Pesquisar
Close this search box.
/
/
Quando uma promoção da Pepsi promete avião e envolve imprensa, justiça e até o Pentágono

Quando uma promoção da Pepsi promete avião e envolve imprensa, justiça e até o Pentágono

Ao lançar promoção, em 1995, Pepsi criou programa de troca de pontos, mas não esperava ter brincadeira com o maior prêmio levada a sério.

A disputa pela preferência entre as “colas” está há décadas no mercado. Porém, essa guerra teve um marco com uma promoção da Pepsi, em 1995. A marca lançou a campanha “Drink Pepsi Get Stuff”. Em resumo, ao comprar os refrigerantes o consumidor conseguia pontos, que poderiam ser trocados por prêmios. Eram itens comuns, como camisetas, jaquetas e bonés.

Porém, a campanha sugeriu também a possibilidade de ser premiado com o Caça Harrier, que poderia ser trocado por sete milhões de pontos, um número alto e difícil de alcançar. À época, uma garrafa de dois litros, que custava cerca de um dólar, representava um ponto. No caso das latas, cada pack com 24 valia quatro pontos. Em resumo: ganhar o caça não seria algo tão fácil.

Por outro lado, a promoção possibilitava que o consumidor que tivesse 15 pontos da Pepsi poderia comprar um número ilimitado de pontos, que seriam usados para conseguir qualquer um dos itens desejados US$ 0,10 o ponto. Diante dessa proposta, o caça poderia ser comparado por US$ 700 mil. E aí a polêmica começou.

Assine nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

Um estudante determinado a ganhar

Ao assistir a publicidade da Pepsi pela televisão, o estudante universitário John Leonard se viu tentado pelo anúncio. À época, era alpinista, e ter um caça o ajudaria em suas aventuras. Ele então passou a fazer as contas de quantos refrigerantes deveria consumir e quantos rótulos teria que guardar para conseguir ganhar o caça. O avião, que tinha um valor aproximado de US$ 23 milhões, custaria US$ 4 milhões a Leonard pela promoção. Em resumo, ainda sairia “barato” em comparação ao valor real do caça.

Destinado a ganhar, Leonard apresentou sua ideia ao milionário Todd Hoffman, um amigo que o alpinismo lhe deu. Por sua vez, Hoffman mostrou as chances de o plano dar errado, porque no tempo que levaria para juntar todos os rótulos, a promoção poderia acabar.

Porém, quando estava perto de desistir, Leonard viu no catálogo da Pepsi a opção de comprar os pontos.

Leia mais: Guerra de ofertas? Grandes varejistas competem pela atenção dos consumidores

Como o Pentágono foi envolvido na promoção da Pepsi?

Antes de enviar a Pepsi sua proposta para adquirir o caça, Leonard e Hoffman buscaram comprovar a legalidade de ter um jato. Sendo assim, Leonard ligou para o Pentágono com a alegação de buscar informação para um projeto escolar. Ele falou com Kenneth Bacon, que à época era o principal porta-voz do Pentágono. Após ter sua afirmação sobre ser legal comprar o caça, desde que sem armamento, Leonard seguiu com seu objetivo.

Conheça o Mundo do CX

A carta enviada à Pepsi

A dupla de amigos fez planos. Após conseguir o caça, ele seria usado para shows aéreos e outros negócios. Leonard e Hoffman poderiam, por exemplo, usar o jato para boas oportunidades, como com produtoras e anunciantes.

Após vários meses, Leonard e Hoffman enviaram à Pepsi o cheque no valor de US$ 700 mil e os 14 pontos, para surpresa da empresa, que não esperava ver o maior prêmio da campanha ser levado a sério pelos consumidores. Na carta enviada junto ao cheque tinha também o endereço de Leonard, que aguardava a chegada da aeronave em sua casa.

Para sua decepção, isso nunca aconteceu.

A Pepsi, por sua vez, não descontou o cheque e retornou a carta com a explicação de que o jato se quer estava incluso à promoção ou no catálogo de prêmios. A empresa explicou a intenção cômica por trás do anúncio veiculado na televisão e presenteou o estudante com cupons que garantiriam duas caixas de Pepsi. Começou assim uma luta que envolveu desde a imprensa, a justiça. O caso tomou a mídia, e os dois consumidores envolvidos na história foram chamados para contar a versão que lhes cabia.

Leia mais: 5 livros para aprender sobre atendimento e satisfação do cliente

Processo judicial e mudança na quantidade de pontos da campanha

Com a negativa, Leonard contatou seu advogado para dar uma resposta à empresa. No comunicado, dizia que a transferência deveria acontecer em até 10 dias úteis, caso contrário, seria iniciado um processo judicial contra a Pepsi. Diante da situação, a empresa iniciou a batalha legal e venceu.

O mais forte argumento dizia ser ilegal alguém realmente ter um jato do modelo anunciado para empresa, informação contrária a passada pelo representante do Pentágono. Ou seja, se não há legalidade, também não há legitimidade na oferta.

Depois, a Pepsi aumentou o número máximo de pontos da campanha para 700 milhões, e ainda deixou descrito no comercial que se tratava de uma brincadeira.

Mas, a disputa judicial conhecida como “Leonard x PepsiCo” se estendeu por anos. Até mesmo uma oferta foi feita a Leonard, que recusou.

O caso foi encerrado em 1999, com a conclusão de que “nenhuma pessoa razoavelmente objetiva poderia ter concluído que o anúncio realmente oferecia um caça Harrier aos consumidores”. A história seguiu emblemática e, inclusive, debatida em salas de aula das faculdades de direito.



+ NOTÍCIAS
PepsiCo apresenta sua primeira loja autônoma no Brasil
Como os consumidores brasileiros se relacionam com promoção

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]