Pesquisar
Close this search box.
/
/
Expectativa x Realidade: o que esperar de 2023

Expectativa x Realidade: o que esperar de 2023

Com menos planos para o ano que vem, brasileiros mudam hábitos de consumo e misturam sentimentos como angústia e esperança.

No começo de 2022, as expectativas eram muitas, especialmente em relação à volta dos eventos públicos. Com tantos acontecimentos agendados, como eleições, Copa do Mundo, shows e festivais, os brasileiros ficaram esperançosos e ansiosos pela volta, enfim, da vida social mais agitada. Segundo um relatório da MindMiners, empresa de tecnologia que oferece ferramentas para pesquisa de mercado, 42% dos respondentes tinham estabelecido objetivos para 2022 e já estavam trabalhando para alcançá-los em fevereiro, quando o levantamento foi feito.

Mas, dessas pessoas, quantas realmente conseguiram conquistar esses objetivos dentro deste ano? E com algumas incertezas permanecendo, como a situação dos casos de covid-19 com novas variantes, quais são as expectativas para 2023? A seguir, confira os principais destaques do estudo da MindMiners e como essas projeções vão interferir nos hábitos de consumo.

Leia Mais: Equilibrar consumo com menor poder de compra é desafio também das empresas

Expectativas para 2023: dinheiro e saúde continuam no topo

As expectativas para o próximo ano se dividem entre os respondentes: enquanto metade estabeleceu metas, a outra metade não criou nenhum plano. Essas metas estão relacionadas principalmente a dinheiro (54%), saúde física e mental (50% e 49%), vida profissional (47%) e lazer (36%). Menos citadas, estão os objetivos relacionadas a educação (33%), bens materiais de grande porte, como casa e carro (28%), beleza e estética (22%) e família (18%).

As únicas metas que aumentaram para 2023 em relação ao estabelecido para 2022 foram:

  • guardar dinheiro (77%, 3% a mais);
  • começar alguma modalidade de exercícios, como yoga ou pilates (27%, 2% a mais);
  • trocar de emprego (27%, aumento de 7%);
  • ir em shows e festivais de música (39%, aumento de 3%);
  • começar ou concluir um novo período acadêmico (55%, 9% a mais);
  • fazer um curso de curto período (aumento de 4%);
  • e renovar o guarda-roupas (65%, 4% a mais que em 2022).

O restante permaneceu o mesmo ou tiveram as expectativas reduzidas para 2023, como investir em negócio próprio, fazer exames de rotina, consultar um psicólogo, ter reconhecimento profissional, assistir a mais séries, aprender um novo idioma e comprar uma casa.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

O que foi cumprido em um ano?

Sabe aquela lista de metas feitas no final de 2021? Aparentemente elas serão empurradas para 2023 ou abandonadas em 2022 mesmo. Dos 42% que tinham estabelecido objetivos em fevereiro de 2022, apenas 28% disseram ter conseguido cumpri-los – número 10 pontos percentuais a menos do que o declarado sobre 2021.

Assim como os planos que estão em mente para 2023, as metas traçadas para 2022 estavam relacionadas especialmente a dinheiro, saúde física e mental e vida profissional. Planos com educação, no entanto, vinham antes de lazer.

Dentre os objetivos para este ano relacionados à saúde em geral, estavam o desejo de melhorar os hábitos alimentares, citado por 73% dos planejadores. Essa, contudo, pode ser uma das metas não realizadas se analisarmos os dados do relatório Consumer Insights, da Kantar.

O estudo mostrou que o consumo de alimentos processados aumentou, e os brasileiros substituíram o consumo de frango nas refeições principais (que caiu 11%) pelo de linguiça, hambúrguer e salsicha (que aumentou 21%, 23% e 27%, respectivamente). Os dados são relativos a junho de 2021 a junho de 2022.

