Pesquisar
Close this search box.
/
/
Open banking pode gerar novos modelos de negócios

Open banking pode gerar novos modelos de negócios

Negócios baseados em comparação e recomendação, em um conceito de marketplace já podem ser vislumbrados com a implementação do Open Banking

Para os mais nostálgicos, o ritmo das mudanças no modo de viver, proporcionado pela tecnologia, pode parecer estar seguindo uma velocidade muito rápida. Mas, o fato é que elas vão continuar acontecendo, e, muitas vezes, serão irreversíveis. No caso do Open Banking, muita água ainda vai rolar – e as mudanças serão irrefreáveis.

O sistema, que está em sua segunda fase de implementação, veio para permitir o compartilhamento padronizado de dados e serviços por meio de APIs (Application Programming Interfaces) por parte de instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

No caso dos dados de clientes, seja pessoa física ou jurídica, é o consumidor que decidirá quando e com quem ele deseja compartilhar suas informações. Com isso, espera-se a entrega de produtos e serviços financeiros a clientes com maior agilidade, conveniência e segurança.

Para Vinicius Campos, gerente de qualidade e processos da Guide Investimentos, o Open Banking definitivamente vai transformar os negócios.

“Fazendo uma analogia, ele está para os bancos e o mercado financeiro em geral como a internet e os smartphones estão para as comunicações e o entretenimento. Não será uma transformação de um dia para o outro, mas acontecerá, e quando olharmos para trás, vamos achar curioso, por exemplo, ser cliente fixo de um banco ou ter de passar por etapas complicadíssimas para transferir os investimentos de uma instituição para outra”, afirma.

“Os que têm um pouco mais de experiência de vida, devem lembrar das videolocadoras e de tudo o que era necessário para poder ver um filme. Hoje toda essa experiência foi transformada. Não foi de um dia para o outro, mas quando aconteceu, foi irreversível. Novos negócios foram criados e muitos, infelizmente, não puderam acompanhar essa evolução”, pontua Vinicius Campos.

Com o Open Banking, surgirão (boas) novas oportunidades?

Além da possibilidade de integração da prestação de serviços financeiros à jornada digital do consumidor, com o sistema financeiro aberto é provável que surjam condições para novos modelos de negócios que tenham, principalmente, o cliente no centro.

Para Guilherme Assis, CEO do aplicativo de investimentos Gorila, a implementação do Open Banking, diferentemente do PIX, é um processo, e as fases são necessárias para que haja consistência dos dados, performance e segurança.

Sendo assim, é natural esperar que o impacto seja sentido ao longo do tempo pelos consumidores e não imediatamente, no começo de cada fase. Contudo, depois da implantação concluída, o CEO já acredita em alguns novos modelos que poderão surgir:

“Muitos novos modelos de negócio que nem imaginamos hoje poderão ser criados. Mas de bate pronto acreditamos em modelos de negócio baseados em comparação e recomendação de produtos de diferentes instituições, em um conceito de marketplace. Conseguimos enxergar empresas que ajudam na automatização de pagamentos recorrentes independente da instituição. Empresas que entendem melhor os consumidores para propor produtos que façam mais sentido para um dado perfil”, exemplifica.

O gerente da Guide Investimentos concorda sob esse ponto de vista, e acha difícil vislumbrar nesse momento quais tipos de produtos, serviços, facilidades e novos negócios serão criados, porque o Brasil ainda está em uma etapa de implementação.

Porém, para ele, já é possível enxergar a possibilidade de consolidar informações e oferecer conveniência como comparação de produtos e, em um segundo momento, a originação de movimentações.

“Mas acho que isso é pouco, muito mais vai surgir, apenas ainda não foi idealizado. Quando um primeiro player vier com uma solução, ou conjunto de soluções arrebatadoras, a transformação vai de fato começar e se tornar exponencial. A certeza é que existe um potencial gigantesco a ser explorado. E me parece que o diferencial aqui será conseguir trabalhar com a quantidade enorme de dados que estarão disponíveis e principalmente, trazer uma experiência para o cliente que realmente torne o processo de compra algo agradável”, diz Vinicius Campos.

“O que acho que já é bem concreto e que já está acontecendo é a abertura para o surgimento de uma quantidade enorme de participantes do mercado, que não são necessariamente instituições financeiras, mas que vão fazer parte da experiência de consumo. As instituições mais tradicionais vão precisar aprender a lidar com esse cenário”, complementa.

Consumidor sai ganhando

No fim das contas, os dois executivos acreditam que, com a implementação do Open Banking – sistema já utilizado em países como Austrália, Inglaterra e Alemanha, o maior beneficiário será o consumidor.

“Ele será sem dúvida o maior beneficiado. A experiência vai ser transformada e o principal, o consumidor vai ter muito mais domínio e muito mais poder. Hoje há uma assimetria muito grande – o grande banco possui todo o histórico do seu cliente, coisas simples como comparar o preço de um financiamento são complicadíssimas – há informações que não são claras, custos e taxas que alteram o preço final, burocracia e dificuldades criadas para reter o cliente. Com o Open Banking, o cliente vai ter a liberdade de escolha e o processo de mudança será trivial – a balança vai pender para o outro lado”, sinaliza o CEO do Gorila.

Já para Vinicius Campos, os dois principais pontos de melhoria serão no custo dos serviços financeiros, que irão cair, e na melhora significativa da experiência no consumo desses mesmos serviços, que serão mais personalizados, além do surgimento desses novos modelos de negócios, que poderão facilitar a vida das pessoas.


+ Notícias

De olho em mercado inexplorado, fintechs investem no interior do Brasil

Bancos digital e físico: preferências variam de acordo com as gerações

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]