtos com sua marca, ganhando de todos os lados. É uma marca fortíssima… Se tivesse uma loja, as pessoas certamente adorariam frequentar, elas esperam isso dela.? Sem usar esta palavra ? multicanal ?, ele deixou claro: quem atua apenas no varejo físico está perdendo oportunidade, e quem está apenas na web, também.

O site de Granjon funciona como um clube exclusivo ? o consumidor precisa se cadastrar para ter acesso às ofertas, itens de coleções passadas de grandes marcas. Seu modelo está focado em ofertas arrasadoras. Elas fazem o ?trabalho difícil?, disse. ?Quer se beneficiar da mágica da viralização na web? Faça ofertas incríveis e não gaste nada com marketing?, brincou.

SHOES OF PREY

A marca australiana de sapatos era um pureplayer de e-commerce até o ano passado quando inaugurou uma loja física no país. Se no site a consumidora podia personalizar seu sapato, na loja a mesma proposta foi oferecida, com a vantagem de ter os modelos expostos para experimentação. No WRC, o design da loja foi premiado e desbancou concorrentes como Karl Lagerfeld e Puma. A marca conta com 135 mil fãs no Facebook.

PRÊMIO PARA CACAU SHOW

Única empresa brasileira a subir ao palco do World Retail Awards (premiação do evento), a Cacau Show foi a vencedora na categoria varejista do Ano de Mercados e mergentes, composta por empresas que se destacam mundialmente pela originalidade, inovação e trajetória de sucesso empresarial ? o Grupo Pão de Açúcar já foi premiado nessa categoria. A empresa de Alexandre Costa (foto) concorreu com outras cinco de diferentes países: The MAP Group, da Indonésia; Max, dos Emirados Árabes Unidos; Mr Price Group, da África do Sul; Sefam, do Paquistão, e a brasileira Marisa. Em 25 anos, a Cacau Show se tornou a maior rede de chocolaterias do mundo com 1.440 lojas. A partir de setembro, a marca passou a fazer parte da holding Cacau Par, criada por Costa, e a deter o controle de 50,1% da rede Brigaderia.

Vida longa às lojas de departamentos.
O evento seguiu trazendo outros pontos de vista, como a reinvenção de modelos tidos como ultrapassados. ?Há alguns anos disseram que íamos morrer. Vieram os hipermercados, shopping centers, lojas de fast fashion, e-commerce e continuamos aqui. Verdade, muitas lojas de departamentos sucumbiram, mas nós ainda estamos em forma!?, brincou Philippe Houze, chairman da Galeries Lafayette.

O objetivo do painel era justamente este: discutir a relevância das lojas de departamentos no atual cenário varejista no mundo. Os três debatedores ? ao lado de Houze estavam representantes da Myer, maior rede da Austrália, e Intime, da China ? disseram que a concorrência tem se tornado cada vez mais hostil e que o único meio de se manter no mercado é reinventando o próprio negócio constantemente.

?Somos comerciantes, não distribuidores. Isso significa que devemos conhecer nosso consumidor, escolher o mix certeiro que irá agradar-lhe escolhendo das marcas parceiras apenas o que nos interessa, ter sempre novidades, pessoas dispostas a atender bem, sermos um ambiente vivo. Isso nos tornará uma marca de destino, e não apenas mais uma loja?, arrematou Houze, da Lafayette.Bernie Brookes, CEO da Myers, complementou: ?Não podemos seguir o modelo de shopping centers, simplesmente alugando nosso espaço para as marcas, porque nosso negócio é outro.

Teremos futuro se tivermos um posicionamento, nos permitindo agradar ao público-alvo cobrindo suas áreas de necessidade, e não tentando ser tudo para todos os tipos de consumidor?. Em relação ao e-commerce, eles concordam que significa tanto uma ameaça quanto uma oportunidade. ?Nunca iremos competir com preço, nosso foco é exclusividade, novidade, atmosfera de compra. Não somos só moda, somos muitas categorias?, disse o australiano Brookes.

“Perdemos um pouco de peso, mas estamos vivos”
?O hipermercado não morreu?, disse Georges Plassat, chairman e CEO do Carrefour, em referência à recente decisão corporativa de fechar lojas em alguns países. A empresa, que completa 50 anos em 2013, permanece, entretanto, como a maior varejista da Europa ? são mais de 11 mil lojas em 32 países.

Plassat reconhece que a internet mudou todo o mercado, mas se mantém cético em relação ao futuro. ?É um sonho acreditar que as pessoas comprarão apenas pela internet e que as empresas entregarão para todo mundo, todos os dias, qualquer tipo de pedido. Isso é, na verdade, um pesadelo se pensarmos em custos logísticos e de energia?, reforçou. ?O truque será tornar as lojas mais interessantes, efi cientes e realmente em sintonia com o que o consumidor espera delas?, disse.

“Globalização”
?Um modelo não serve a todos?, afirmou em relação à decadência do formato de hipermercado em alguns países. Nos emergentes, por exemplo, a empresa se beneficia do aumento de poder aquisitivo da população, mas enfrenta a concorrência feroz de rivais locais. A combinação da urbanização e da emergência das novas classes médias resultará em um novo mercado. ?Até 2025, o consumo nos países emergentes chegará a US$ 30 trilhões?, disse.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]