Pesquisar
Close this search box.
/
/
Pare de ir atrás de novos clientes

Pare de ir atrás de novos clientes

Conquistar novos clientes é fundamental, mas sem a fidelização, sua empresa se tornará um balde furado: os consumidores entram na mesma proporção em que saem

Eu sempre falo que, para vender, o negócio precisa gerar valor para o cliente, e isso significa uma coisa: sua marca tem que ser interessante, não interesseira. Além de oferecer produtos e serviços relevantes para o público-alvo, precisa estar disponível – atender, oferecer suporte e estar disposta a solucionar problemas. Ou seja, fazer do cliente (e não do produto) a alma do negócio. Essa mentalidade muda tudo.

Criar o melhor produto é importante, mas o sucesso duradouro não vem dele. Mesmo que sua empresa seja a melhor no segmento, produtos são commodities, facilmente copiáveis pelo concorrente. O que realmente determina se seu negócio sobreviverá ou não é o quanto ele é capaz de fidelizar os clientes.

Em um cenário extremamente competitivo como o de hoje, construir relacionamentos é o que separa uma empresa de sucesso daquela que fica sempre na média.

Leia mais:
Automação puxa investimentos em TI em 2023, segundo Gartner

Porque investir na retenção

Investir tempo e energia na aquisição de novos clientes é importante, mas equilibrar esses esforços com a retenção é vital para a sustentabilidade da operação. No fim, o que um negócio precisa conquistar é o equilíbrio entre CAC (custo de aquisição do cliente) e LTV (valor vitalício do cliente).

O LTV é o valor total da receita gerada por um cliente individual ao longo de todo o seu relacionamento com a empresa. O indicador busca entender o retorno trazido pelo cliente comparado com os custos envolvidos com a sua aquisição.

Idealmente, a regra de ouro para a relação LTV:CAC deve ser de pelo menos 3 vezes, ou seja, se a empresa investiu R$ 50 para adquirir um lead, o retorno teria que ser de pelo menos R$ 150.

Com os anúncios online cada vez mais caros, concentrar esforços no LTV é mais do que necessário e uma maneira de tornar a marca mais resiliente.

Considerando que toda venda tem seu custo, boas taxas de retenção significam mais economia: dependendo do setor, é de 6 a 7 vezes mais caro adquirir um novo cliente do que manter um existente. Além de ser mais fácil e barato, clientes recorrentes gastam mais e com maior frequência e tem mais propensão a indicar a marca para amigos e familiares, fazendo o famoso marketing boca a boca.

Se você ainda não se convenceu, trago outro dado animal: um aumento de 5% na retenção de clientes pode aumentar a receita da empresa em 25-95%. A essa altura você já deve ter sacado: não é sobre os motivos de reter, pois sabemos que isso é eficaz. É sobre como se tornar uma empresa que fideliza; e como tudo, esse movimento começa com o cliente.

Assine nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

Vender é conquistar, conquistar é reter

Sempre que falo sobre clientes recorrentes, muitos empreendedores ficam céticos. Isso acontece porque a maioria das empresas nasce sem conhecer seu público; lançam produtos e serviços sem eficácia e desenvolvem estratégias para vender “para todo mundo”, a maior cilada que um empreendedor pode cair.

Quem vende para todo mundo, no fim, não vende para ninguém, e mais cedo ou mais tarde os números vão refletir essa decisão.

Uma vez que você investe em conhecer profundamente seu ICP (Ideal Customer Profile), é capaz de oferecer a oferta ideal no momento mais adequado, deixando de vender funcionalidade para vender solução. Enquanto o primeiro se destaca pelo preço, o segundo se destaca pelo valor que gera.

Além de entender o comportamento do cliente, é preciso fazer o básico bem feito. Se um time comercial vende para bater meta e não para ajudar o consumidor, o atendimento é lento e qualquer problema acabará em um depoimento decepcionante na internet. Qual chance essa empresa tem de reter?

A base de uma estratégia de retenção está na maneira como sua marca faz os clientes se sentirem. Por isso, proporcionar uma boa experiência é mandatório.

A retenção na prática

Os benefícios da retenção são muitos, mas como sua empresa pode operacionalizar isso no dia a dia? Separei 3 dicas que podem ajudá-lo a transformar seus clientes em fregueses:

#1 – Invista em um atendimento omnicanal

Um dos principais inimigos da retenção é um atendimento ruim e negligente. Um cliente mal atendido tende a se transformar rapidamente em um ex-cliente. Além de acertar no tom, um bom atendimento deve estar onde o cliente está – e com o avanço da tecnologia, a resposta é em todos os lugares.

