Pesquisar
Close this search box.
/
/
Open Banking promete competição acirrada entre instituições de serviços financeiros

Open Banking promete competição acirrada entre instituições de serviços financeiros

Criado em 2021, o Open Banking promove o compartilhamento de dados entre empresas do setor financeiro de forma transparente, segura e benéfica para todas as partes envolvidas

Você já ouviu falar em Open Banking? O termo, também conhecido como sistema financeiro aberto, diz respeito ao compartilhamento dos dados pertencentes aos clientes de produtos e serviços financeiros entre diferentes instituições autorizadas pelo Banco Central (BC).

Na prática, o Open Banking, ou OB, aumenta a competitividade do mercado atrelado à economia, já que as empresas passam a ter acesso aos dados dos usuários de suas concorrentes e tendem a fazer ofertas mais acessíveis a eles, garantindo tarifas mais baixas e condições de pagamento facilitadas.

“O Open Banking busca criar um ecossistema que permite transações mais rápidas e fáceis para os clientes. A partir do compartilhamento das informações, o cliente pode ter acesso a diferentes tipos de produtos financeiros, como empréstimos e investimentos, e escolher o mais vantajoso para a sua situação”, comenta Jhonatan Hoff, coordenador do Curso de Ciências Contábeis da faculdade FIPECAFI.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

As fases do Open Banking

De acordo com o professor, o Open Banking foi composto por quatro grandes fases desde o seu surgimento, em fevereiro de 2021: “a primeira fase iniciou pelas instituições financeiras, as quais tiveram que compartilhar os dados sobre seus produtos e serviços financeiros, como os tipos de produtos comercializados, as taxas praticadas e até mesmo a localização de suas agências”, inicia o acadêmico.

“Na segunda fase é onde inicia efetivamente o compartilhamento de dados dos clientes dos serviços financeiros entre as diferentes instituições, ou seja, o cliente pode autorizar o compartilhamento dos seus dados entre instituições a seu critério”, continua Jhonatan Hoff.

O professor complementa: “já na terceira fase o cliente pode realizar pagamentos fora do ambiente dos bancos tradicionais e também solicitar propostas de crédito de diferentes instituições ao mesmo tempo. Por último, na quarta fase, que também foi chamada de Open Finance, o escopo dos dados compartilhados de serviços financeiros foram ampliados e passaram a englobar informações como dados de investimento, seguros e previdência, entre outros”.

A primeira fase foi iniciada no Brasil em janeiro de 2021, enquanto que a segunda e a terceira foram implementadas nos meses de agosto e outubro, respectivamente. A última fase, Open Finance, surgiu em dezembro do mesmo ano, conforme evidencia o Banco Central na página referente ao OB.

Conheça o Mundo do CX

Sistema auxilia na educação financeira do brasileiro

Ainda segundo o coordenador do Curso de Ciências Contábeis da faculdade FIPECAFI, o Open Banking também permite a visualização das informações financeiras de diferentes bancos em uma única plataforma, o que garante uma experiência do cliente mais satisfatória e permite um controle financeiro ainda maior por parte do público.

Vale lembrar que somente as instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central podem integrar o Open Banking. Apesar disso, outras empresas podem ingressar nesse ecossistema, se cumprirem com as diretrizes propostas na regulamentação. A lista com as entidades aprovadas para fazer parte desta experiência pode ser encontrada clicando aqui!

Ainda convém ressaltar que este novo modelo de negócio é totalmente seguro, já que é conduzido a partir do consentimento dos clientes, envolve apenas corporações aprovadas pelo BC e permite a revogação do compartilhamento de dados, caso o usuário assim desejar. Ademais, o sistema financeiro aberto já foi testado e aprovado por vários países, como o Reino Unido, pioneiro neste setor e a Austrália, situada na primeira fase do programa. As demais nações, como os Estados Unidos e o Canadá estão em processo de análise mas pretendem implementar a novidade em seus territórios.

O Open Banking sob a ótica dos próprios bancos

No último dia 9 de agosto, durante o evento de tecnologia bancária, Febraban Tech, o presidente do Banco do Brasil, Fausto Ribeiro, contou sobre suas perspectivas e experiências a respeito deste novo sistema financeiro.

Segundo ele, além de ser mais certeiro na apresentação de produtos específicos para os clientes, o Open Banking possibilita a criação de novas plataformas de negócio por meio da ajuda mútua: “parcerias trazem novas oportunidades de negócio. Temos hoje em nosso marketplace, 27 grandes varejistas. A plataforma gera receita entre 9% e 10% para o banco. É uma janela enorme de oportunidades e ainda para conhecer melhor os clientes, seus hábitos”, pontua o presidente do BB, que ressalta o ganho de R$ 430 milhões de receita com após a instalação deste novo modelo.

A título de curiosidade, a Febraban divulgou em seu portal que, ao longo do primeiro ano de implementação no Brasil, foram realizadas 231,1 milhões de chamadas entre os participantes para o compartilhamento de dados e não foram constatados problemas estruturais tampouco burocráticos em nenhuma das quatro fases.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

Banco Original quer ampliar ciclo de vida do cliente com omnicanalidade

Do Pix ao e-money: presidente do BC indica futuro do dinheiro no Brasil 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]