Segundo a Kantar, uma das possíveis explicações para a queda na qualidade da alimentação é a inflação, que fez os consumidores deixarem de comprar alguns produtos e mesclarem alimentos de menor qualidade nutricional (e menor preço, também) com outros mais nutritivos.

Finanças preocupam, mas brasileiros também estão esperançosos

Como a pesquisa da MindMiners mostrou, dinheiro é o principal tema citado quando o assunto foram as metas de 2022 e as expectativas para 2023. Entre a metade dos respondentes que possuem um emprego, 28% deles têm o hábito de guardar dinheiro, 23% guarda e investe e 17% apenas investe – nesse último grupo, houve um aumento de 5 pontos percentuais do começo para o fim do ano.

Leia Mais: O que muda um hábito de consumo? Causas e efeitos no comportamento do consumidor atual

Porém, em relação às dívidas, o cenário permaneceu o mesmo, com 42% dos respondentes com algumas dívidas e 14% deles com muitas dívidas. Além disso:

– mais da metade (57%) das pessoas com dívidas não têm previsão de quando irão regularizá-las;

– 47% diz que isso prejudica no planejamento de planos para o futuro;

– 36% afirma que isso afeta a autoestima;

– 17% diz que isso as deixa sem esperanças.

Um levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) aponta que 40,05% dos brasileiros adultos estavam negativados em outubro de 2022, o equivalente a 64,87 milhões de pessoas. O número é um recorde desde que o levantamento começou a ser realizado, há 8 anos. “O brasileiro ainda sente no bolso os efeitos dos últimos aumentos das taxas de juros e dos preços dos alimentos. Apesar da inflação ter diminuído, no dia a dia isso ainda não é sentido nos produtos de consumo básico, que seguem aumentando. Esse cenário impacta diretamente no orçamento familiar”, diz o presidente da CNDL, José César da Costa.

Conheça o Mundo do CX

Outro levantamento da CNDL e do SPC, em convênio com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) aponta que o desemprego vem afetando o estado físico e emocional dos brasileiros. Em comparação com 2020, em 2022 emoções como ansiedade e angústia aumentaram 23 e 27 pontos percentuais.

Angústia, aliás, foi a emoção citada por 18% dos respondentes da pesquisa da MindMiners. O sentimento substituiu o tédio, apontado por 20% deles no começo de 2022. O restante dos sentimentos permanecem semelhantes e os dados mostram que, apesar de ansiosos, os brasileiros também estão esperançosos.

Como as expectativas para 2023 refletem nos hábitos de consumo?

E se a esperança ainda existe, as expectativas para 2023 já foram criadas, mesmo que muita gente não tenha estabelecido metas. O estudo “Principais Tendências de Consumo 2023”, do Sebrae, cita também a esperança como alavanca para o consumidor querer retomar um comportamento mais social. Mais cautelosos em relação ao dinheiro e mais cuidadosos com a saúde, os consumidores estão adaptando seus hábitos de consumo. Assim, algumas tendências listadas para o ano que vem pelo Sebrae são:

Consumo Intencional: mais pesquisa e menos compras por impulso. O consumidor busca produtos e serviços que combinem com seus valores e propósitos;

Consumo com Consciência Ambiental: reutilização e upcycling seguem em 2023, com produtos sendo trocados, doados, reaproveitados etc.;

Consumo de Infoprodutos: materiais criados e distribuídos digitalmente continuarão no radar dos consumidores que buscam cursos online e vídeos sobre idiomas, dicas de viagem, gastronomia, música, entre outros assuntos.

Para conquistar os consumidores mais econômicos e conscientes, algumas das recomendações do Sebrae são oferecer diferentes formas de compra e de acesso ao crédito; produtos que melhorem o dia a dia; experiências que envolvam os sentidos; e praticar e incorporar os princípios ESG (Environmental, Social and Corporate Governance) nas ações.


+ Notícias

Algospeak: ‘idioma’ próprio para burlar moderação nas redes

Stix: o ecossistema de fidelidade que deu certo

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]