Nesse sentido, implementar uma estratégia omnicanal é uma ótima opção para clientes cada vez mais exigentes.

Para aumentar a retenção, a Nike utiliza uma abordagem ominicanal que mescla canais físicos e digitais. Com um conjunto variado de aplicativos, usa a localização do usuário para recomendar produtos e até mesmo ajuda os clientes a percorrer suas lojas físicas.

Aplicativo Nike / Créditos: Woopra

Além de aplicativos próprios, a marca utiliza as mídias sociais para oferecer um atendimento mais dinâmico e pessoal. No Twitter, por exemplo, a Nike opera uma conta de suporte dedicada a responder perguntas e reclamações, uma ótima estratégia para diminuir o atrito. Ao invés de preencher um formulário burocrático, o cliente pode simplesmente tuitar.

Conheça o Mundo do CX

#2 – Colete e use feedbacks

Entender o que torna sua marca uma opção de compra (ou não) exige mais do que uma pesquisa de NPS (Net Promoter Score). Mesmo que ela seja importante, conseguir coletar feedbacks mais detalhados é fundamental, não apenas para conhecer o cliente, como também para melhorar produtos e serviços, aumentando a percepção de valor.

Um bom exemplo é a varejista Nordstrom, que coleta feedbacks de várias maneiras. Além da comum sessão de comentários referente aos produtos, a empresa solicita que alguns usuários respondam a pesquisas enquanto navegam pelo site, obtendo insights valiosos sobre a jornada de compra e entendendo o que separa um comprador real de um visitante.

Site Nordstrom / Créditos: Woopra

Mas colher feedbacks não é o suficiente, afinal, dados precisam ser transformados em conhecimento. Para que isso aconteça, um time de dados analisa os feedbacks e os torna acessíveis a todos os funcionários, facilitando que os ajustes necessários sejam feitos.

Colher feedbacks ajuda qualquer negócio a se conectar com o cliente de maneira mais profunda e, para ser efetivo, deve ser analisado e convertido em uma iniciativa prática, aproximando a empresa dos objetivos que deseja alcançar.

#3 – Use novas tecnologias para potencializar a experiência

Para manter os usuários ativos, o Spotify usa análise preditiva para garantir que encontrem algo novo sempre que abrirem o aplicativo. A “Discover Weekly” é uma playlist personalizada e baseada em análises preditivas de músicas que determinado usuário gosta, e essa análise se estende também para playlists pessoais. Ao final de cada playlist criada pelo usuário, por exemplo, o algoritmo sugere pelo menos cinco músicas baseadas na lista de reprodução.

Playlist “Discover Weekly” do Spotify / Créditos: Woopra

Tecnologias como o aprendizado de máquina podem ajudar uma empresa a se tornar relevante e intencional, utilizando dados para manter o cliente engajado. esse sentimento de cuidado personalizado é a chave para boas taxas de retenção – afinal, deixar uma empresa que conhece suas necessidades em um nível pessoal transforma-se em um grande um desafio.

Busque equilibrar o CAC e o LTV para construir
um negócio resiliente

Muitas empresas até entendem a importância de construir um relacionamento autêntico com o cliente, mas poucas investem estrategicamente em mantê-lo, um erro que pode ser fatal.

Empresas com boas taxas de fidelização não tem apenas um produto relevante, elas tornam-se parte da vida dos clientes, construindo uma relação de benefícios mútuos. Afinal, um negócio só é bom quando é bom para todo mundo.

Essas marcas entenderam que precisam conquistar continuamente seus clientes, não apenas no pré-venda, no pós também. Além disso, todo produto e serviço deve refletir os desejos e necessidades do cliente, construídos através de dados.

Muitas empresas têm clientes, mas poucas possuem fãs – consumidores leais, dedicados e que estão sempre dispostos a comprar mais e melhor. Em qual desses perfis o seu negócio está investindo?

*Alfredo Soares é cofundador do G4 Educação



+ NOTÍCIAS
Da cozinha ao coração: como Tupperware se tornou uma marca icônica
Como garantir que o cliente seja genuinamente engajado?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]