Pesquisar
Close this search box.
/
/
Os movimentos do grande varejo para aumentar seu capital político

Os movimentos do grande varejo para aumentar seu capital político

As grandes empresas do varejo trabalham para converter o seu poder econômico em poder político ao se aproximar da equipe econômica do novo governo

Na primeira década dos anos 2000, o varejo passou por um boom que teve seu auge em 2010, quando o setor cresceu acima dos 10%. Essa fase foi sucedida por uma queda brusca, de 2015 a 2017, o que mudou drasticamente o humor e a postura do empresariado do varejo, em especial de alguns dos grandes players.

A expectativa de reformas as relações de trabalho foi o que mais motivou o empresariado durante a conturbada troca de governo de Dilma Rousseff para Michel Temer. Concretizada a Reforma Trabalhista, os empresários do varejo ainda esperam os efeitos que foram sugeridos como consequência da flexibilização do trabalho.

O mote que move a militância dos grandes varejistas no governo Bolsonaro é, em especial, a Reforma da Previdência. “Ela é fundamental e isso foi dito por nós no encontro que tivemos com o ministro Paulo Guedes (Economia). Estamos nos aproximando do secretário Roberto Marinho. Assim como o apoiamos na Reforma Trabalhista, também apoiamos na reforma previdenciária. Com relação à Reforma Trabalhista, estamos acompanhando de perto o que está acontecendo”. Esse foi o panorama traçado por Antonio Carlos Pipponzi, presidente do IDV (Instituto para o Desenvolvimento do Varejo), organização que reúne alguns dos grandes players do setor, durante o 7º Fórum Lide do Varejo.

Entre os varejistas de grande porte que fazem parte do instituto estão Raia-Drogasil, Petz, Carrefour, Walmart, Riachuelo, Leo Madeiras, Renner, Magazine Luiza, GPA e Livraria Cultura.

Reformas fiscal e trabalhista

Pipponzi, que é presidente do Conselho da Raia-Drogasil, afirma que há receios ainda dos varejistas aderirem a algumas situações previstas na Reforma Trabalhista por conta dos vários processos de inconstitucionalidade que ainda travam a aplicação das novas regras, principalmente relacionadas ao trabalho intermitente, um dos pontos mais sensíveis às grandes empresas.

O presidente do IDV afirma que o instituto está bastante ativo com o novo governo e tem apresentado propostas relacionadas não apenas às questões previdenciárias e trabalhistas, mas também fiscais. “Estamos em conversa com o Waldery Rodrigues Júnior (secretário da Fazenda) e do Marcos Cintra (secretário-especial da Receita Federal). Temos a preocupação de evitar a sonegação para que as empresas que hoje investem muito não sejam prejudicadas por isso e percam competitividade”, conta.

O executivo aponta ainda que a ideia do IDV é aprofundar o diálogo do grande varejo com os três poderes, porém diz que é preciso criar mecanismos para que o governo consiga sobrepor sua agenda à do Legislativo. “Vamos ver o que conseguimos fazer sem ter a necessidade de passar pelo congresso”, afirma.

A ascensão política do grande varejo

O ex-presidente da Riachuelo e pré-candidato à presidência da República em 2018, Flávio Rocha, disse que o varejo de alta performance ocupou gradualmente um protagonismo no debate político no Brasil a partir dos anos 2000. “Não existe País de primeiro mundo sem um varejo de primeiro mundo. Em 2003, quando fomos para o encontro da NRF pela primeira vez, nós ainda tínhamos na cabeça aquele espírito de vira-lata”, afirma o empresário.

Rodrigo Garcia, vice-governador de São Paulo, reforça o papel político do varejo como facilitador de acesso a renda e bens de consumo. “O varejo é o maior empregador da área privada e cumpre a Constituição do Brasil, que prega um estado de bem-estar social, ao oferecer acesso a emprego, renda e bens de consumo, ”, destaca.

Para Rocha, o varejo trouxe mudanças na pirâmide social, que transformou o eleitor/consumidor de súdito em protagonista. “Os 98% dos brasileiros que puxam a carruagem estão aqui para tirar o Estado das mãos de uma elite burocrática. O protagonista é o povo brasileiro, o cidadão, eleitor e consumidor brasileiro”, afirma.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]