Pesquisar
Close this search box.
/
/
Brasileiro quer crédito, mas manter controle de suas finanças

Brasileiro quer crédito, mas manter controle de suas finanças

Consumidores sem experiência de crédito querem ter acesso a produtos e serviços, mas estão atentos às condições e experiências

Um terço das pessoas usariam mais produtos financeiros se recebessem ofertas melhores. Além disso, as pessoas sem crédito muitas vezes não conseguem ter acesso a produtos e serviços financeiros porque têm pouco ou nenhum histórico de informações de crédito.

Um estudo da TransUnion fez uma análise de comportamento de crédito em vários países para entender quantas pessoas estão sendo sub ou não atendidas. O relatório também indica caminhos para que esses consumidores em potencial ganhem mais visibilidade, e com isso oportunidades de acesso a bens e serviços.

O estudo global “Fortalecendo a Inclusão Financeira: Uma perspectiva mais profunda sobre consumidores de crédito sub-atendidos e não atendidos” incluiu uma análise do comportamento de crédito no Canadá, Colômbia, Hong Kong, Índia, África do Sul e Estados Unidos, e uma pesquisa global online de consumidores em Brasil, Canadá, Colômbia, República Dominicana, Filipinas e Estados Unidos.

“O estudo aponta claramente que há uma parcela grande de pessoas em todo o mundo que não está sendo atendida ou tem acesso reduzido ao crédito,” afirma Claudio Pasqualin, Vice-Presidente de Soluções da TransUnion Brasil.

Este estudo excluiu os recém-chegados ao crédito – pessoas que tiveram acesso ao primeiro produto de crédito nos últimos dois anos – da população sub-atendida, já que muitos desses recém-chegados ao crédito tornam-se mais ativos no crédito logo após a abertura de seu primeiro produto. A pesquisa procurou compreender aqueles que permanecem sem atendimento ou sub-atendidos durante um período mais longo.

Para entender melhor: perfil de consumidores no crédito

Não atendido: Consumidores que nunca tiveram um produto financeiro tradicional

Sub-atendido: Consumidores que:

  • Têm dois anos ou mais de histórico de crédito e pelo menos uma conta de crédito tradicional em seu histórico;
  • Têm de zero a duas contas de crédito abertas no momento;
  • Contam com apenas um tipo de produto de crédito

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Maioria de consumidores busca novos produtos

Os resultados da pesquisa, realizada entre agosto de 2021 e janeiro de 2022, indicam que, mesmo os consumidores sem experiência de crédito identificam os riscos e benefício de ter crédito e querem manter o controle de suas finanças. No Brasil, mais da metade (58%) das pessoas sub-atendidas acreditam que sua necessidade de crédito vá aumentar nos próximos três a cinco anos.

Não querer contrair dívidas foi citado por 47% das pessoas não atendidas e 37% das sub-atendidas como a razão pela qual não assumiram mais crédito, ou qualquer crédito no caso das não atendidas. A preocupação em perder o controle das finanças também foi uma razão dada por 31% de consumidores sub-atendidos para não assumirem mais crédito.

A maioria das pessoas está procurando obter mais acesso ao crédito para suas necessidades financeiras

Estes dados sugerem que a maioria das pessoas está procurando obter mais acesso ao crédito para suas necessidades financeiras. Mas globalmente, o desejo de evitar dívidas foi a razão mais comumente citada para não querer mais crédito, com exceção do Canadá.

Em todo o mundo, os mais de 11 mil entrevistados no levantamento planejam solicitar crédito em 2022, em diferentes graus. No Brasil, 41% das pessoas entrevistadas não atendidas – aquelas sem nenhum produto de crédito – planejam solicitar empréstimo, em comparação com 39% das pessoas sub-atendidas. A porcentagem desses grupos indica que existe uma real necessidade e interesse em produtos financeiros.

Encontrar maneiras de atender às necessidades e desejos desse segmento, e gerenciar o risco com prudência, representa uma oportunidade significativa de crescimento para as empresas que concedem crédito, seja através de empréstimos, financiamentos ou cartões.

