Pesquisar
Close this search box.
/
/
Proteção de dados no Brasil: há o que comemorar?

Proteção de dados no Brasil: há o que comemorar?

A Lei Geral de Proteção de Dados está vigorando há quatro anos, e diferentemente do que muitas pessoas pensam, sanções estão sendo aplicadas

Esta semana começou com uma data importante para indivíduos e organizações, devido ao Dia Internacional da Proteção de Dados, celebrado em 28 de janeiro. Na prática, esse dia refere-se à assinatura da Convenção 108 do Conselho da Europa em 1981. O principal objetivo da data é sensibilizar as pessoas sobre a privacidade e a proteção de dados pessoais.

No Brasil, o Dia Internacional da Proteção de Dados foi oficializado em 28 de janeiro de 2021, quatro meses após a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Portanto, trata-se de uma lei que está em vigor há quatro anos.

Analogamente, o momento é de reflexão sobre a privacidade numa era dominada pelas big techs. E a questão, acima de tudo, é: será que a sociedade brasileira tem o que comemorar? Vejamos.

Penalidades

De acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados, são 6 as penalidades para as empresas que descumprirem as regras. São elas:

– Advertência: a empresa recebe um aviso com prazo para se adequar à legislação. Se não corrigir dentro do tempo previsto, sofrerá penalidades.

Multa simples sobre o faturamento: pode chegar a 2% do faturamento da pessoa jurídica, com limite de 50 milhões de reais por infração.

– Multa diária: também limitada a 50 milhões de reais.

– Publicidade da infração: a infração é divulgada ao público, acarretando danos à marca.

– Bloqueio dos dados pessoais: impede o uso dos dados pessoais coletados até a situação ser regularizada.

– Eliminação dos dados pessoais: obriga a empresa a eliminar completamente os dados coletados em seus serviços, afetando sua operação.

O valor máximo das multas previstas pela LGPD é de R$ 50 milhões. No entanto, dependendo do porte da empresa, algumas penalidades podem ser ainda mais severas. Por exemplo, se uma empresa divulgar o vazamento de dados pessoais de milhares de clientes, isso poderá levá-la à falência, uma vez que comprometerá completamente a credibilidade da marca.

O que a lei considera antes das penas?

Todavia, a LGPD considera vários fatores antes de impor sanções administrativas. Entre eles, a gravidade e a natureza das infrações, a boa-fé do transgressor e as vantagens que ele logrou, sua condição econômica, reincidência, grau do dano, cooperação, adoção de boas práticas e governança, pronta adoção de medidas corretivas e proporcionalidade entre a gravidade da falta e a intensidade da sanção. As sanções completas estão no artigo 52 da Lei n.º 13.709.

Na época, a empresa do setor de telefonia sediada em Vila Velha (ES) recebeu duas multas administrativas no valor de R$ 7.200 cada, totalizando R$ 14.400. Pode não parecer grandes coisas, mas para uma microempresa é um valor considerável. Tanto é que a sanção surpreendeu o mercado, que esperava que a primeira penalização seria aplicada a uma das grandes empresas de tecnologia que trata diariamente um grande volume de dados.

Lei para empresas de todos os portes e segmentos

Assim, a sentença serviu serviu como um lembrete para as empresas de que a aplicação da LGPD (e das multas) é multissetorial e independe do tamanho do negócio. E isso reacendeu a preocupação em se adequar à legislação.

Em janeiro deste ano, o Ministério Público solicitou à Justiça Federal a condenação da Enel Brasil S.A. pelo vazamento de dados pessoais de 4 milhões de clientes, ocorrido em novembro de 2020. O órgão busca uma indenização de R$ 30 mil para cada um dos clientes afetados.

Uma ação civil pública movida em conjunto com o Instituto Brasileiro de Defesa da Proteção de Dados Pessoais, Compliance e Segurança da Informação (Instituto Sigilo) realizou o pedido. Além da penalidade individual, as duas entidades também buscam a compensação de R$ 500 milhões por danos morais coletivos, como anunciado pelo MPF em 22 de janeiro.

A Enel informou em nota que não recebeu notificação da ação. Por sua vez, o Ministério Público afirma que a concessionária de energia descumpriu pelo menos 12 dispositivos da LGPD, não agiu com transparência e nem prestou assistência aos clientes afetados pelo vazamento. Os dados continuam disponíveis na internet, e a empresa não tomou nenhuma providência para remover essas informações. “A Enel agiu de forma inadequada e ilícita, lesando milhares de consumidores de seus serviços, independentemente do tratamento dado aos dados”, ressaltou a procuradora da República Karen Louise Jeanette Kahn, autora dos pedidos do MPF.

Fiscalização e regulação

Na mesma ocasião, a Autoridade brasileira tornou-se membro da Rede Ibero-Americana de Proteção de Dados, um fórum de entidades públicas e privadas que visa promover o intercâmbio de informações e desenvolver as normas necessárias para garantir a regulação do direito à proteção de dados pessoais em um contexto democrático.

Em 2023, a Autoridade foi aceita como membro pleno do Global Privacy Assembly (GPA). Essa organização reúne mais de 130 autoridades de proteção de dados de todos os continentes e tem como propósito ser um fórum global para autoridades de proteção de dados.

Para o diretor-presidente da ANPD, Waldemar Gonçalves, o diálogo com instituições internacionais é fundamental. “É uma ação a qual permite que conheçamos as boas práticas em proteção de dados já implementadas em outros países. Assim, por meio desse processo, fortaleceremos o nosso papel enquanto órgão garantidor de direitos”.

Regulamentação

Alguns aspectos relevantes da LGPD ainda esperam regulamentação. Entre eles, primordialmente, a dosimetria para sanções de multas e aplicação de sanções administrativas e os direitos dos titulares de dados pessoais. Ademais, estão o compartilhamento de dados pelo poder público e a transferência internacional de dados pessoais.

Todos esses temas constam na Agenda Regulatória da ANPD para este ano.



Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]