Pesquisar
Close this search box.
/
/
O cineasta que mudou o jogo

O cineasta que mudou o jogo

Alejandro González Iñarritu, vencedor dos últimos dois Oscars de direção, dá um show no Cannes Lions

Cannes, França – A agência Ogilvy trouxe uma inspiração mesmerizante para o Cannes Lions: Alejandro González Iñarritu. O cineasta que mudou as regras do cinema, com seu realismo brutal, sua plástica surreal, sua inventividade. Um cineasta que quer fazer do improvável, provável. Ele participou de uma conversa com Thai Khai Meng, Co-chairman e Chief Creative Officer Global da Ogilvy.

Meng, de início, quis saber sobre o grau de dificuldade de se produzir um filme como O Regresso. E Iñarritu afirmou que o filme foi um aprendizado por inteiro. Filmar uma hora ou duas por dia, enfrentar o clima, a natureza, um desafio sem precedentes.

O criativo da Ogilvy também quis saber sobre o trabalho de som dos filmes – realmente, a edição sonora de suas obras é assombrosa, pela criatividade e intensidade emocional. O cineasta diz que se considera um músico frustrado. “Não há barreiras nem linguagens para a música, por isso a considero a forma de arte mais pura que existe. A melhor parte da jornada é sempre trabalhar com a música.”

Incansável, Iñarritu está escrevendo para rádio. O que prova sua necessidade de experimentar linguagens o tempo todo. Como visto, o som sempre foi uma parte fundamental do seu cinema. E o exercício sonoro é uma nova forma de experimentação, como foram os comerciais há décadas atrás. Sim, o genial mexicano já foi um dos diretores de cinema publicitário mais premiados do mundo. Tem 40 Leões, Titânios e até um Grand Prix no Cannes Lions. Mas nunca se deu ao trabalho de inscrever nada, nem de contabilizar seus feitos. Para ele, os comerciais são um tipo de exercício para cineastas, como se fossem uma academia de ginástica. Humilde, Iñarritu afirmou que para um contador de histórias como ele, um belo exercício é realmente fazer comerciais, por que há necessidade de ser conciso, sempre em 30″: “Cada segundo é muito importante. Eu tinha que vender emoções por muitos e muitos anos. E você aprende sobre todo o processo de filmagem e edição. Você pode aprender muito sobre a função do áudio nos filmes.”

Meng quis saber como o México conseguiu entregar ao mundo 3 artistas, cineastas fantásticos como o próprio Iñarritu, Cuarón e Del Toro. Novamente, muito humilde, com uma simplicidade desconcertante, o artista disse que não é apenas o México que produz cineastas fantásticos, mas toda a América Latina, por conta de sua riqueza cultural e grande transformação política e social. “Pudemos aprender observando cinema, tivemos uma rica cultura visual, tivemos fome para buscar desenvolver o talento”, diz. Como influências para o seu cinema, Iñarritu destaca os países que são grandes centros de cinema: EUA, França, Itália – o neorrealismo italiano – Bergman, Bunuel, Tarkovski…

Filmes como 21 gramas e mesmo Birdman, abordam questões metafísicas e espirituais. “Qual é o caminho, de onde vem a sua inspiração?”, pergunta Meng. O cineasta mexicano respondeu: “Minha espiritualidade vem pouco da minha religião,  vem mais do existencialismo, parte da consciência de que vou morrer e de que estou vivo. Tudo isso é parte da minha doença – eu sou um cara interessado, muito interessado na busca da consciência.”

E o que o direciona, o que o faz mover-se sempre para frente como se não houvesse nunca zona de conforto, mesmo após 4 Oscars? “Depende do dia, pode ser uma coisa diferente. Não sei o que me direciona. Eu gosto de armazenar coisas, eu não construo agendas, eu quero provocar as pessoas, quero que elas reflitam, eu sei de um modo muito abstrato que não me forço a ter um sonho, a viver em função deles.”

E complementa: “o que me direciona no trabalho é o perfeccionismo. Sou um tremendo insatisfeito e eu acho que tudo pode ser melhor sempre. Eu sou obsessivo em perguntar como fazer melhor. Sou venenoso nesse sentido para quem trabalha comigo”.

Meng quis retomar a ênfase espiritual que exala no trabalho de Iñarritu. Para o criativo, todos nós voltamos à natureza. E O Regresso mostra essa relação de pai e filho e há vingança. Ela é importante. Como se relaciona esse pacto entre a natureza e a vingança no filme? “Meu objetivo não era a vingança. O que eu queria era ser inédito, queria questionar o que impele o personagem adiante, à frente. Não gosto da vingança espiritualmente, filosoficamente. O mundo em que vivemos hoje sofre por conta da vingança. A vingança significa uma perda. É a perda que eu abordei”, revela o cineasta.

E quais as possibilidades de novas técnicas que permitem criar cenários intensos e imersivos com a RV? Iñarritu afirma estar fascinado pela Realidade Virtual. Para ele, O Regresso foi um exercício maior que o de Birdman – um filme sobre um suicida, um exercício intelectual. Mas pensar na Realidade Virtual, ela realmente poderia em filmes como esse, poderia gerar uma experiência muito sensorial, com truques de ilusão.

O artista mexicano tem 4 Oscars. Ganhou tudo, partindo de Leões e Grand Prix em Cannes. E agora? O que está no horizonte?

Iñarritu afirma que é muito bom ganhar esses prêmios, mas que o importante é não ser pego por esse tipo de coisa, porque senão o artista está morto. “Estou excitado com as possibilidades de continuar aprendendo. Há muito para ser explorado, a RV tem muitas possibilidades. Como ser um contador de histórias com a possibilidade de criar cenários de 360º, ou seja, tudo deve ser filmado. É muito excitante. Um monte de desafios adiante, mas é ótimo.”

Ah, e uma última mensagem do cineasta que mudou o jogo de Hollywood, ao ganhar o Oscar duas vezes consecutivas por obras tão diferentes – Birdman em 2015 e O Regresso, em 2016: “a ideia é rei.”

A julgar pela maneira com que Iñarritu cria e concebe filmes originais, e que explora linguagens introspectivas, surreais, combinando elementos narrativos que não seguem a lógica das tramas do cinemão, ele realmente acredita no poder da ideia. A recompensa é fácil de ser percebida: Iñarritu foi aplaudido efusivamente, de pé, no início e no final do painel.

*Jacques Meir é Diretor de Conhecimento e Plataformas de Conteúdo do Grupo Padrão.

cineasta-mudou-mundo-2

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]