Leia Mais: A Serasa é do bem

Busca por melhores ofertas e experiências

Os resultados da pesquisa também indicaram que 33% de consumidores sub-atendidos no Brasil expandiriam seu uso de crédito se recebessem melhores ofertas e 20% se houvesse opções com parcelas mensais menores.

As altas taxas de juros foram a razão mais comum tanto para não atendidos quanto para sub-atendidos rejeitarem as ofertas de crédito, com um terço de cada grupo preocupado com o custo do crédito. Este foi um tema comum observado em todo o mundo, de residentes da Colômbia, das Filipinas e dos Estados Unidos.

Na República Dominicana, tanto entrevistados não atendidos como sub-atendidos indicaram que a principal razão para rejeitar uma oferta de crédito era não precisar mais de crédito, o que também era verdade para residentes não atendidos no Canadá.

Leia Mais: Estudo aponta os principais problemas dos consumidores no acesso ao crédito

Porque consumidores recusam crédito oferecido

A experiência do cliente também desempenhou um papel importante para a decisão de aceitar ou negar uma oferta de crédito. O longo processo de aprovação foi citado como fator para recusar uma oferta de crédito para 14% dos não atendidos e 10% dos sub-atendidos no Brasil. Além disso, um em cada dez consumidores sub-atendidos disseram que rejeitaram as ofertas de crédito porque receberam oferta melhor em outro lugar.

“Pessoas não atendidas ou sub-atendidas no Brasil e ao redor do mundo reconhecem e entendem os riscos de se tornarem superendividadas”, acrescenta Pasqualin.

“A experiência agradável para o consumidor é importante para os credores
quando se trata de chegar aos não atendidos e sub-atendidos”

“Elas esperam taxas de juros e pagamentos mensais acessíveis, assim como experiências mais fluidas. Processos de aprovação longos ou situações negativas podem levar uma pessoa a recusar ofertas de crédito. Como o custo do crédito influencia a entrada de novas pessoas no ecossistema, é importante que as instituições financeiras desenvolvam e ofereçam produtos que atendam a essas demandas. Além disso, a experiência agradável para o consumidor é importante para os credores quando se trata de chegar aos não atendidos e sub-atendidos. Também deve se levar em conta o processo de identificação deste público e fazer com que a oferta chegue até essas pessoas.”

Conheça o Mundo do CX

Satisfação de crédito

Ao comparar o sentimento das pessoas entrevistadas não atendidas com as sub-atendidas, há uma diferença marcante no nível de satisfação com o volume de crédito atualmente disponível a elas. No Brasil, 53% das pessoas sub-atendidas estavam satisfeitas ou extremamente satisfeitas com seu volume de crédito atual, enquanto 35% das pessoas não atendidas, aquelas sem crédito atualmente, tinham o mesmo nível de satisfação.

Por outro lado, 22% das não atendidas não ficaram nada satisfeitas com seu nível de crédito, e 13% das pessoas sub-atendidas expressaram insatisfação. “A promoção da inclusão financeira começará com uma melhor compreensão das diferentes nuances entre as populações não atendidas, sub-atendidas e servidas de crédito e o que as faz funcionar”, ressalta Juarez Zortea, presidente da TransUnion no Brasil.

Ainda de acordo com a pesquisas, os motivos que levam as pessoas não atendidas e sub-atendidas a solicitar crédito pode variar muito. Os credores devem usam esses conhecimentos para melhor atender às necessidades exclusivas desses segmentos e para educar sobre formas de construir e melhorar seus perfis de crédito. “Ao fazer isso, pode ser desempenhado um papel fundamental para ajudar mais pessoas a se envolverem ativamente no sistema de crédito, impactando positivamente economias do Brasil e do mundo”, conclui Zortea.


+ Notícias

Geração Z está disposta a abrir seus dados em troca de experiências

Tecnologia nos faz trabalhar mais, não menos, alerta Drauzio Varela

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]