Pesquisar
Close this search box.
/
/
Pop-up stores e lojas menores: tendências para 2019

Pop-up stores e lojas menores: tendências para 2019

Modelos de loja mais econômicos e agilidade para consumidores que procuram conveniência devem estar na estratégia dos varejistas

A vida nos grandes centros acontece sempre em ritmo acelerado. Seja no trânsito, no metrô ou em transportes alternativos, a pressa é companheira dos moradores das metrópoles. O varejo, claro, acompanha o comportamento dos consumidores, a fim de oferecer soluções que se adaptam à rotina de seus clientes.

O relatório de tendências para o varejo da CB Insights aponta justamente nessa direção de que é preciso se adaptar ao novo perfil de consumo. Por isso, a plataforma de análises de mercado faz duas apostas para 2019: estabelecimentos menores – e mais rápidos – e lojas com prazo para fechar as portas, as pop-up stores.

Lojas pequenas

Muitos grandes varejistas estão fugindo das tradicionais lojas gigantes, optando por pontos de venda menores. A IKEA, marca de móveis e decoração, anunciou que vai abrir uma “loja-estúdio” em Manhattan, entre maio e junho deste ano. A ideia é que os consumidores possam escolher itens que gostariam que fossem entregues em suas casas.

O anúncio faz parte da estratégia da IKEA de abrir 30 lojas pequenas em três anos. Outras gigantes, como Sephora e Target, já abraçaram formatos menores para suas lojas. O objetivo é atender melhor aos consumidores que moram em grandes centros.

A tendência de lojas menores em 2019 pode ser explicada por uma previsão das Nações Unidas: dois terços da população mundial viverão em áreas urbanas até 2050. Em um espaço urbano mais denso, lojas pequenas facilitam a visita de consumidores apressados, são mais baratas, demandam menos funcionários e um estoque menor para gerenciar.

Um bom exemplo dessa tendência é a loja de departamentos norte-americana Macy’s. A marca lutou para manter suas grandes lojas, mas decidiu encolher algumas operações que não iam bem em até cinco vezes do tamanho original. O CEO da Macy’s, Jeff Gannette, afirmou que o objetivo agora é transformar as lojas em destinos focados na conveniência.

As lojas menores devem ainda buscar localizações privilegiadas nas cidades, para auxiliar no atendimento e entrega de pedidos on-line. Para reduzir ainda mais os custos, as marcas que apostarem neste modelo podem ainda firmar parcerias com startups de entrega e mobilidade.

Pop-up stores

As lojas pop-up se tornaram campos de teste eficiente para que os varejistas ponham à prova novos produtos e tecnologias, além de fazer bem para a imagem das marcas. Este modelo já se tornou comum no setor varejista.

As pop-up stores são lojas com prazo para fecharem e representam uma boa oportunidade para testar, além dos produtos, layouts, tecnologias que auxiliam no atendimento ao cliente e campanhas de branding. Tudo isso sem o risco financeiro que uma aposta de longo prazo representaria.

Tradicionalmente, essas lojas são abertas por empresas digitais que querem estabelecer pontos físicos. A varejista de moda Bonobos, por exemplo, opera um trailer onde os consumidores podem experimentar vários modelos com a consultoria de um estilista. Depois, as peças são enviadas para as casas dos clientes.

Em 2017, o Alibaba abriu 60 pop-up stores para o Dia dos Solteiros. Todas as lojas foram integradas ao Tmall, e-commerce do Grupo Alibaba, e tinham espelhos inteligentes que permitiam que os clientes experimentassem as roupas virtualmente.

Cliente testa tela interativa que dá detalhes sobre os produtos na pop-up store do Tmall / Crédito: Sohu

Nos Estados Unidos, a Amazon se juntou com a Calvin Klein para abrir uma pop-up que oferecia uma experiência digital em outubro de 2018. Um mês depois, a loja temporária da Macy’s contou com realidade virtual e com a parceria do Facebook.

As pop-up stores são uma ferramenta extremamente eficiente para todo o setor varejista. As tecnologias que estão sendo testadas nessas lojas que têm prazo para fechar devem ditar o movimento dos varejistas nos próximos anos.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]