Pesquisar
Close this search box.
/
/
“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

A produção coreana vencedora do Oscar de melhor filme e também de filme internacional, além da Palma de Ouro em Cannes, é um fascinante comentário da luta inglória entre ser e estar, consciência e aceitação

De que forma enxergamos nossa vida? Como vemos as pessoas que estão à nossa volta? Em um mundo onde narrativas são construídas diariamente para iludir quem convive conosco, ser autêntico é uma atitude descartável? Até que ponto nosso comportamento indiferente, desconectado da emoção alheia, pode alimentar um caldeirão de ressentimento a ponto de explodir em violência insensata?

Uma família tentando sobreviver no rodapé da sociedade ultramoderna, hiper-competitiva e implacavelmente estratificada da Coreia do Sul é o eixo de um fascinante comentário sobre o achatamento de expectativas e perspectivas das classes médias globais. São 4 pessoas com habilidades diferentes vivendo na periferia, cada qual remoendo sua sensação de deslocamento e inferioridade diante de outros cidadãos que se mantém altivos em uma realidade repleta de transformações.

Clique e ouça a entrevista de Jacques na CBN

Essas e muitas outras questões são enfocadas com raro brilho e extraordinária qualidade narrativa no fenomenal Parasita, filme sul-coreano que conseguiu a façanha histórica de conquistar o #Oscar de Melhor Filme Internacional e de Melhor Filme simultaneamente (além de direção e roteiro original).

A obra do incrível Bong Joon Ho é praticamente um tratado sobre o mal-estar reinante entre os “deserdados da globalização e da digitalização”, gente presente na maior parte dos países e que combina um sentimento de perda, ausência de objetivo, resignação forçada, dissonância cognitiva e desumanização inconsciente em uma visão de mundo cínica e niilista que despreza a política convencional

Parasita

O enredo do filme é de uma simplicidade franciscana – a família humilde descrita acima, que vive dos restos de uma economia forte e próspera, consegue brecha para conviver e usufruir do padrão de vida de outra família, essa afortunada.

A família “pobre” joga um tanto sujo para conquistar seu lugar junto à família rica. Essa convivência gera inicialmente um processo de mutualismo, ambas as famílias se beneficiam do que têm a oferecer uma para a outra, mas a partir daí fica nítido que a convergência entre os dois mundos é inviável e as diferenças culturais, sociais e econômicas entre esses mundos vão provocar tensões inesperadas e ações descompensadas.

O que parecia conveniente torna-se vertiginosamente um processo de parasitismo com direito a uma boa dose Kafka. A família pobre se aproveita das benesses da família rica sem remorso e sem medida.

É possível acreditar que a família pobre aceite de bom grado seu papel de parasita, ainda que a contraparte rica não se dê conta de que está sendo usurpada. Em uma brilhante inversão de perspectiva, Bong Joon Ho mostra que os ricos enxergam seus funcionários da família pobre como “iguais”, mas apenas sob determinadas condições e explicitando o que os torna diferentes.

parasita

Claro, toda organização social tem os seus podres enterrados no porão de sua alma. Podres que afloram sem controle, sem aviso e que invadem nossa consciência tomando de assalto nossa tranquilidade.

Aqueles que convivem conosco podem muito bem estar rastejando e se esgueirando pela nossa vida sem que queiramos perceber. Quase que deliberadamente, “Parasita” mostra como a desumanização derivada da indiferença pelo outro pode levar pessoas a viverem como baratas, sem remorso e sem dor.

Nesse sentido, o filme dialoga com o Coringa de Todd Philips (falamos depois por aqui, vem ler), construindo personagens que são derrotados e perturbados, mas que ao assumirem uma persona diferente do que são realmente, uma projeção que se evidencia e chama a atenção, fazem da violência um grito de liberdade da existência insuportável.

Parasita faz da busca por uma identidade socialmente relevante uma jornada inconclusiva, onde “estar” é sempre efêmero e em desacordo com o “ser”. Simplesmente “estar” bem é mais importante do que “ser” bom. Todos assumem papeis, em ambas as famílias, todos, país e filhos se desidratam do que os definem como pessoas, cedendo espaço para ilusões de autoengano desenfreadas. O resultado desse jogo entre rótulos, identidades, pertencimento e deslocamento é pura insanidade, violência crua e uma acomodação inquietante e nervosa ao final.

Assim como Coringa, o filme vencedor do Oscar 2020 é um comentário necessário sobre como sociedades fracassam ao se deixarem levar pela imagem, pela aparência e pela incapacidade de tomarem decisões, terceirizando-as para algoritmos ou “indicações”. Descobrir e encarar os parasitas que habitam nossas vidas e pensamentos, bem como assumir o que somos e o que podemos ser são desafios formidáveis dessa modernidade incompreensível.

Viver hoje em dia parece ser um processo que quer nos arrancar dos valores e referências que gerações anteriores cultivaram. Essa ausência de âncoras que permitem a construção das identidades pessoais está na raiz da eclosão de crises de ansiedade e de violência incompreensível.

A suposta ficção de Parasita na verdade escancara nossa incapacidade de criar pontes entre manifestações distintas da natureza humana. Os parasitas que mexem com nossa mente, no entanto, estão soltos e ativos.

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]